Apostas crianceiras na contramão do discurso colonizador nas religiões: o conto de Kiriku e a filosofia Ubuntu

Laíra Assunção Braga, Luiz Henrique Lemos Silveira

Resumo


O presente artigo objetiva apontar, a partir de epistemologias africanas, uma alternativa aos discursos e práticas, nomeados como intolerância religiosa, que possui números expressivos no Brasil. Partindo das análises históricas de investidas cristãs no Brasil colônia, entendemos que as lógicas coloniais encontram-se ainda imbricadas nos modos de viver religião no país. Consideramos, ainda, o adultocentrismo também como uma marca de colonização por um ideal de homem branco, adulto e cristão, um modelo europeu de existência. Desse modo, buscamos junto ao conto africano de Kiriku e à filosofia africana Ubuntu pautar o debate sobre outra forma de existência que nos permita coabitar na diferença, onde o desejo de domínio ou destruição que se encontram nas ações de violência de cunho religioso, dariam lugar a um modo crianceiro de abertura ao outro e a seus possíveis.

Texto completo:

PDF

Referências


ANI, Marimba. Yuguru: an African-centered critique of European cultural thought and behavior. Trenton: African World, 1994.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricity: the theory of social change. 3rd. ed. Trenton: Africa World, 1988.

ASANTE, Molefi Kete. The afrocentric idea. Philadelphia: Temple University, 1987.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 93-110.

CORSARO, William. The sociology of childhood. Thousand Oaks: Pine Forge, 1997.

DIAKITÉ, Baba Wagué. O dom da infância: memórias de um garoto africano. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Edições SM, 2012.

DIOP, Cheikh Anta. Antériorité des civilisations nègres: mythe ou vérité historique?. Paris: Présence Africaine, 1967.

DIOP, Cheikh Anta. Nations nègres et culture. Paris: Présence africaine, 1954.

DIOP, Cheikh Anta. Parenté génétique de l’égyptien pharaonique et des langues négro-africaines, Paris: IFAN/NEA, 1977. COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar, 2005a.

COHN, Clarice. O desenho das crianças e o antropólogo: reflexões a partir das crianças mebengokré- xikrin. Comunicação apresentada na 6a Reunión de antropología del Mercosur, Montevidéo, Uruguai, 2005b.

DELALANDE, Julie. Le concept heuristique de culture infantile. In: SIROTA, R. (dir.). Éléments pour une sociologie de l’énfance. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, p. 1.572-1.590, 2006.

HARDMAN, Charlotte. Can be there an anthropology of children? Childhood, vol. 8, n. 4 , Londres/Nova Deli: Thousand Oaks/Sag, p. 501-517., 2001.

JAMES, Allison; JENKS, Chris; PROUT, Alan. Theorizing Childhood. Cambridge: Polity, 1998.

LIMA, Tânia Stolze. Um peixe olhou para mim. o povo Yudjá e a perspectiva, Rio de Janeiro/São Paulo, NuTI/ISA/Unesp, 2005.

LIMA, Tânia Stolze.Uma história do dois, do uno e do terceiro. In: QUEIROZ, Ruben Caixeta de; NOBRE, Renarde Freire (Orgs.). Lévi-Strauss: leituras brasileiras. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 209-263, 2013.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a filosofia: o pensamento como coreografia de conceitos afroperspectivistas. Griot – Revista de Filosofia, Amargosa, Bahia – Brasil, v.4, n.2, p. 1-19, dez/2011.

NOGUERA, Renato. Kiriku: heterônimo da infância como experiência e da experiência da infância. In: Anais [...] do Congresso de Estudos da Infância. – Rio de Janeiro, 2017a, p. 363-370.

NOGUERA, Renato. Pinóquio e Kiriku: infância(s) e educação nas filosofias de Kant e Ramose. Revista AÚ, ano 02, p. 5-18, 2017.

NOGUERA, Renato. Entre a linha e a roda: infância e educação das relações étnico-raciais. Magistro Revista do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes – UNIGRANRIO, Rio de Janeiro, v.1, n.15, p. 398–419, 2017.

NOGUERA, Renato. Cidade ou Aldeia? Trabalho ou Brincadeira?. Cosmos & Contextos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 15, p. 24-42, 2017.

NOGUERA, Renato; GUTMAN, Catia; FEITOSA, Dayane. Pintando e desenhando Pinóquio e Kiriku na escola. Aprender: caderno de Filosofia e Psicologia da Educação. Vitória da Conquista-BA, Ano XI, n. 19, p. 75-94, jul./dez. 2017.

OLIVEIRA, Eduardo. Cosmovisão Africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Curitiba: Gráfica e Editora Popular, 2006.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. La invención de las mujeres: una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. Tradução Alessandro Molengo Gonzalez. Bogotá: La Fronteira, 2017.

ROCHA, Alessandro. Teologia sistemática no horizonte pós-moderno: um novo lugar para linguagem teológica. São Paulo: Editora Vida, 2007.

SARMENTO, Manuel. As culturas da infância nas encruzilhadas da Segunda Modernidade. In: SARMENTO, M.J. & CERISARA, A.B. (orgs.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Imaginário e culturas da infância. Disponível em: http:www.iec.minho. pt/cedic/textos de trabalho. 2003.

SARMENTO, Manuel Jacinto, PINTO, Manuel. As crianças, contextos e identidade. Braga: Centro de Estudos da Criança/Universidade do Minho, 1997.

STRIEDER, Inácio. Uma perspectiva teológica do trabalho. Perspectiva filosófica, Recife, v. 5, n. 10, p. 27–39, 1997.

SUTOM-SMITH, Brian. The ambiguity of play. Boston: Harvard University Press, 2001.

TOREN, Christina. Children‟s perceptions of gender and hierarchy in Figji. In: JAHODA & LEWIS (Org.). Acquiring Culture: cross cultural studies in child developmente, London and Nova York: Croom Helm, 1988.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v28i1.8769

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ