A história social dos cemitérios em Alfenas entre 1902 e 1921

Autores

  • Alisson Eugênio Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i26.12985

Palavras-chave:

registro de óbitos, doenças e desigualdade social.

Resumo

Ao longo deste artigo será apresentado uma pesquisa, baseada nos registros de óbitos do município de Alfenas, sul de Minas Gerais, na qual foram confrontadas as causas das mortes e os perfis sociais dos mortos para compreender as condições de saúde pública do referido município. Assim, procurou-se investigar quais eram os problemas de saúde mais mortíferos e quais as parcelas da população eles mais afetavam. Partindo dessas questões, com base na documentação e na historiografia especializada no campo de estudos da história das doenças, da medicina e da saúde, observou-se que grande parte da mortalidade está relacionada com a pobreza, a carência de uma política de saúde pública preventiva e às dificuldades dos saberes médico e farmacêutico para solucionar problemas para os quais eles ainda não estavam preparados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alisson Eugênio, Universidade Federal de Alfenas

Alisson Eugênio, natural de Nova Lima-MG, professor de História do Brasil na Universidade Federal de Alfenas desde 2009. Graduado em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (1996) mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000), doutor em história econômica pela Universidade de São Paulo (2008) e pós-doutor pela UFMG (2010). Autor de Fragmentos de liberdades: as festas religiosas das irmandades de escravos em Minas Gerais na época da Colônia (FAOP: 2007, E-papers: 2ª ed. 2010), Reforming habits: the struggle against poor healt conditions in 19th Brazil (Verlag: 2010), Arautos do progresso: o ideário médico sobre saúde pública no Brasil na época do Império (Edusc: 2012), Fontes para o estudo da história de Alfenas. Alfenas, Universidade Federal de Alfenas, 2013, Unifal-MG: História de uma instituição centenária, Alfenas, Universidade Federal de Alfenas, 2015 e Lágrimas de sangue: a saúde dos escravos no Brasil da época de Palmares à Abolição. São Paulo, Alameda, 2016. 

Referências

ARIÈS, Philippe. História da morte no Ocidente. Rio de Janeio: Francisco Alves, 1977

__________. História social da infância e da família. Tradução: D. Flaksman. Rio de Janeiro: LCT, 1978.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

__________. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3 ed., São Paulo: Cia das Letras, 1996.

CHALOUB, Sidney et al. Artes e ofícios de curar no Brasil. Campinas: Ed. Unicamp, 2003.

Uma história brasileira das doenças,

DEL PRIORE, Mary. História da infância no Brasil. 4ª edição. São Paulo: Contexto, 2004.

________. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente (1300-1800). São Paulo: Cia das Letras, 1989.

EUGÊNIO, Alisson. Verso e reverso da modernidade: a modernização em Alfenas na Primeira República. Curitiba: Brazil Publishing, 2019.

________. Arautos do progresso: ideário médico sobre saúde pública no Brasil na época do Império. Bauru: Edusc, 2012.

________. Fontes para o estudo da história de Alfenas. Alfenas: Universidade Federal de Alfenas, 2013.

FERRAZ, Lucimare e BORDIGNON, Maiara. Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar. In: Revista Baiana de Saúde Pública, vol. 36, n. 2, p. 527 - 553, 2012.

FIGUEIREDO, Betânia G (org.). História, ciência e saúde: práticas e saberes (dossiê). Varia, Revista de História da UFMG, vol. 32, 2004.

FRANÇA, Elisabeth e LANSKY, Sônia. Mortalidade infantil: situação, tendências e perspectivas. Brasília: RIPSA _ Informe de situação e tendência: Demografia e Saúde, 2008, (Texto de apoio, texto 3).

FREITAS, Marcos Cesar (Org). Historia social da infância no Brasil. 3ª edição. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento. São Paulo: Hucitec, 1998.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação: o abastecimento da corte na formação política do Brasil, 1808-1842. São Paulo: Símbolo, 1979.

MARTINS, Liane Maria Bertucci. Gripe espanhola: da casa ao hospital In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 1, Brasília: Paralelo 15, 2004, pp. 165-181.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. 3 ed., Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MOORE JR., Barrigton. Origens sociais da ditadura e da democracia. São Paulo, Martins Fontes, 1975

NASCIMENTO, Dilene Raimundo. Tuberculose: alvo da filantropia no início do século XX Rio de Janeiro. In: FRANCO, Sebastião Pimentel et al. Uma história brasileira da doença, vol. 4, Belo Horizonte: Fino Traço, 2013, p. 205-2018.

__________ e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 3, Belo Horizonte: Argumentum, 2010.

__________, CARVALHO, Diana Maul de e MARQUES, Rita de Cássia. Uma história brasileira da doença, vol. 2, Rio de Janeiro: Mauad X, 2006.

__________ e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 1, Brasília, Paralelo 15, 2004.

OMRAN, Abdel R. Epidemiological transition in the US: the health factor in population change. Population Bulletin, vol. 32, n, 2, 1977, p. 1-42.

PALLONI, Alberto. Health levels andcare in Latin America: the caseof infant mortality 1900-1985. Populations studies: a journal of demography, London, vol. 45, n. 4, p. 5-20, 1991.

PORTO, Ângela. Tuberculose: a peregrinação em busca da cura e de uma nova sensibilidade. In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 1, Brasília: Paralelo 15, 2004, p. 91-108.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

RIBEIRO, Dimas dos Santos. Cemitérios sem mistérios: a arte tumular do sul de Minas (1890-1925). Alterosa: edição do autor apoiada por Furnas de acordo com a lei de incentivo à cultura, 2006.

RODRIGUES, Claúdia. Lugares dos mortos na cidade dos vivos. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1997.

SAES, Alexandre Macchione et al. O sul de Minas em transição: a formação do capitalismo na passagem para o século 20. Bauru: Edusc, 2012.

SANTOS, Ana Paula Vidal et al. Produção científica sobre mortalidade materna em periódicos de enfermagem. In: Revista Baiana de Enfermagem, vol 24, n. 1, p. 81-86, 2010.

SANTOS, Ricardo Augusto. Representações sociais da peste e da gripe espanhola. In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 1, Brasília: Paralelo 15, 2004, p. 126-144.

SILVEIRA, Anny Jackeline Torres da. A crônica da espanhola em Belo Horizonte. In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo e CARVALHO, Diana Maul de. Uma história brasileira da doença, vol. 1, Brasília: Paralelo 15, 2004, p. 145-164.

SIMÕES, Celso Cardoso da Silva. A mortalidade infantil na transição da mortalidade no Brasil. Belo Horizonte: tese em demografia, UFMG/CEDEPLAR, 1997.

VENÂNCIO, Renato P. Famílias abandonadas: assistência à criança de camadas populares no Rio de Janeiro e em Salvador nos séculos XVVIII e XIX. Campinas: Papirus, 1999.

VIOTTI, Emíla da Costa. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 3 ed.,São Paulo: Brasiliense, 1985.

VOLVELE, Michel. Pieté barroque et descrhistianization en Provence au XVIIIeme siécle. Paris: Edition Seuil, 1978.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

Eugênio, A. (2021). A história social dos cemitérios em Alfenas entre 1902 e 1921. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(26), 282–307. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i26.12985