A economia da “sempre-viva” em São João da Chapada (Diamantina, MG), meados do século XX

Marcos Lobato Martins

Resumo


Investiga-se, no período entre os anos 1940-1970, a extração e a comercialização de sempre-vivas no distrito de São João da Chapada (Diamantina, MG). Empregando documentação cartorial, registros fiscais e de empresas, jornais locais e história oral, são analisados os agentes envolvidos, as formas de trabalho, controle da extração e de comercialização das flores. A pesquisa indica a similaridade da atividade com o garimpo e a dominante participação de mulheres e crianças na coleta de flores. E realça o papel do capital mercantil nesse ramo de atividade.

Palavras-chave


Extrativismo vegetal; Flores secas; Diamantina.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional 

Desde 07 de março de 2009

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia