Interrogando a branquitude: experiências formadoras em raça, etnia, religião e sexualidade de um garoto branco, cristão e gay

André Sidnei Musskopf

Resumo


Uma das questões pouco investigadas nos estudos pós-coloniais e decoloniais é a constituição da branquitude e seu papel na manutenção das estruturas de dominação e exploração. Nesse artigo analisa-se como raça e etnia se constituem em relação à religião e como se articulam com questões de gênero e sexualidade a partir de um relato autobiográfico que se concentra na infância. A construção do relato está fundamentada na metodologia de “pesquisa-formação” de Marie-Christine Josso e apresenta “experiências formadoras” que evidenciam de que forma as questões enunciadas vão se materializando na formação do sujeito que narra em forma de pedagogias. O objetivo dessa abordagem e das informações apresentadas é oferecer subsídios para a construção de processos educativos que questionem a colonialidade e favoreçam perspectivas libertadoras e emancipatórias.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHAUS-REID, Marcella. Indecent theology. London: Routledge, 2001.

BAPTISTA, Paulo Agostinho Nogueira. Pensamento Decolonial, Teologias pós-coloniais e Teologia da Libertação. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 48, n. 3: 491-517, set./dez. 2016.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações, Londrina, v. 20, n. 2: 27-55, jul./dez. 2015.

BOBSIN, Oneide. O subterrâneo religioso da vida eclesial: escuta pastoral. Reflexão, Campinas, 41(2):179-197, jul./dez. 2016.

BUTLER, Judith. Gender trouble. New York/London: Routledge, 1999.

BUTLER, Judith. Undoing gender. New York/London: Routledge, 2004.

DREHER, Marin N. Igreja e germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo/Caxias: Sinodal/EDUCS, 1984.

DREHER, Martin N. A Igreja Latino-americana no contexto mundial. Coleção História da Igreja, v. 4. São Leopoldo: Sinodal, 1999.

JOSSO, Marie-Christina. Experiências de vida e formação. Trad. José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Trad. Albino Pozzer. Coord. Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

MUSSKOPF, André S. Identidade masculina e corporeidade: uma abordagem queer. In: MUSSKOPF, André S.; STROHER, Marga J. (orgs.). Corporeidade, etnia e masculinidade. São Leopoldo: Sinodal, 2005. p. 80-107.

MUSSKOPF, André S. Via(da)gens teológicas. São Paulo: Fonte Editorial, 2012.

NASH, Peter T. Reading race, reading the Bible. Minneapolis: Augsburg Fortress, 2003.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SEGATO, Rita. La crítica de la colonialidade en ocho ensayos y una antropología por demanda. Ciudad autónoma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2013.

SPARGO, Tamsin. Foucault and Queer Theory. Cambridge/New York: Icon/Totem, 1999.

STRECK, Gisela I. W.; MALACARNE, Ivan Kiper. Adolescência e ritos de passagem: a partir de uma perspectiva do Ensino Confirmatório e Confirmação. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, v. 44, n. 1: p. 127-139, 2018.

TOWNES, Emilie. Esquecimento proposital: coloração não-interrogada como lacuna moral. Mandrágora, São Paulo, UMESP, v. 16, n. 16: 13-17, 2010.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. Pietro Nassetti. Coleção Obra-Prima de cada autor. São Paulo: Martin Claret, 2007.

WITT, Osmar. Igreja na migração e colonização. Série Teses e Dissertações, v. 8. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1996.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v28i1.8752

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ