Infância Xetá e suas identidades:

a memória da infância ancestral e a memória da infância atual na resistência de um povo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11996

Palavras-chave:

Palavras-chave, Identidades. Memória da Infância Ancestral. Memória da Infância Atual.

Resumo

O Povo Xetá, povo tradicional do Estado do Paraná, teve suas terras ancestrais invadidas e esbulhadas durante o processo de colonização do Norte Pioneiro. Os sobreviventes conhecidos, todos crianças, mesmo separados uns dos outros, mantiveram as bases de sua cultura, preservando sua língua, mitos e mesmo parte dos saberes sobre a floresta e sua cultura material. Tendo a memória como alicerce na formação de sua(s) identidade(s), os sobreviventes Xetá se multiplicaram, passando às novas gerações sua episteme – sua forma de ver o mundo e ressignificá-lo dentro dos limites da própria cultura. Esse artigo, com base em conceitos da Sociologia da Infância, História da Infância, Psicologia Social e Antropologia da Infância, utiliza dados de pesquisa recente para relacionar a memória da infância ancestral à memória da infância atual do Povo Xetá, enquanto processo dialógico de produção de conhecimento e alternativa ao processo de homogeneização imposto pela sociedade atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Angelita da Silva, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Professora Adjunta A/Classe A - do INC/UFAM - Universidade Federal da Amazônia. Possui graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (2000). Pós-Graduação em Psicologia Aplicada à Educação pela Universidade Estadual do Piauí (2002). Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2013). Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2019). Tem experiência na área de Educação e Educação Social, atuando principalmente nos seguintes temas: Memória, Identidade, Cultura Indígena, Povo Xetá, Educação Infantil, Ludicidade; Cultura; Infâncias; Cultura Inclusiva; Regulamentação da profissão da Educação Social no Brasil. Cultura da Infância; Cultura da Infância Indígena; Direitos Humanos; Leis e Direitos na Infância. Coordenadora Adjunta dos Projetos de Extensão Universitária PEC /UEM: "Indígenas crianças, Direitos Humanos e Educação Social" e "Outros Olhares: a cultura da infância indígena pela criança" (2015-2017), em 2017 os projetos foram concluídos e encerrados. Participou do Projeto de Pesquisa: JANÉ REKÓ PORONUHÁ (O Contar de Nossa Existência) Programa Interinstitucional e Multidisciplinar de Pesquisa Sobre o Povo Xetá no periodo de 2010 a 2013. Participou do Projeto de Pesquisa CRIANÇA XETÁ: Histórias, Cultura e Direitos (2014-2017) concluído e encerrado em 2017. Participa como pesquisadora no grupo de pesquisa Desenvolvimento, aprendizagem e educação CNPq. da Universidade Estadual de Maringá e no grupo de pesquisa Infâncias, Criança e Educação na Fronteira Amazônica - CNPq, da Universidade Federal do Amazonas- UFAM na linha de pesquisa: "Educação Indígena, Ciência e Linguagem" e Grupo de pesquisa Núcleo de Estudos de Linguagens da Amazônia - NEL- AMAZÔNIA com a Linha de PesquisaEstudos Linguísticos. Prefaciou dois livros de literatura, Uma Vida, vários Caminhos (2013) e ÑANDERETÁ! Contos Inspirados na História, Cultura e Mitologia Xetá. (2017). Em 2017 lançou o livro CRIANÇA XETÁ: da memória da Infância a Resistência de um Povo (326p.). Participou também, em 2017, de uma publicação de importância internacional do ISA Instituto Sócio Ambiental: POVOS INDÍGENAS NO BRASIL 2011-2016 lançado no dia 19 de abril de 2017 em Brasília, com o título: XETÁ: a Renitente Batalha. Escreveu o terceiro capítula da obra CRIANÇAS EM FRONTEIRAS: Histórias, Culturas e Direitos com o título: CRIANÇA XETÁ NO CONTEXTO LATINO-AMERICANO: memória, identidade e fronteiras que foi lançado no México em 2017. Em 2018, dia 19 de abril, participou da Sessão Especial no Senado Federal de Homenagem as Populações Indígenas, com o vice cacique Claudemir da Silva Xetá, e Sessão de Autógrafos do Livro Criança Xetá: da Memória da Infância à resistência de um Povo, com um exemplar cadastrado nos registros da Biblioteca do Senado Federal. Desde 2015 escreve livros didáticos para pós-graduação na modalidade de EDUCAÇÃO a Distância EAD, com os títulos: Políticas Públicas em Educação e Saúde (2016) Docência na Socioeducação (2017) Vulnerabilidades na Infância e Adolescência e as Políticas Públicas de Intervenção (2017) Criminalização da Adolescência no Brasil. (2018) E-mail: maria.angelita@live.com. djapoteramasilva@gmail.com angelita@ufam.edu.br Informações: CV: http://lattes.cnpq.br/1751557799078177

Referências

BARTOLOME, Michel A. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana vol.12 no.1. Scientific Electronic Library Online – SciELO. abr. 2006.

COHN, Clarice. Crianças indígenas: introdução ao dossiê, estado da arte e agenda de pesquisas. Revista de @ntropologia da UFSCar R@U, 11 (1), p. 10-34. jan./jun. 2019.

______. 2005. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar.

CARDOZO, José Carlos da Silva. Enredos tutelares: o Juizado de Órfãos e a (re)organização da família Porto-Alegrense no início do século XX. Dissertação (Mestrado), Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo, RS, 2011.

FERNANDES, Natália. Infância e direitos: participação das crianças nos contextos de vida – representações, práticas e poderes. Tese (Doutorado), Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2005.

FERNANDES, Natália. Infâncias, direitos e participação: Representação, práticas e poderes. Porto: Afrontamento, 2009.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

HERON, John. Co-operative inquiry: research into human condition, London: Sage, 1996.

SILVA, Aracy Lopes da; NUNES, Ângela; SILVA, Ana Vera Lopes Macedo da (Org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. Horizontes Antropológicos, v.8, n.18, p. 66-91, dez., 2002.

MIRANDA, Humberto. Papai Noel como vigilância e punição: vivências e testemunhos de infâncias não vividas. História Oral, v. 21, n. 2, p. 31-42, jul./dez. 2018. Disponível em: http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=viewFile&path[]=824&path[]=pdf, acesso em: 10 set. 2020.

MORI, Nerli Nonato Ribeiro. R. Memória e Identidade: a travessia de velhos professores através de suas narrativas orais. Maringá: EDUEM, 1998.

MOTA, Marinete Lourenço. A criança na fronteira amazônica: o viver no fio da navalha e o imaginário da infância. Tese (Doutorado), Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Manaus, AM, 2016.

PACHECO, Rafael. Os Xetá e suas histórias: memória, estética, luta desde o exílio. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná - UFPR, Curitiba, PR, 2018.

ROMÃO, José Eustáquio; GADOTTI, Moacir. Paulo Freire e Amílcar Cabral: A descolonização das mentes. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2012.

PRIORE, Mary Del (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

SARMENTO, Manuel Jacinto; VEIGA, Fátima. Pobreza Infantil: realidades, desafios, propostas. Famalicão: Humus, 2010.

SILVA, Carmen Lúcia da. Sobreviventes do extermínio: uma etnografia das narrativas e lembranças da sociedade Xetá. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, 1998.

______, Carmen. Lúcia da. Em busca da sociedade perdida: O trabalho da memória Xetá. Tese (Doutorado), Universidade de Brasília – UnB, Brasília, DF, 2003.

SILVA, Maria Gizele. Morte de Xetá reforça luta por reserva indígena. Gazeta do Povo, Curitiba, 13 jun. 2007. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/morte-de-xeta-reforca-luta-por-reserva-indigena-aieacc0btdc4w7era35w0y98u/, acesso em: 9 set. 2020.

SILVA, Maria Angelita Djapoterama da. Criança Xetá: da memória da infância à resistência de um povo. 1. ed. Maringá: Massoni, 2017a. 326 p.: Il. Coleção Memória Xetá.

______, Maria Angelita da. Criança Xetá no contexto latino-americano: memória, identidade

e fronteira. In: MÜLLER, Verônica Regina Müller (Org.). Crianças em fronteiras: Histórias, Culturas e Direitos. Curitiba: CRV, 2017b. p. 69-87.

______. Maria Angelita da. Vulnerabilidade na Infância e Adolescência e as Políticas Públicas de Intervenção. Maringá: NEAD/UNICESUMAR, 2017c.

_______, Maria Angelita da. Memória e identidade do Povo Xetá: narrativas visuais e memória coletiva no quadro da dispersão. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Maringá – UEM, Maringá, PR, 2019.

______, Maria Angelita da. MORI, Nerli Nonato Ribeiro. QUERO OS MEUS BRINCOS: Memória da Infância, Patrimônio e Identidade na Saga do Povo Xetá. Revista Brasileira de

Pesquisa (Auto)Biográfica. Salvador, v. 05, n. 14, p. 560-572, maio/ago. 2020.

TASSINARI, Antonella. Concepções indígenas de infância no Brasil. Tellus, ano 7, n. 13, p. 11-25, out. 2007.

TOMÁS, Catarina. Há muitos mundos no mundo: cosmopolitismo, participação e direitos da criança. Porto: Afrontamento, 2011.

VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância (In)Visível. Araraquara: Junqueira e Marin, 2007.

Fontes orais

SILVA, JC. [jun. 2017]. Entrevistador: Autor. São Jerônimo da Serra, PR, 25 jun. 2017.

SILVA, S. [jun. 2017]. Entrevistador: Autor. São Jerônimo da Serra, PR, 25 jun. 2017.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

da Silva, M. A. (2021). Infância Xetá e suas identidades:: a memória da infância ancestral e a memória da infância atual na resistência de um povo. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(25), 147–174. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11996