EM TEMPOS DE “FORMAÇÃO POR COMPETÊNCIAS”, REFLEXÕES SOBRE A UTILIDADE DO INÚTIL

possibilidades para a formação escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i2.9777

Palavras-chave:

Formação por competências, Conhecimento útil, BNCC

Resumo

Este artigo objetiva refletir sobre o paradigma da formação por competências. O texto mobiliza argumentos em torno da utilidade dos conhecimentos inúteis articulados a noção de inovação na educação, considerando possíveis desdobramentos para o contexto escolar. Este estudo se caracterizou como pesquisa bibliográfica, sendo de natureza descritiva bibliográfica com uma abordagem qualitativa. Identificou-se que a “utilidade” do conhecimento tem sido um dos referenciais fundamentais utilizados pelas orientações da formação por competências. Tal filiação explicaria, segundo nossa análise, grande parte das limitações apresentadas pelas formulações do que vem se constituindo como uma Pedagogia das Competências no sentido de cumprir promessas e objetivos manifestos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celoy Aparecida Mascarello, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação da Unochapecó. Graduação em Pedagogia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina com habilitação em Orientação Educacional (1996). Especialista em Educação Infantil e Séries Iniciais - UNOESC (1998) e Tecnologias da informação e comunicação no desenvolvimento da Aprendizagem UFRGS (2008) e Gestão Pública na Educação Profissional e Tecnológica - IFSC (2018). Servidora efetiva da Coordenadoria Regional de Educação de Xanxerê - SC, atuando na Gerência de educação, no setor do Ensino Médio. Atualmente exerce a liderança do Grupo de educadores Google Xanxerê, uma comunidade de educadores que aprendem, compartilham e inspiram uns aos outros para atender às necessidades dos alunos por meio de soluções tecnológicas, dentro e fora da sala de aula.

Ricardo Rezer

Realizou estudos de Pós-Doutorado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (2018). Doutorado em Educação Física (2010) na Universidade Federal de Santa Catarina, com estágio na Universidade do Porto (Porto, Portugal). Atualmente é Professor Adjunto A da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (ESEF/UFPel). Entre 1999 e 2020 foi professor da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapeco), onde exerceu a função de Diretor de Pesquisa e Pós-Graduação (2010-2012), e atuou como professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado), do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (Mestrado e Doutorado), e do Curso de Educação Física (Graduação). No Programa de Pós-Graduação em Educação, exerceu a função de Coordenador entre os anos de 2014 e 2016. Atualmente, é membro do GTT Epistemologia do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) e do GT17 - Filosofia da Educação, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED). Possui experiência na área de Educação Física, Educação e Saúde, atuando principalmente com os seguintes temas: Epistemologia e Prática Pedagógica; Trabalho docente na Educação Superior; Formação Profissional; A universidade na contemporaneidade; Hermenêutica e Pedagogia do Esporte.

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de A. e MARTINS, Maria Helena P. Filosofando; introdução à filosofia. 1. cd. São Paulo, Moderna, 1986. Temas de filosofia. São Paulo, Moderna, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. de 2019.

_______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://bit.ly/2kEgi66>. Acesso em: 22 mai. 2018.

DELORS, Jaque. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI. 6. ed. Tradução José Carlos Eufrázio. São Paulo: Cortez, 1996.

HAMILTON, David. Sobre as origens do termo classe e curriculum. Teoria e Educação, n. 6, 1992.

HIRATA, Helena. Da polarização das qualificações ao modelo da competência. In: HOLANDA, Francisca Helena de Oliveira; FRERES, Helena; GONÇALVES, Laurinete Paiva. A Pedagogia das Competências e a formação de professores: breves considerações críticas. Revista Eletrônica Arma da Crítica, Ano 1, 2009.

KUENZER, Acácia. Ensino Médio e Profissional: as políticas do Estado neoliberal. Ed.Cortez, 2001.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACHADO, Nilson José. Sobre a ideia de competência. FEUSP – Programa de pós-graduação, 2º semestre 2006. Seminário de estudos em Epistemologia e Didática SEEB, 2006.

MASCARELLO, Celoy Aparecida. Formação por competências no ensino médio: desdobramentos para a organização escolar. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Comunitária da Região de Chapecó. 2019.

MORAES, Maria Celia Marcondes de. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, Braga – Portugal, v. 14, n.1, p. 5-24, 2001.

ORDINE, Nuccio. A Utilidade do inutil: um manifesto. São Paulo: Zahar.2016.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

__________.Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez. 2006.

REZER, Ricardo; CAMILO CUNHA, Antônio. Conhecimento para o “Tempo do Inútil” – Reflexões para o campo da Educação Física. XXI Congresso Brasileiro de Ciências do esporte. Anais. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/2mjf0xR>. Acesso em: 16 de ago. de 2019.

REZER, Ricardo. O trabalho docente na formação inicial em Educação Física: reflexões epistemológicas. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, p. 390. 2014.

__________. Pedagogia das competências como princípio de organização curricular: “Efeitos Colaterais” para a educação superior. Revista Educação – UFSM, no prelo.

__________. Horizontes para pensar a Universidade Comunitária no Contemporâneo. 30 Teses. Ijuí: Ed. Unijuí, 2018.

__________. FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. Uma orientação hermenêutica para o trabalho na educação superior. Educação em Análise – Formação de educadores e produção de pesquisas num contexto de desigualdades socioculturais. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2013.

RICARDO. Elio Carlos. Discussão acerca do ensino por competências: problemas e alternativas. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.140, maio/ago. 2010. Disponível em: <https://goo.gl/W8JP87>. Acesso em 18 de ago. de 2018.

RICARDO, Elio Carlos; ZYLBERSZTAJN, Arden. O Ensino das ciências no nível médio: um estudo sobre as dificuldades na implementação dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. Florianópolis, v.19, n.3, p.351-370, dez. 2002.

________. Os Parâmetros Curriculares Nacionais na formação inicial dos professores das Ciências da Natureza e Matemática do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.12, n.3, p.339-355, dez. 2007.

________. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para as Ciências do Ensino Médio: uma análise a partir da visão de seus elaboradores. Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v.13, n.3, p. 257-274, 2008.

ROPÉ, Françoise; TANGUY, Lucie. Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. São Paulo: Papirus, 2004.

SOUSA, Rafaela. OCDE. Brasil Escola. 2015. Disponível em: <http://bit.ly/2QgtICx>. Acesso em: 21jul. de 2019.

SOUSA SANTOS, Boaventura. A encruzilhada da universidade europeia. Revista Ensino Superior, 41 - Revista do SNESup: Julho-Agosto-Setembro, 2011.

TANGUY, Lucie; ROPÉ, Frannçoise. (Orgs). Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. São Paulo: Papirus, 1997.

TONET, Ivo. Educação contra o capital. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

UNESCO. Relatório de Monitoramento Global de EPT 2013/14 – Ensinar e aprender: alcançar a qualidade para todos – Relatório Conciso. Edições UNESCO, 1996.

________. O Ensino Médio no Século XXI: desafios, tendências e prioridades. Relatório Final: Reunião Internacional de Especialistas sobre o Ensino Médio no Século XXI: desafios, tendências e prioridades. 2003. Edição publicada pelo escritório da UNESCO – Brasil.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Mascarello, C. A., & Rezer, R. (2020). EM TEMPOS DE “FORMAÇÃO POR COMPETÊNCIAS”, REFLEXÕES SOBRE A UTILIDADE DO INÚTIL: possibilidades para a formação escolar. Momento - Diálogos Em Educação, 29(2). https://doi.org/10.14295/momento.v29i2.9777

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.