O papel das redes na formação do movimento indígena em Mato Grosso do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11854

Palavras-chave:

Guarani Ñandeva, Kaiowá, Terena.

Resumo

A articulação em redes tornou-se com o advento da sociedade informacional uma das principais características dos movimentos sociais contemporâneos. Os movimentos sociais indígenas também articulam-se em redes com outros movimentos sociais e outras entidades da sociedade civil. No caso dos povos indígenas de Mato Grosso do Sul, porém, por conta de suas condições sociais específicas, como a situação de excepcional vulnerabilidade, a incidência do poder tutelar como forma intensiva de controle dos povos e desestruturação de sua organização social e cultural, além das condições específicas da transformação da resistência étnica em ação política nos termos em que esta existe no Ocidente, fazem do recurso à articulação em redes uma estratégia portadora de muitas especificidades. No Mato Grosso do Sul, a articulação dos povos indígenas em redes foi decisiva para a transformação dos processos de resistência étnica para uma forma de resistência e luta na forma sociológica de movimento social. A associação em redes apresenta-se de três formas: a articulação entre diferentes parentelas do mesmo grupo étnico, entre diferentes povos e entre estes e entidades civis e setores do Estado.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David Junior de Souza Silva, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Professor Adjunto do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Amapá - DFCH/UNIFAP. Pós-Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amapá - PPGH/UNIFAP. Doutor em Geografia - IESA/UFG. Cientista Social, Mestre em Sociologia.

Referências

ALMEIDA, Ellen Cristina de. Formas de organização política dos guarani, kaiowá e terena no sul do Mato Grosso do Sul. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Ciências Sociais) - Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2012.

BENITES, Tonico. Rojeroky hina ha roike jevy tekohape (Rezando e lutando): o movimento histórico dos Aty Guasu dos Ava Kaiowa e dos Ava Guarani pela recuperação de seus tekoha. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2014.

BRAND, Antônio Jacó. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Revista Tellus, v. 4, nº 6, p. 137-150, 2004.

CASTELLS, Manuel. The information age: economy, society, and culture. Chichester: Wiley-Blackwell, 2010, 3v.

CASTRO, Iara Quelho de. De Chané-Guaná a Kinikinau: da construção da etnia ao embate entre o desaparecimento e a persistência. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2010.

CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira. Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista. Assis, SP, 2013.

CONTRERAS, Victor Raul Ortiz. Etnopolítica, territorialização e história entre os Mapuche no Chile e os Kaiowá-Guarani no Brasil: um estudo comparativo. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

ELOY AMADO, Luiz Henrique. Poké'exa ûti o território indígena como direito fundamental para o etnodesenvolvimento local. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2014.

FERREIRA, Andrey Cordeiro. Tutela e Resistência Indígena. Etnografia e história das relações de poder entre os Terena e o Estado Brasileiro. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2007.

GONZÁLEZ, C. Naturaleza política y acciones colectivas de los movimientos sociales, un emblemático caso de movilización indígena. Universitas Humanística, n. 70, pp. 79-100, julio-diciembre 2010.

MELUCCI, Alberto. Um objetivo para os movimentos sociais? Lua Nova, ano 4, n. 17, p. 49-66, junho 1989.

PEREIRA, Levi Marques. Imagens Kaiowá do sistema social e seu entorno. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2004.

PEREIRA, Levi Marques. O movimento étnico-social pela demarcação das terras guarani em MS. Revista Tellus, v. 3, n. 4. p. 137-145, 2003.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SOUZA, Rosaldo de Albuquerque. Sustentabilidade e processos de reconstrução identitária entre o povo indígena Kinikinau (koinukunôen) em Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012.

TOURAINE, Alain. Critique de la modernité. Paris: Les Éditions Fayard, 1992.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Encontros. Organização de Renato Sztutman. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2007.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

Souza Silva, D. J. de. (2021). O papel das redes na formação do movimento indígena em Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(25), 592–621. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11854