A “severa vigilancia para que a epidemia não attingisse aqueles infelizes”: notas sobre a gripe espanhola, os vicentinos e o Asilo São Vicente de Paulo na cidade de Goiás em 1919

Autores

  • Rildo Bento de Souza Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v14i28.14140

Palavras-chave:

Gripe Espanhola, Goiás, vicentinos

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a pandemia da Gripe Espanhola entre 1918 e 1919 a partir do trabalho desenvolvido pela Sociedade São Vicente de Paulo na Cidade de Goiás. Pretende-se compreender como os vicentinos conseguiram livrar o Asilo São Vicente de Paulo do vírus e também o trabalho desenvolvido por essa sociedade leiga na cidade, ressaltando o caráter higiênico-sanitário desses atendimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rildo Bento de Souza, Universidade Federal de Goiás

Doutor em História. Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás, com atuação no bacharelado em Museologia e no Programa de Pós-Graduação em História. 

Referências

ALVES, Jolinda de Moraes. História da Assistência Social aos pobres em Londrina: 1940-1980. Tese (Doutorado em História), Universidade Estadual Paulista, Assis-SP, 2002.

BERTOLLI FILHO, Claudio. A Gripe Espanhola em São Paulo, 1918: Epidemia e Sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

BERTRAN, Paulo. A memória consútil e a Goianidade. In: Ciências Humanas em Revista, v.5, nº.1. Goiânia: Editora da UFG, 1994.

BORGES, Barsanufo Gomides. O Despertar dos Dormentes. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 1982.

CAMUS, Albert. A Peste. Rio de Janeiro: BestBolso, 2013.

CHIZOTI, Geraldo. Operários da caridade: a sociedade de são Vicente de Paulo em são Paulo, 1874-1946. Tese (Doutorado em História), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

CORREIA, Pedro Lage Reis. As redes de solidariedade: Frédéric Ozanam e o caminho de caridade da Sociedade São Vicente de Paulo. In: Semanário Ecclesia, nº. 1447, de 25 de setembro de 2014. Lisboa: Conferência Episcopal Portuguesa, 2014.

CURADO, Maurílio Fleury. Relatório da Junta Administrativa do Asilo São Vicente de Paulo. Cidade de Goiás: arquivo do Asilo São Vicente de Paulo, 1919.

DAMACENA NETO, Leandro Carvalho. A Influenza espanhola de 1918-1919 na Cidade de Goiás. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

DELUMEAU. Jean. História do medo no Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DOLES, Dalísia Elisabeth Martins. As comunicações fluviais pelo Tocantins e Araguaia no século XIX. Goiânia: Oriente, 1973.

GOULART, Adriana da Costa. Um cenário mefistofélico: a gripe espanhola no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, 2003.

HISTÓRICO da Comunidade do Asilo São Vicente de Paulo – Cidade de Goiás. In: Arquivo do Asilo São Vicente de Paulo. Cidade de Goiás, 1975.

KIND, Luciana; CORDEIRO, Rosineide. Narrativas sobre a morte: a gripe espanhola e a Covid-19 no Brasil. Psicologia & Sociedade, Recife, v. 32, p. 1-19, 2020.

LELES, Gabriela. Alcíde Jubé (1896-1961) e a geografia escolar em Goiás. In: Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 10, 2018.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan, IUPERJ, UCAM, 1999.

MARQUES, Eduardo Cesar. Da higiene à construção da cidade: o estado e o saneamento no Rio de Janeiro. In: História, Ciências e Saúde – Manguinhos, II (2), jul-oct., 1995, p. 51-67.

MOLLAT, Michel. Os Pobres na Idade Média. Rio de Janeiro: Campos, 1989.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. As representações do medo e das catástrofes em Goiás. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

PALACÍN, Luis. Uma amnésia coletiva: a ausência do índio na memória goiana. In: Ciências Humanas em Revista. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, v. 3, n.1/2, jan/dez 1992.

PALACÍN, Luís; MORAES, Maria Augusta de S. História de Goiás. Goiânia: UCG/Vieira, 2008.

PINTO, Ana Paula Magno. Assistência, saúde e sociedade: a sociedade São Vicente de Paulo na Zona da Mata mineira (1895-1939). Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde), FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2017.

REGULAMENTO do Asylo da Sociedade de S. Vicente de Paulo de Goyaz. Confeccionado pelos Confrades: Desembargador Emilio Francisco Povoa e Dr. Maurílio A. Curado Fleury. In: Arquivo do Asilo São Vicente de Paulo. Cidade de Goiás, 1909.

RELATÓRIO do Conselho Central da Sociedade São Vicente de Paulo. In: Arquivo do Asilo São Vicente de Paulo. Cidade de Goiás, 1919.

SALLES, Gilka Vasconcelos Ferreira de. Saúde e doenças em Goiás – 1826-1930. In: FREITAS, Lena Castello Branco Ferreira de (Org.). Saúde e doenças em Goiás: a medicina possível. Goiânia: Ed. Da UFG, 1999.

SILVA, Cláudia Neves da. Poder público municipal e Sociedade de São Vicente de Paulo: dois modelos de atuação na área da assistência social (1964 – 1988). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Estadual Paulista, Assis-SP, 1999.

SILVEIRA, Anny Jackeline Torres. A Influenza Espanhola e a cidade planejada. Belo Horizonte, 1918. Belo Horizonte, MG: Argumentum, FAPEMIG, CAPES, 2008.

SOUZA, Christiane Maria Cruz de. A Gripe Espanhola na Bahia: saúde, política e medicina em tempos de epidemia. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Salvador: Edufba, 2009.

SOUZA, Rildo Bento de Souza. Pobreza, doenças e caridade em Goiás: uma análise do Asilo São Vicente de Paulo (1909-1935). Jundiaí-SP: Paco Editorial. 2014.

SOUZA, Rildo Bento de. Arquivo de instituições de saúde: a documentação do Asilo São Vicente de Paulo na Cidade de Goiás e seu potencial para pesquisa. In: Sillogés – v.2. n.2.jul/dez, 2019.

SOUZA, Rildo Bento de. Por uma identidade cultural para Goiás: uma análise da revista Goianidade (1992). In: Revista de História Regional, v. 22, n. 02, 2017.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Como Citar

Bento de Souza, R. (2022). A “severa vigilancia para que a epidemia não attingisse aqueles infelizes”: notas sobre a gripe espanhola, os vicentinos e o Asilo São Vicente de Paulo na cidade de Goiás em 1919. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 14(28), 305–323. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v14i28.14140