Interpretações dos sentidos de Junho

luta de classes, movimentos sociais, multidão, repertórios e subjetivação política

Autores

  • Luís Antonio Groppo Universidade Federal de Alfenas
  • Gislene Da Silva
  • Guilherme Abraão Silva
  • Josefa Alexandrina da Silva
  • Luiz Carlos Felizardo Júnior
  • Nikole Pereira Mendonça de Almeida
  • Sandro Amadeu Cerveira
  • Vitória Neres Soares

DOI:

https://doi.org/10.14295/reis.v6i2.15566

Palavras-chave:

Jornadas de Junho, repertórios de contestação, subjetivação política, marxismo, multidão

Resumo

O artigo comunica resultados da etapa bibliográfica da pesquisa a respeito das dimensões educacionais das Jornadas de Junho de 2013. Apresenta o levantamento e as interpretações de obras que fazem análises gerais sobre os sentidos de Junho, visando compreender melhor o processo histórico e fundamentar teoricamente a pesquisa em sua fase empírica. Entre os 146 produtos levantados, 26 foram classificados como análises gerais e aqui foram analisados. As interpretações se distribuem em cinco paradigmas ou teorias mais presentes: o marxismo, as Teorias dos Novos Movimentos Sociais, a teoria da multidão, o conceito de repertórios de contestação e o conceito de subjetivação política. Esses contribuíram significativamente na compreensão das dimensões da formação política e participação política nas Jornadas, tema principal da pesquisa. Destacam-se, desse trabalho os repertórios políticos e a subjetivação política; entretanto, as demais teorias revelaram importantes contribuições.

Biografia do Autor

Gislene Da Silva

Mestranda em Educação pela UNIFAL-MG, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (CAPES). Bacharela em Ciências Sociais pela UNIFAL-MG

Guilherme Abraão Silva

Mestrando em Educação pela UNIFAL-MG, com bolsa da CAPES.
Bacharel em Ciências Sociais pela UNIFAL-MG.

Josefa Alexandrina da Silva

Pesquisadora bolsista pela FAPEMIG.
Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP).

Luiz Carlos Felizardo Júnior

Professor da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), Campanha/MG.
Doutor em Educação e Culturas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Nikole Pereira Mendonça de Almeida

Pesquisadora bolsista pela FAPEMIG.
Mestra em Educação pela UNIFAL-MG.

Sandro Amadeu Cerveira

Reitor da UNIFAL-MG.
Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Vitória Neres Soares

Bolsista de Iniciação Científica pelo CNPq. Estudante do Bacharelado em Ciências Sociais da UNIFAL-MG.

Referências

ALONSO, Angela e MISCHE, Ann. Changing repertoires and partisan ambivalence in the new brazilian protests. Bulletin of Latin American Research, v. 36, n. 2, p. 144-159, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/blar.12470 . Acesso em: 02 jul. 2022.

ALONSO, Ângela. Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito. Sociologia & Antropologia, v. 2, n. 3, p. 21-41, 2012. https://doi.org/10.1590/2238-38752012v232

ANTUNES, Ricardo. As rebeliões de junho. OSAL (Observatorio Social de América Latina), v. XIV, n. 34, 2013, p. 37-49. Disponível em http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/osal/20131107012902/osal34.pdf, acesso em 15 mar. 2023.

ARANTES, Paulo. Depois de Junho a paz será total. In: ARANTES, Paulo. O novo tempo do mundo e outros estudos sobre a era da emergência. São Paulo: Boitempo, 2014, p. 353-460.

BRAGA, Ruy. Os sentidos de junho. In: BRAGA, Rui. A rebeldia do precariado: trabalho e neoliberalismo no Sul global. São Paulo: Boitempo, 2017, cap. 9, p. 221-244.

BRAGA, Ruy. As jornadas de junho no Brasil: Crônica de um mês inesquecível. OSAL (Observatorio Social de América Latina), v. XIV, n. 34, 2013, p. 51-61. Disponível em http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/osal/20131107012902/osal34.pdf, acesso em 15 mar. 2023.

CALIL, Gilberto. Embates e disputas em torno das jornadas de junho. Projeto História, São Paulo, n. 47, pp. 377-403, ago. 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/17155 , acesso em 15 maio 2021.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da internet. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

CAVA, Bruno, COCCO, Giuseppe. (org.). Amanhã vai ser maior: o levante da multidão no ano que não terminou. São Paulo: Annablume, 2014.

CAVA, Bruno. A multidão foi ao deserto: as manifestações no Brasil em 2013 (junho - outubro). São Paulo: Annablume, 2013.

CEI, Vitor; DANNER, Leno Francisco; OLIVEIRA, Marcus Vinícius Xavier de; BORGES, David G. (org.). O que resta das jornadas de junho. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2017. 309 p. Disponível em: http://www.editorafi.org , acesso em 10 maio 2021.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

ENFRENTAMENTO, Rev. Goiânia, v. 8, n. 13, 2013, 58 p. Disponível em: http://redelp.net/index.php/renf/article/view/364/341. Acesso em 15 mar. 2023.

GERBAUDO, Paolo. The mask and the flag. Populism, citizenism and global protest. New York: Oxford University Press, 2017.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Pluralidade da representação da América Latina. Revista Sociedade e Estado, v. 29, n. 1, pp. 73-90, 2014a. https://doi.org/10.1590/S0102-69922014000100005

GOHN, Maria da Glória Marcondes. A sociedade brasileira em movimento. Cadernos CRH, Salvador, v. 27, n. 71, p. 431-444, 2014b. https://doi.org/10.1590/S0103-49792014000200013

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Vozes que gritam e vozes silenciadas na América Latina. Civitas, Porto Alegre, v.15, n.3, p. 491-509, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.19476

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. 3a ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

JASPER, James J. Protesto: uma introdução aos movimentos sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

LIMA, Pedro Luiz; HAJIME, Mateus. O ovo da serpente? Fundamentos e variações da crítica ao componente conservador das. Leviathan (São Paulo), São Paulo, n. 13, p. 91-119, 2018. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2237-4485.lev.2016.147255

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, Florianópolis, p. 37-45, 2007. https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

MAIA, Lucas. Para além dos protestos. Enfrentamento, v. 8, p. 38-51, jul. 2013. http://redelp.net/index.php/renf/article/view/364/341. Acesso em 15 mar. 2023

MELUCCI, Alberto. Juventude, tempo e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação. 1997, n. 5, p. 5-15. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n05-06/n05-06a02.pdf, acesso em 25 mar. 2023.

NASCIMENTO, Alexandre. Ações afirmativas e Jornadas de Junho: tudo a ver! In: CAVA, Bruno, COCCO, Giuseppe, (Org.). Amanhã vai ser maior: o levante da multidão no ano que não terminou. São Paulo: Annablume, 2014, p. 97-103.

NEGRI, Antonio. Para uma definição ontológica da multidão. Lugar comum, v. 19, n. 20, p. 15-26, 2004.

ORTELLADO, Pablo. Reflections on The Free Fare Movement and Other. Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 18, n. 2, p. 110, 30 dez. 2013. Universidade Estadual de Londrina. http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n2p110

OSAL (Observatorio Social de América Latina), Dossiê “Brasil em movimiento”, v. XIV, n. 34, p. 15-76, 2013. Disponível em http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/osal/20131107012902/osal34.pdf, acesso em 15 mar. 2023.

PARRA, Henrique Z.M. Jornadas de Junho: uma sociologia dos rastros para multiplicar a resistência. Pensata, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 141-150, nov. 2013. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/pensata/issue/view/680. Acesso em 15 mar. 2023.

PENSATA, Rev., “Debates”, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 127-171, 2013. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/pensata/issue/view/680. Acesso em 15 mar. 2023.

PLEYERS, Geoffrey. Movimientos sociales en el siglo XXI: perspectivas y herramientas analíticas. Buenos Aires: Clasco, 2018. 232 p. Contribuciones de Breno Bringel; prefacio de Boaventura De Sousa Santos.

PORTUGAL, Luisa. Política e estética da política na obra de Jacques Ranciere: duas narrativas sobre as manifestações de 2013. 2016.124 f. Dissertação. (Mestrado em Direito). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/27320/27320.PDF, acesso em 12 maio 2023.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed 34, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

SANFELICE, J. L. Vandalismo ou movimento social? As Jornadas de Junho (2013). Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 6, p. 4-14, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/13084, aceso em 19 maio 2021.

SCHERER-WARREN, Ilse. Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 71, p. 417-429, 2014. https://doi.org/10.1590/S0103-49792014000200012

TOLEDO, Fabrício. Insubmissão: a Multidão formando sua inteligência. In: CAVA, Bruno, COCCO, Giuseppe, (Org.). Amanhã vai ser maior: o levante da multidão no ano que não terminou. São Paulo: Annablume, 2014, p. 37-50.

VIANA, Nildo. Manifestações populares e lutas de classes. Enfrentamento, Goiânia, v. 7, p. 26-37, jul. 2013.

Downloads

Publicado

2024-03-21

Como Citar

Groppo, L. A., Da Silva, G., Abraão Silva, G., Alexandrina da Silva, J., Felizardo Júnior, L. C., Pereira Mendonça de Almeida, N., … Neres Soares, V. (2024). Interpretações dos sentidos de Junho: luta de classes, movimentos sociais, multidão, repertórios e subjetivação política. Revista Eletrônica Interações Sociais, 6(2), 75–97. https://doi.org/10.14295/reis.v6i2.15566

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.