“As pessoas ficam reclamando do jeito que a criança é”: as relações de gênero nas aulas de educação física na educação infantil em Amargosa/BA

Daniela Souza Nunes, Priscila Gomes Dornelles

Resumo


Este texto problematiza as relações de gênero em aulas de Educação Física na Educação Infantil no interior baiano, buscando compreender como estas relações organizam a referida disciplina e se constituem neste nível de ensino. Para isso, dialogamos com o conceito de gênero a partir dos Estudos Feministas, priorizando as produções de segunda onda, buscando ainda relacionar educação, cultura e gênero. A pesquisa que gerou este artigo constituiu-se em uma abordagem qualitativa realizada na cidade de Amargosa/BA. Realizamos entrevistas com 10 (dez) participantes, a saber, professores/as da Educação Infantil e estagiários/as do nível de ensino supracitado, do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Compreendemos assim que as aulas de Educação Física na Educação Infantil são organizadas com base na separação de meninos e meninas.

Palavras-chave


Educação física escolar; Educação Infantil; Relações de gênero

Texto completo:

PDF

Referências


AYOUB, E. Reflexões sobre a educação física na educação infantil. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, V. 4, p.53-60, 2001.

BELLO. A. T. Sujeitos infantis masculinos: homens por vir? Programa de pós-graduação em educação. Porto Alegre, 2006.

BLOG DE CORTA-MÃO. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2017.

BRASIL, Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 1996.

DORNELLES, P. G. A (Hetero) normalização dos corpos em práticas pedagógicas da Educação Física escolar. Porto Alegre, 2013.

DORNELLES, P. G. Destinos distintos? A separação entre meninos e meninas na Educação Física escolar na perspectiva de gênero. Porto Alegre: Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. - São Paulo : Atlas, 2014.

GOELLNER. S. V. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de formação RBCE, p. 71-83, 2010.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Inglaterra, Educação & Realidade; org: Kenneth Thompson; 1997.

LOURO, G. L; WEEKS, J; BRITZMAN, D; HOOKS, B; PARKER, R; BUTLER, J. Guacira Lopes Louro (org). O corpo educado Pedagogias da sexualidade. Traduções: Tomaz Tadeu da Silva. 2ª Edição Autêntica Belo Horizonte, 2000.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, Rio de Janeiro; Ed. Vozes, 1997.

MEYER, D. E. E. Teorias e políticas de gênero: fragmentos históricos e desafios atuais. Rev Bras Enferm, Brasília; jan/fev; 13-18, 2004.

MEYER, D. E. E. Corpo, Violência e Educação: uma abordagem de gênero. In: Junqueira. R. D; (org). Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de analise histórica. Educação e realidade. V.15, n.2, jul./dez, 1995.

SOUSA, E. S; ALTMANN, H. Meninos e meninas: Expectativas corporais e implicações na educação física escolar. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 48, 1999.

VIANNA. C, FINCO. D. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos pagu, n. 33, p. 265-283, julho-dezembro de 2009.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i1.7322

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ