Antes importantes, agora estigmatizados: a contribuição dos sistemas culinários indígenas para a formação da culinária brasileira e a sua atual marginalização

Autores

Palavras-chave:

Antropologia da Alimentação, etnologia indígena, Mbyá-Guarani, formação da culinária brasileira

Resumo

No presente trabalho são reunidos dados de diversas fontes que evidenciam a ampla inserção dos colonizadores europeus nos sistemas culinários indígenas nos primeiros séculos depois do “descobrimento” do Brasil. Com isso, argumenta-se que a alimentação de origem indígena, com todos os seus elementos constituintes, foi fundamental para que a colonização do Brasil lograsse êxito. Esse evento alimentar foi o advento do que hoje chamamos de culinária brasileira e, ainda hoje, muitos elementos indígenas se fazem presentes na alimentação do povo brasileiro, dos ingredientes até as formas de preparação e de consumo. No entanto, para a sociedade envolvente, as práticas culinárias indígenas atuais são altamente estigmatizadas. No senso comum, sem considerar os sabores, os alimentos indígenas apresentam uma carga simbólica que deprecia quem os prepara e os consome, a ponto dos próprios grupos indígenas, no contexto de contato interétnico, sentirem vergonha da sua culinária tradicional. Mas, ao mesmo tempo, para pontuar a sua identidade étnica, alguns aspectos da sua alimentação precisam ser evidenciados. Desta forma, o presente trabalho pretende discutir essa mudança de valores atribuída à alimentação indígena e, a partir de pesquisa etnográfica realizada entre os Mbyá-Guarani, analisar como os grupos indígenas manejam os elementos do seu sistema culinário para não serem estigmatizados frente aos membros da sociedade envolvente.

Downloads

Publicado

2020-03-25