Gestão de dados de pesquisa: um panorama da atuação da União Europeia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v31i1.5789

Palavras-chave:

dados de pesquisa – acesso aberto – curadoria digital - gestão de dados

Resumo

Se, na década passada, as discussões que se iniciaram pelos anos de 1970 ainda ocupavam o espaço acadêmico sobre qual o posicionamento que a comunidade científica seguiria em relação aos meios e modos de divulgação de sua produção, mais um elemento surge para aumentar o debate: a necessidade de compartilhamento dos dados da pesquisa. Cada vez mais os dados de pesquisa passam a ter um papel significativo dentro do cenário científico mundial. A proposta deste trabalho é realizar um mapeamento dos repositórios de dados de pesquisa existentes nos países membros da União Europeia, inclusive realizando um levantamento que quantifique o número de repositórios de dados existentes nestes países. Foi acessado o link de cada país relacionado, disponível no documento do Openaire intitulado “Overview of Open Access in the EU member states”, fazendo uma revisão sistemática sobre a existência e a quantidade de repositório de dados de pesquisa e como descrevem seu funcionamento. Como resultado, o artigo apresenta uma sistematização do panorama atual da gestão de dados de pesquisa e dos repositórios existentes e um panorama geral das políticas implementadas e em desenvolvimento na UE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Teixeira Cavalcanti, CNEN-IEN

Doutorado em Ciência da Informação pelo IBICT/UFRJ (2014); Mestrado em Ciência da Informação pelo IBICT/UFRJ (2002); Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1991); Graduação em Letras Português-Literatura pela Sociedade de Ensino Superior Estácio de Sá/UNESA (2006). II. Temas de Pesquisa: Atuação na área de Ciência da Informação, Ciências Sociais, com ênfase nos temas: memória, patrimônio, centros de documentação, ética na ciência, gestão do conhecimento. III. Participação em grupos de pesquisa do CNPq: Estudos em Epistemologia, Ética e Política de Informação/UFF (pesquisador); Informação, Memória e Sociedade/IBICT (pesquisador); Desenvolvimento de métodos e técnicas para preservação do conhecimento gerado pelas pesquisas do IEN (pesquisador)

Luana Farias Sales, CNEN-IEN

Doutora em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação do IBICT/UFRJ (2011-2014). Mestre em Ciência da Informação pelo convênio UFF/IBICT (2004-2006), Graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal Fluminense (2003). Atualmente é Analista em C & T da CNEN, atuando como Bibliotecária-Chefe do Instituto de Engenharia Nuclear e líder da área Temática Gestão do Conhecimento Nuclear. Atua ainda como professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro ? UNIRIO, ministrando disciplinas relacionadas à Organização do Conhecimento. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Organização do Conhecimento, Representação e Recuperação de Informações, atuando principalmente nos seguintes temas: Taxonomias, Ontologias, Vocabulários Controlados, Tesauros, Terminologia e Software de Tesauro. Possui interesse em tópicos ligados à Comunicação Científica, Tecnologia de Informação e Gestão do Conhecimento e desenvolve pesquisas especificamente nas temáticas de e-Science, curadoria digital de dados de pesquisa, biblioteca digital, metadados, repositórios institucionais, repositórios de dados, Sistemas CRIS e objetos digitais.

Referências

ARMS, William. From the 1999 manuscript of Digital Libraries. S.l: M.I.T. Press, 2000. disponível em: <http://www.cs.cornell.edu/wya/DigLib/MS1999/Glossary.html>. Acesso em: 13 jan. 2016.

ARANO, Silvia; MARTÍNEZ, Gemma; LOSADA, Marina et al. La comunidad «Recursos y datos primarios» de la Universitat Pompeu Fabra: los repositorios institucionales como infraestructuras científicas: estudio de caso. Revista Española de Documentación Científica, v.34, n.3, p.385-407, jul.-set., 2011. DOI: 10.3989/redc.2011.3.834.

AUSTRALIAN National Data Service. Publishing and sharing sensitive data. ANDS Guides. Updated 16 May 2016. Disponível em: <http://www.ands.org.au/__data/assets/pdf_file/0010/489187/Sensitive-Data-Guide-2016.pdf>. Acesso em: 20 maio 2016.

COSTA, Sely. Abordagens, estratégias e ferramentas para o acesso aberto via periódicos e repositórios institucionais em instituições acadêmicas brasileiras. Liinc em Revista, v.4, n.2, setembro 2008, Rio de Janeiro, p. 218 – 232.

CREATIVE Commons Corporation (Org.). Sobre as licenças. Disponível em: https://br.creativecommons.org/licencas/. Acesso em: 20 dez. 2015.

EUROPEAN Commission. Directoral-general for research and innovation. Guidelines on data management on horizon 2020. Verson.2.1. 15 fev.2016. Disponível em: <http://ec.europa.eu/research/participants/data/ref/h2020/grants_manual/hi/oa_pilot/h2020-hi-oa-data-mgt_en.pdf> Acesso em: 27 maio 2016.

FAUSTO, S. Evolução do Acesso Aberto – breve histórico. SciELO em Perspectiva. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2013/10/21/evolucao-do-acesso-aberto-breve-historico/>. Acesso em: 30 nov. 2015.

FREITAS, Maria Helena. Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 3, p. 54-66, set./dez. 2006.

INSTITUTO Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT. Repositórios Digitais. 2012. Disponível em: <http://www.ibict.br/informacao-para-ciencia-tecnologia-e-inovacao%20/repositorios-digitais>. Acesso em: 15 dez. 2015.

LYNCH, Clifford A. Institutional repositories: essential infrastructure for scholarship in the digital age. ARL Bimonthly Report, 26, 2003. Disponível em: <https://muse.jhu.edu/login?auth=0&type=summary&url=/journals/portal_libraries_and_the_academy/v003/3.2lynch.html>. Acesso em: 12 jan. 2016.

MARQUES, Fabrício. Ciência transparente. Revista FAPESP, abril, 2014.

MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v.35, n.2, p.27-38, Ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652006000200004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 Nov. 2015.

NASSI-CALÒ, L. The BMJ exige compartilhamento de dados para publicar ensaios clínicos. SciELO em Perspectiva, São Paulo, 23 set. 2015a. Disponivel em: <http://blog.scielo.org/blog/2015/09/23/the-bmj-exige-compartilhamento-de-dados-para-publicar-ensaios-clinicos/>. Acesso em: 30 nov. 2015.

__________. Acesso Aberto na América Latina livre de periódicos predatórios. SciELO em Perspectiva, São Paulo, 13 nov. 2015b. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2015/11/13/periodicos-predatorios-o-lado-obscuro-do-acesso-aberto/>. Acesso em: 19 jan. 2016.

NATURE Publication Group. Scientific Data. 2014. Disponível em: <http://www.nature.com/sdata/about/principles> Acesso em: 20 maio 2016.

NUNES, Renato Reis. Diretrizes para formulação de políticas mandatórias para consolidação dos repositórios institucionais brasileiros. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

ORGANISATION for Economic Co-operation and Development OECD. Principles and guidelines for access to research data from public funding. OECD, 2007.

RODRIGUES, Eloi et al. Os repositórios de dados científicos: estado da arte. Relatório D-24: RCAAP. 2010. Disponível em: <http://projeto.rcaap.pt/index.php?option=com_remository&Itemid=2&func=startdown&id=271&lang=pt>. Acesso em: 25 dez. 2015.

SALES, Luana Farias. Integração semântica de publicações científicas e dados de pesquisa: proposta de modelo de publicação ampliada para a área de ciências nucleares. Rio de Janeiro, 2014. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

SAYÃO, Luis Fernando, SALES, Luana Farias. Guia de Gestão de Dados de Pesquisa para Bibliotecários e Pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN/IEN, 2015.

SCIENTIFIC Electronic Library Online. Movimento Open Data se consolida internacionalmente. SciELO em Perspectiva, São Paulo, 14 jul. 2014. Disponível em: http://blog.scielo.org/blog/2014/07/14/movimento-open-data-se-consolida-internacionalmente/. Acesso em 30 nov. 2015.

SILVA, Terezinha Elisabeth da; ALCARÁ, Adriana Rosecler. Políticas de acesso aberto à informação científica: iniciativas governamentais. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. 9., 2008, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: USP, 2008. Disponível em: < http://www.ancib.org.br > Acesso em: 10 dez. 2015.

SPINAK, E. Os artigos em acesso aberto chegaram para ficar: em menos de 10 anos aproximam de 50% do nível mundial. SciELO em Perspectiva. São Paulo, 28 ago. 2013. Disponível em: http://blog.scielo.org/blog/2013/08/28/os-artigos-em-acesso-aberto-chegaram-para-ficar-em-menos-de-10-anos-aproximam-de-50-do-nivel-mundial/. Acesso em: 19 jan. 2016.

__________. Semana Internacional dos Dados Abertos – o que há de novo?. SciELO em Perspectiva. São Paulo, 7 jan. 2015. Disponível em: http://blog.scielo.org/blog/2015/01/07/semana-internacional-dos-dados-abertos-o-que-ha-de-novo/. Acesso em: 30 nov. 2015.

STUMPF, Ida Regina Chitto. Passado e futuro das revistas científicas. Ciência da Informação, Brasília, v.25, n.3, 1996.

Downloads

Publicado

2017-08-05

Como Citar

Cavalcanti, M. T., & Sales, L. F. (2017). Gestão de dados de pesquisa: um panorama da atuação da União Europeia. BIBLOS, 31(1), 73–98. https://doi.org/10.14295/biblos.v31i1.5789

Edição

Seção

Artigos