Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”

Autores

  • Vagner Matias do Prado Universidade Federal de Uberlândia
  • Alessandra Lo Gullo A. Nogueira Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Transexualidade, Educação Física, Esporte, Transfobia

Resumo

O presente texto pretende problematizar algumas normalizações de gênero no cenário esportivo de rendimento. Metodologicamente, optou-se pelo exercício ensaístico por conta das poucas publicações sobre transexualidade e esportes no Brasil. Os insights para as problematizações apresentadas foram disparados pelas tentativas de discussão sobre a participação da atleta Tiffany Abreu na Superliga Feminina de Voleibol, com foco em algumas declarações divulgações pela impressa esportiva em 2018. Verifica-se que a tímida produção de conhecimentos acerca de atletas transexuais no esporte performance não aciona evidências para que uma “saída” para o caso possa ser ensaiada.

Biografia do Autor

Vagner Matias do Prado, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em Educação física. Mestre e Doutor em Educação. Professor da Faculdade de Educação Física e Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Líder do GPESP - Grupo de Pesquisa Educação, Sexualidades e Performatividade

Alessandra Lo Gullo A. Nogueira, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Educação Física; Discente do curso de Especialização em Educação Física Escolar da Universidade Federal de Uberlândia. Integrante do GPESP - Grupo de Pesquisa Educação, Sexualidades e Performatividade.

Downloads

Publicado

2018-10-03

Como Citar

do Prado, V. M., & Nogueira, A. L. G. A. (2018). Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”. Revista Eletrônica Interações Sociais, 2(1), 60–72. Recuperado de https://periodicos.furg.br/reis/article/view/8055

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.