Menoridade e ameaça na bélle époque manaura, 1906 a 1917

Autores

  • Paulo Marreiro dos Santos Júnior instituto federal de educação, ciência e tecnologia do amazonas

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.12002

Palavras-chave:

Menor idade. Criminalidade. Repressão.

Resumo

Este artigo pesquisou as estratégias de sobrevivência e o cotidiano de menores de idade da cidade de Manaus no período da borracha, período de transformação urbanística e arquitetônica, alicerçada pela riqueza da extração e comercialização da goma elástica. O artigo foi traçado com o objetivo de evidenciar um processo histórico dinâmico e múltiplo, permeado de oposições, procurando alcançar os múltiplos sentidos de populares da cidade, iluminando o processo de construção de experiências vividas pelos ‘menores’ no cotidiano tenso da coletividade da cidade, um cotidiano de segmentos sociais menos privilegiados pela prosperidade gomífera. Tais ‘menores’ eram passíveis de vigilância, estigmas, repressão e tolerância. Assim, esse trabalho propõe-se uma outra leitura do processo de formação da sociedade manauara – pelo viés dos ‘menores’ - no período convencionado como Belle Époque.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Marreiro dos Santos Júnior, instituto federal de educação, ciência e tecnologia do amazonas

Doutor em história social pela PUC SP

Referências

BARREIRO, José Carlos. Instituições, Trabalho e Luta de Classes no Brasil do Século XIX. Revista Brasileira de História. São Paulo. V. 7 n° 14 pp. 131/149. Mar./Ago. 87.

BRETAS, Marcos Luiz. A Guerra das Ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Arquivo Nacional, 1997.

COSTA, Francisca Deusa Sena. Quando Viver Ameaça a Ordem Urbana. Dissertação (mestrado em História). São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1998.

DAOU, Ana Maria Lima. A Cidade, o Teatro e o “Paiz das Seringueiras”: práticas e representações da sociedade amazonense na virada do século XIX. Tese de Doutorado apresentada ao programa de Pós-graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1998.

DIAS, Edinea Mascarenhas. A Ilusão do Fausto. Manaus: 1890-1920. Manaus: Editora Valer.

FAUSTO, Boris. Trabalho Urbano e Conflito Social. 4ª ed. São Paulo: Difel, 1986.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Cotidiano e Cultura. Bauru, SP EDUSC 2002.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Na trama Urbana. Projeto História, n° 13, junho, 1996, p. 129-150.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Trama e Poder. Rio de Janeiro. Sette Letras 1996.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Uma Outra Cidade: o mundo dos excluídos no final do século XIX. São Paulo. Companhia Editora Nacional, 2001.

PINHEIRO, Maria Luiza Ugarte. A Cidade Sobre os Ombros: trabalho e conflito no porto de Manaus (1899-1925). Manaus, Edua, 1999.

TORDJMAN, Gilbert. A adolescência. Da Fisiologia à Psicologia. São Paulo: Ed. Victor Civita, 1979.

TRINDADE, Etelvian. Cidade Moderna e Espaços Femininos. Projeto História. São Paulo, nº 13, junho 96.

VIANNA, Adriana de Resende B. O Mal que se Adivinha. Polícia e Menoridade no Rio de Janeiro, 1910-1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

Santos Júnior, P. M. dos. (2021). Menoridade e ameaça na bélle époque manaura, 1906 a 1917. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(25), 120–146. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.12002