A infância pobre no Brasil da Primeira República: um panorama das pesquisas

Autores

  • Fabiano Quadros Rückert Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i24.11993

Resumo

O artigo analisa a produção acadêmica brasileira a respeito da infância pobre na Primeira República a partir da consulta no banco de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). A introdução do texto trata da configuração de um campo de estudos sobre a História Infância no Brasil e aponta temas que ganharam projeção nas pesquisas realizadas nas décadas finais do século XX. A segunda seção descreve a metodologia adotada para a seleção da bibliografia, apresenta o conjunto total das dissertações e teses selecionadas e define categorias temáticas a partir do conteúdo das pesquisas. A terceira seção desenvolve a análise das categorias temáticas e concede especial atenção para as fontes documentais consultadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Quadros Rückert, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Gaduado no curso de Licenciatura em História pela UNISINOS (2003), Mestre em História pela UNISINOS (2007), Doutor em História pela UNISINOS (2015).

Professor Adjunto do Curso de História da UFMS - Campus do Pantanal.

Docente Permanente do PPGE da UFMS - Campus do Pantanal

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARROS, Gabriel Navarro de. Órfãos pobres, desvalidos, “ingênuos ou menores?”: infâncias “perigosas” e a vigilância dos Juízos de Órfãos de Pernambuco (1888- 1892). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

BASTOS, Ana Cristina do Canto Lopes. Nas malhas do judiciário = menores desvalidos em autos de tutoria e contato com órfãos em Bragança - SP (1889-1927). Tese de Doutorado em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, Pierre. Razões e práticas da teoria da ação. Campinas/SP: Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Trad. de Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: EDUSP – Porto Alegre: Zouk, 2008.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. de Fernando Tomaz. 12 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRAUDEL, Fernand. Reflexões sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV - XVIII. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

CARDOZO, José Carlos da Silva. Enredos tutelares: o Juizado de Órfãos e a (re)organização da família porto-alegrense no início do século XX. Dissertação de Mestrado em História, UNISINOS, São Leopoldo-RS, 2011.

CASTILHO, Matheus Henrique Obristi. Liberdade vigiada: tutelas e órfãos em Pindamonhangaba/SP (1888-1892). Dissertação de Mestrado em História, PUC-SP, São Paulo, 2018.

CORRÊA, Liliane da Silva França. A infância em processos judiciais em Belém do Pará: da criminalidade aos discursos jurídico-assistencialistas para a educação do menor desvalido (1890-1930). Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

COSTA, Solanja Silva. Em torno do berço: discursos sobre a educação da infância pobre parahybana no Jornal A Imprensa (1912-1922). Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 1982.

CHARTIER, Róger. A utilização do objecto impresso. Lisboa: Difel, 1998.

DEL PRIORE, Mary. História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e civilização. v. 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. v. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização e Tradução de Roberto Machado. São Paulo: Graal, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 34. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

FOUCAULT, Michel. A Verdade e as Formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2003.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2007.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

MARCÍLIO, Maria Luíza. História social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

MOURA, Esmeralda Blanco B.; AREND, Silvia Maria Fávero. Um norte em comum: infância no sul do Brasil na produção historiográfica brasileira. In: CARDOZO, José Carlos da Silva; CESAR, Tiago; SILVA, Jonatha Fachini; et. al. (Orgs.). História das crianças no Brasil Meridional. São Leopoldo: OKOS, 2016, p. 37-57.

MUNIZ NETO, João Silveira. Em defesa da sociedade: práticas de tutela à menoridade na Fortaleza Belle Époque. Dissertação de Mestrado em Psicologia. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

MURAMOTO, Miriam Fernandes. Assistência e educação: as iniciativas católicas na educação paulista no início do século XX. Dissertação de Mestrado em Educação.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

PINHEIRO, Welington da Costa. A infância nas páginas de jornal: discursos (re) produzidos pela imprensa paraense na primeira década do século XX. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

PINHEIRO, Welington da Costa. O Instituto Orfanológico do Outeiro: assistência, proteção e educação de meninos órfãos e desvalidos em Belém do Pará (1903-1913). Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

PINHEIRO, Luciana de Araújo. O magistrado paternal: o Juiz Mello Mattos e a assistência e proteção à infância (1924-1933). Tese de Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2014.

PESSOA, Alba Barbosa. Infância e trabalho dimensões do trabalho infantil na cidade de Manaus (1890-1920). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2010.

REZENDE, Ivana Otto. Os órfãos da Cidade do Látex (1897-1923). Dissertação de Mestrado em História. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Amazonas, Manaus 2012.

RIBEIRO, Angelita Soares. Imagens embriagadas: a cruzada das crianças – Barbárie e reencantamento do mundo. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

RIZZINI, Irene (org.). Olhares sobre a criança no Brasil- século XIX e XX. Rio de Janeiro: Amais, 1997.

SABINO, Elianne Barreto. Infância pobre e educação no juízo de órfão do Pará (1870-1910): acolher, proteger, cuidar e educar “os filhos do estado”. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

SCREMIN, João Valerio. Pobre coração de Maria = assistência e educação de meninas desvalidas em fins do século XIX e início do século XX. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2009.

SILVA, Bárbara Damasco da. A policlínica das crianças da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro: filantropia e saúde (1909-929). Dissertação de Mestrado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2015.

VERA, Lúcia Braga de Moura. A invenção da infância: as políticas públicas para a infância em Pernambuco (1906-1929). Tese de Doutorado em História. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

VIANNA, Adriana de R. B. O mal que se adivinha. Polícia e menoridade no Rio de Janeiro, 1910-1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.

VIEIRA, Marina Tucunduva Bittencourt Porto. Asilo de órfãos de Santos: assistência à infância desvalida 1889-1914. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Católica de Santos, Santos, 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Rückert, F. Q. (2020). A infância pobre no Brasil da Primeira República: um panorama das pesquisas. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(24), 36–60. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i24.11993