Para uma arqueologia da verdade estatística:

reflexões a partir do projeto de reforma educacional de Rui Barbosa (1882)

Autores

  • Alexandre de Paiva Rio Camargo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro da Universidade Cândido Mendes (IUPERJ-UCAM) https://orcid.org/0000-0001-5720-7369

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11938

Palavras-chave:

sócio-história da quantificação, estatísticas escolares, , história da educação, pensamento social, Rui Barbosa

Resumo

O presente artigo analisa o estilo de raciocínio estatístico desenvolvido por Rui Barbosa em seu projeto de reforma educacional, publicado em 1882. Inspirado no utilitarismo liberal, o parecer faz uma defesa pioneira da modernização escolar e da centralização dos serviços de estatística, como forma de fortalecer a opinião pública. Entretanto, o argumento de modernização se baseia na tradição de estimativas populacionais, fundadas no prestígio pessoal de seu autor, relegando ao segundo plano as estatísticas oficiais, certificadas pelo Estado. Examina-se as razões dessa aparente contradição, propondo como hipótese a coexistência de dois regimes de verdade – a aproximação por estimativas e o realismo censitário -, o que permite compreender o sentido da associação entre estatística e educação e as formas de raciocinar e intervir com números ao fim do Império.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre de Paiva Rio Camargo, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro da Universidade Cândido Mendes (IUPERJ-UCAM)

Doutor em Sociologia pelo IESP-UERJ; Mestre e Bacharel em História pela UFF; Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Cândido Mendes (PPGSP-UCAM)

Referências

ALONSO, Angela. Ideias em movimento: a geração de 1870 na crise do Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ANDERSON, Margo. The american census: a social history. New Haven: Yale University Press, 1988.

BARBOSA, Rui. Reforma do ensino primário e várias instituições complementares de instrução pública. In: Obras completas de Rui Barbosa, v. 10, tomos I e II. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e da Saúde, 1947.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984.

CAMARGO, Alexandre de Paiva Rio. A construção da medida comum: estatística e política de população no Império e na Primeira República. Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto de Estudos Sociais e Políticos. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

________. O censo de 1872 e a utopia estatística do Brasil Imperial. História Unisinos, v. 22, n. 3, p. 414-428, set/out. 2018.

FARIAS FILHO, Luciano M. de; SOUZA BICAS, Maurilane de. Educação e modernidade: a estatística como estratégia de conformação do campo pedagógico brasileiro (1850-1930). Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 14, n. 27/28, p. 175-201, 2000.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GIL, Natália de Lacerda. A dimensão da educação nacional: um estudo sócio-histórico sobre as estatísticas oficiais da escola brasileira. 2007. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GONDRA, José Gonçalves. Artes de civilizar: medicina, higiene e educação escolar na Corte Imperial. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1997.

HACKING, Ian. The taming of chance. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

________. Biopower and the avalanche of printed numbers. Humanities in Society, n. 5, p. 279-295, 1982.

LACOMBE, Américo Jacobina. Prefácio In: BARBOSA, Rui. Reforma do ensino primário e várias instituições complementares de instrução pública. Obras completas de Rui Barbosa, v. 10, tomos I e II. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e da Saúde, 1947, p. XI-XXV.

LOURENÇO FILHO, Manuel Bergstrom. A pedagogia de Rui Barbosa. São Paulo: Melhoramentos, 1956.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Entre o liberalismo monárquico e o conservadorismo republicano: a democracia impossível de Rui Barbosa. In: ________. Da monarquia à oligarquia: história institucional e pensamento político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014, p. 201-245.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. O projeto de Rui Barbosa: o papel da educação na modernização da sociedade. 1999. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

MARTIN, Olivier. Da estatística política à sociologia estatística: desenvolvimento e transformações da análise estatística da sociedade (séculos XVII-XIX). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 41, p. 13-34, 2001.

MATTOS, Hebe Maria. Identidade camponesa, racialização e cidadania no Brasil monárquico: o caso da “Guerra dos Marimbondos” em Pernambuco a partir da leitura de Guillermo Palacios. Almanack Braziliense, São Paulo, n. 3, p. 40-46, maio 2006.

MORMUL Najla Mehanna; MACHADO, Maria Cristina Gomes. Rui Barbosa e a educação brasileira: os pareceres de 1882. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 277-294, jan./jun. 2013.

PORTER, Theodore. The rise of statistical thinking, 1820-1900. Princeton: Princeton University Press, 1986.

________. Trust in numbers: the pursuit of objectivity in science and public life. Princeton: Princeton University Press, 1995.

RAMOS DO Ó, Jorge. Tecnologias de subjetivação no processo histórico de transformação da criança em aluno a partir de finais do século XIX. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (orgs.). Foucault: filosofia e política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011, p. 175-194.

RIBEIRO, Maria Luiza Santos. História da educação brasileira. Campinas: Autores Associados, 1993.

ROSE, Nikolas. Powers of freedom: Reframing political thought. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

SASS, Odair. Estatística e estatísticas escolares no Brasil: a emergência dos serviços públicos de estatística, sob a óptica de Rui Barbosa. In: MELETTI, Silvia Márcia Ferreira; BUENO, José Geraldo Silveira (orgs.). Políticas públicas, escolarização de alunos com deficiência e a pesquisa educacional. Araraquara: Junqueira & Marin, 2013, p. 39-52.

SENRA, Nelson. História das estatísticas brasileiras: Volume 1: Estatísticas desejadas (1822-1889). Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

SILVA, Joaquim Norberto de Souza e. Investigações sobre os recenseamentos da população geral do Império e de cada província de per si tentados deste os tempos coloniais até hoje. São Paulo: IPE / USP, 1986.

SOUZA, Rosa Fátima de. Inovação educacional no século XIX: a construção do currículo da escola primária no Brasil. Cadernos do CEDES (UNICAMP), Campinas, v.20, n. 51, p. 9-28, novembro 2000.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

Camargo, A. de P. R. (2021). Para uma arqueologia da verdade estatística:: reflexões a partir do projeto de reforma educacional de Rui Barbosa (1882). Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(25), 500–529. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11938