A “mocidade brasileira” em formação: concepções e investimentos sobre os corpos jovens

Autores

  • Sonia Deus Rodrigues Bercito Universidade Paulista

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i24.12063

Palavras-chave:

Corpos-jovens-nacionalismo-disciplinarização

Resumo

Durante as décadas de 1930 e 1940 no Brasil, discursos que tinham como foco a infância e a juventude oriundos de dois campos diferentes se encontravam na intenção de formar corpos fortes, dóceis e disciplinados. A Educação Física oferecia uma visão militarizada no âmbito do estado autoritário e de seu projeto de construção nacional. Somava-se a isso o discurso dos primeiros médicos do trabalho que colocava em evidência a necessidade de cuidar e proteger os organismos em formação de crianças e jovens cuja presença nas fábricas exigia cuidados específicos. A partir dos investimentos sobre o físico, pretendia-se modelar o seu caráter. A disciplinarização do corpo levaria à do espírito, à obediência e ao controle da vontade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Deus Rodrigues Bercito, Universidade Paulista

Doutora em História pela FFLCH-USP e pós-doutoranda em Comunicação Social pela UNIP

Referências

Arend, Silvia Maria F; Moura, Esmeralda Bolsonaro B.; Sosensky, Suzana (org) -Infâncias e juventudes no século XX: Histórias latino-americanas. Ponta Grossa: Toda Palavra, 2018.

Baldariny, Humberto – “Educação Física como assistência social à infância”. Educação Física. Rio de Janeiro, n.45, 1940.

Bercito, Sonia de Deus Rodrigues – “Ser forte para fazer a Nação forte”. Educação Física no Brasil (1932-1945). Dissertação de mestrado. História/ FFLCHUSP, 1991.

- “Corpos-máquinas”: em foco, trabalhadores e a produção industrial na visão da medicina brasileira (Décadas de 1930 e 1940). Tese de doutorado. História/ FFLCHUSP, 2005.

Branco, Dr. Pacífico C. – “A Educação Física e a Eugenia”. Revista de Educação Física. RJ, ago.1942, nº 54, p.45.

Figueiredo, Paulo Augusto – “O Estado Brasileiro e o sentido do nacionalismo”. Cultura Política, ano II, n.13, março 1942.

Foucault, Michel – Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1993.

“Latentes”. Educação Física, n.13, 1937.

Horta, José Silvério Baia – A mobilização da juventude na Itália (1922-1945), em Portugal (1936-1974) e no Brasil (1937-1945). http://www.emdialogo.uff.br/sites/default/files/Juv_hist.pdf acesso em 5/3/2019

Loyola, Hollanda – “O estádio do Pacaembu”.Educação Física. Rio de Janeiro, jun.1940.

- “Um povo desfila”. Educação Física. Rio de Janeiro, n°58, 1941.

- “Forja da nacionalidade”. Educação Física, nº41, abr.1940.

Magalhães, Fernando – Revista de Educação Física. Rio de Janeiro, outubro 1935.

Machado, Tobias Tostes – “Educação Física no Estado Novo”. Ciência Política, Rio de Janeiro, 1940, vol II, fase V, p.46.

- “Oficialização dos esportes”. Educação Física, Rio de Janeiro,1941.

Mauss, Marcel – Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac&Naify, 2003.

Peixoto, Afrânio, Fávero, Flamínio Ribeiro, Leonidio –Medicina legal dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926.

Priore, Mary (org) – História das crianças no Brasil. 6ªed.São Paulo: Contexto, 2007.

Ramos, Jayr Jordão – “Educação Física feminina”. Revista de Educação Física, dez. 1937, nº 37, p. 35.

Ribeiro, Leonídio – Acidentes do Trabalho. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1934.

Rios, José Arthur, Fischlowitz, E. e Paiva, J. de A. – Manual de Psicotécnica. Rio de Janeiro: Editora Científica, 1953.

Rolim, Inacio de Freitas – “A Escola Nacional de Educação Física e Desportos”. Cultura Política. Rio de Janeiro, ano II, n.19, set.1942.

Rosa, Cristina Souza – “Pequenos soldados do Fascismo: a educação militar durante o governo de Mussolin”i. Antíteses, vol. 2, n. 4, jul.-dez. de 2009, pp. 621-648 http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses aceso em 5/3/2019.

Simões, Renata e Goellner, Silvana – “Educação Física e esportes na Ação Integralista Brasileira: Hollanda Loyola e a educação do corpo”. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.26, n.2, p.263-72, abr./jun. 2012. Disponível em : http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/45897/49500 acesso em 9/3/2019.

Vigarello, Georges – “Treinar”. Corbin, A., Courtine, J.J e Vigarello, G. (orgs) – História do corpo: as mutações do olhar. O século XX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Bercito, S. D. R. (2020). A “mocidade brasileira” em formação: concepções e investimentos sobre os corpos jovens. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(24), 93–118. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i24.12063