O Antropoceno como Regime de Historicidade

Autores

  • Alfredo Ricardo Silva Lopes UFMS
  • Mário Martins Viana Junior UFC

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11708

Palavras-chave:

História Ambiental, Antropoceno, Regime de Historicidade.

Resumo

A velocidade e a intensidade com que os seres humanos vêm se apropriando dos recursos naturais modificaram as dinâmicas ambientais em todo planeta. O Antropoceno se baseia no pressuposto de que a humanidade recentemente se tornou um condicionante para transformações globais na circulação de água, no clima, na produtividade biológica, na biodiversidade, nos ciclos biogeoquímicos, nos padrões de sedimentação e na utilização global de terras e mares. Compreender o Antropoceno como regime de historicidade significa perceber que a aceleração no ritmo de apropriação dos recursos atinge a vida de todos e tem como resultado uma nova forma de conceber o tempo. Diferente da ideia progressiva e crescente estabelecida com a Revolução Industrial e Revolução Francesa, o tempo é agora materializado pelos limitados recursos naturais limitados do planeta Terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo Ricardo Silva Lopes, UFMS

Professor do Mestrado em Estudos Fronteiriços CPAN-UFMS e do Curso de História do Campus do Pantanal da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Possui graduação, mestrado e doutorado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Mário Martins Viana Junior, UFC

Professor do Programa de Pós-Graduação em História, do Mestrado Profissional em Ensino de História e do curso de graduação em História da Universidade Federal do Ceará. Possui doutorado em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestrado em História Social pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

BLOCH, M. Apologia da História ou O Ofício de Historiador. Rio de Janeiro: ed. Zahar, 2001.

CROSBY, A. W. The Past And Present Of Environmental History. American Historical Review. v.100, no. 4, 1995. p. 1177-1189.

CRUTZEN, P.J.; STEFFEN, W. How long have we been in the Anthropocene era? Climatic Change, n. 61, p. 251-257, 2003.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

KOSELLECK, R. Estratos do Tempo. Estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-Rio, 2014.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUCRio, 2006.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2003.

LEINFELDER, R. Assuming Responsibility for the Anthropocene: challenges and opportunities in education. In: TRISCHLER, H. Anthropocene: Envisioning the Future of the Age of Humans. RCC Perspectives, Munich, n. 3, p. 9-28, 2013.

LOPES, A. R. S. Desastres socioambientais e memória no sul de Santa Catarina (1974-2004). Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2015.

LOPES, A. R. S. História Ambiental: Uma demanda contemporânea. Cadernos de Pesquisa do CDHIS (Online), v. 23, p. 483-496, 2010.

MARKS, R. The (modern) World since 1500. In: MCNEILL, John Robert; MAULDIN, Stewart. A companion to Global Environmental History. Nova York, Londres: Wiley- Blackwell, 2012, p. 57-78.

MCNEILL, J. R. Something New Under the Sun: an environmental history of the twentieth-century world. New York: W. W. Norton & Co., 2003.

PADUA, J. A. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68. 2010, p. 81-101.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento Sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

WORSTER, D. Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológi¬ca na História. Ambiente & Sociedade. v. V, n. 2, ago-dez. 2002. v. VI, n. 1, jan-jul. 2003.

YUSOFF, K. A Billion Black Anthropocenes or None. University of Minnesota, 2018.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Lopes, A. R. S., & Viana Junior, M. M. (2020). O Antropoceno como Regime de Historicidade. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(23), 9–24. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11708