O poder e as representações de quem tem posse:

a construção do mito Ottoni no Vale do Mucuri, MG (1890-1950)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11624

Palavras-chave:

Vale do Mucuri. Atraso e modernidade. Mito Ottoni

Resumo

Construções de representações estão diretamente vinculados ao contexto vivido por determinadas comunidades. O objetivo desse estudo é analisar a relação entre a construção do mito em torno de Teófilo Benedicto Ottoni com os produtores rurais do Vale do Mucuri, nordeste de Minas Gerais, entre os anos de 1890 e 1950. O Mucuri  sofreu um processo de colonização tendo sua produção em grande escala baseada na produção do café e, posteriormente, na pecuária. O agrego foi a principal mão-de-obra das médias e grandes propriedades rurais, utilizada para o desmatamento ininterrupto em benefício da lavoura e do pasto. Essas atividades gerou riqueza para os proprietários rurais, mas não estimulava investimentos tecnológicos típico do modelo capitalista, trazendo através da imprensa uma representação da região ambígua, coexistindo prosperidade e ruína. Esta coexistência entre representações dúbias possibilitava construções no imaginário da elite rural favoráveis ao surgimento de representações que aglutinava esse antagonismo.  Pode-se apontar como resultado da pesquisa que através do personagem  Teófilo Ottoni construiu-se o mito no qual incorporava essa contradição entre o desenvolvimento e o atraso, a imagem do bandeirante moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Achtschin Santos, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM

Doutor em História pela UFMG, pós doutorando em História pela UFMG, Professor do Departamento de Ciências Sociais e Humanas.

Referências

ACHTSCHIN, Márcio. A Filadélfia não sonhada: escravidão no Mucuri do século XIX. Teófilo Otoni, 2008.

________. SOREL, Igor. Rua Direita versus ‘Rastacoro’: dominação e resistências em Teófilo Otoni e região no século XX (1910-1974). Teófilo Otoni: s.n., 2015.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: ROMANO, Ruggiero (org.) Enciclopédia Emandi. V. 5. Lisboa: Imprensa Nacional-casa da Moeda, 1985.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CUNHA, Alexandre Mendes. A diferenciação dos espaços: um esboço de regionalização para o território mineiro e algumas considerações sobre o redesenho dos espaços econômicos na virada do século. X Seminário sobre a economia mineira, 2002.

DUARTE, Regina Horta. Conquista e civilização na Minas oitocentista, In Teófilo Otoni. Notícias sobre os selvagens do Mucuri. Belo Horizonte: UFMG, 2002

FALCON, Francisco. História e representação. In CARDOSO, Ciro. F & MALERBA, J. Representações: contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas: Papirus, 2000.

FERREIRA, Godofredo. Os bandeirantes modernos, Teófilo Otoni: s.n., 1934.

FRANCO, M. S. Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata, 2 ed., São Paulo: Ática, 1974.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

LE GOFF, J. apud. PESAVENTO, Sandra J. Representações. Revista Brasileira de história. São Paulo: ANPUH/Contexto. V. 15, n. 29, 1995.

.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. 5 ed. São Paulo: Perspectiva. 2002.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Desafios e possibilidades na apropriação de cultura política pela historiografia. In Culturas políticas na história: Novos estudos. Rodrigo Patto Sá Motta (org.) Belo Horizonte: Argvmentvum, 2009.

RIBEIRO, Eduardo Magalhães. Estrada da vida: terra e trabalho nas fronteiras agrícolas do Jequitinhonha e Mucuri, Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

______. (org.) Lembranças da terra: histórias do Mucuri e Jequitinhonha. Belo Horizonte: CEFEFES, s/d.

______. Agregados e fazendas no nordeste de Minas Gerais. Estud. Soc. E Agric., Rio de Janeiro, vol. 18, n. 2, 2010: 393-433.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

Santos, M. A. (2021). O poder e as representações de quem tem posse: : a construção do mito Ottoni no Vale do Mucuri, MG (1890-1950). Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(25), 448–476. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i25.11624