Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais em Mato Grosso: Patrimônio Cultural e Lutas Políticas

Autores

  • Manuela Areias Costa Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) https://orcid.org/0000-0002-0898-7757
  • Luciano Pereira da Silva Universidade Estadual de Mato Grosso (UNEMAT)

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11178

Resumo

Este trabalho propõe reflexões sobre a relação entre movimento dos pescadores e pescadoras artesanais, meio ambiente e patrimônio cultural imaterial. Discute as dimensões e alcances de um inventário cultural, princípios jurídicos e aplicabilidade nas políticas públicas de pesca. Para tanto, apresentaremos aspectos relacionados ao movimento dos pescadores artesanais e os resultados da ativação patrimonial promovida para garantir seus direitos ao trabalho e à reprodução cultural. A emergência dos procedimentos ocorreu diante do risco de restrição ao uso de dois objetos: os barracos e tabuados. A sinergia entre pesquisas científicas, apoio de organização não governamental, adoção de princípios jurídicos específicos no âmbito do Conselho Estadual de Pesca de Mato Grosso, e a atuação política dos pescadores do município de Cáceres, possivelmente garantiu seus direitos de permanência no rio, a continuidade de práticas e saberes e a manutenção de seus territórios de pesca.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manuela Areias Costa, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Historiadora e Professora Adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), no Curso de Licenciatura em História e no Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória); membro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-Brasil). Atuou como conselheira no Conselho Estadual de Pesca de Mato Grosso (CEPESCA-MT), entre os anos de 2018 e 2019, pela Associação de Pesquisa Xaraiés.

Luciano Pereira da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso (UNEMAT)

Arqueólogo, Historiador e Professor na Universidade Estadual de Mato Grosso (UNEMAT); membro do
ICOMOS – Brasil; presidente da Associação de Pesquisa Xaraiés; conselheiro no CEPESCA-MT pela
Associação de Pesquisa Xaraiés; presidente da “Comissão de Registro de Saberes Imateriais dos Pescadores e
das Pescadoras Tradicionais no Município de Cáceres”.

Referências

BOURDIEU, Pierre. O amor pela arte. Os museus de arte na Europa e seu público. 2ª. Edição, Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, Zouk , Porto Alegre, 2007.

CAMÍN, Eduardo. Um triunfo histórico na ONU a favor dos direitos dos camponeses. Nodal. Agência de América Latina y Caribe. Disponível em: https://www.nodal.am/2018/10/um-triunfo-historico-na-onu-a-favor-dos-direitos-dos camponeses-por-eduardo-camin/. 2018. Acesso em 19/10/2018.

CAP, 2018. “Relatório da Comissão de Registro de Patrimônio Imaterial de Pescadores e pescadoras da cidade de Cáceres,” Decreto Municipal n. 217, de 03 de maio de 2016/Prefeitura Cáceres. 2018.

CARDOSO, Eduardo. “Pescadores: Geografia e Movimento Social.” In: Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de março de 2005 – Universidade de São Paulo.

CARMO, Silvano & LOGAREZZI, Amadeu José Montagnini. “Educação ambiental e participação comunicativa: diálogos com pescadoras e pescadores artesanais no pantanal de Mato Grosso.” Revbea, São Paulo, v. 13, n. 1, 2018.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra, 1999.

CASTELLUCCI, Wellington. “Pescadores da modernagem: experiências e trajetórias nos diversos tempos da vila de Tairú – Itaparica (1960-1990).” Revista História Oral, v. 16, n. 2, p. 27-53, jul./dez. 2013.

_______ . “As populações litorâneas e ribeirinhas na História do Brasil: disciplina, resistência e exclusão na contemporaneidade.” In: CASTELLUCCI, Wellington; BLUME. Luiz Henrique (orgs.). Populações litorâneas e ribeirinhas na América Latina. Salvador: EDUNEB, 2016, pp.31-66.

CATELLA, Agostinho. “Gestão pesqueira e conservação ambiental: binômio inseparável.” (Palestras ministradas no – I Seminário Complexos hidrelétricos, licenciamento ambiental e estoques pesqueiros: impactos sobre as pescas artesanal, tradicional e de subsistência na Bacia do Alto Paraguai e sub-bacia do rio Juruena – rio Arinos. UNEMAT (coord), FONASC, OPAN e Associação de Pesquisa Xaraiés em 09/10/2019; e – Reunião Ordinária do CEPESCA, em 10/10/2019).

CONSTITUIÇÃO da República Federativa do Brasil de 1988.

CONVENÇÃO Americana sobre Direitos Humanos. San José, Costa Rica ( Art. 5 – 5.1, 5.2. Art. 11 – 11.1, 11.2, 11.3. Art. 16 – 16.1. Art 17 – 17.1. Art. 32 – 32.1, 32.2; Art. 33. Art. 44). 1969.

CONVENÇÃO sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais da Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Paris, 2005.

COSTA, Manuela Areias; SILVA, Luciano P. “Patrimônio Cultural, Festas e Lutas Políticas em Comunidades Quilombolas de Mato Grosso.” Revista Memória em Rede, Pelotas, v.12, n.22, Jan/Jun.2020.

DECLARAÇÃO Sobre os Direitos dos Camponeses e Outros Trabalhadores Rurais. Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, 2018.

DECRETO 6.040/2007 – Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. 2007.

DECRETO Nº 6.177, DE 1º DE AGOSTO DE 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6177.htm. Acesso em: 24/05/2020.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant’ana. O Movimento Social dos Pescadores Artesanais Brasileiros. São Paulo: NUPAUB-USP, 1995.

________. Povos e águas. Inventário de áreas úmidas brasileiras. 2.ed. São Paulo: Nupaub-USP, 2002.

ECOA. Disponível em: https://ecoa.org.br/pantanal/sistema-parana-paraguai-de-areas-umidas-2/. Acesso em: 09/03/2020.

EULE, Ana Margarida Castro. “O acordo de Paris e o futuro do Redd no Brasil.” Cadernos Adenauer, nº2 Mudanças climáticas: o desafio do século Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, agosto 2016.

GOHN, Maria da. Glória. “Movimentos Sociais na Contemporaneidade.” Revista Brasileira de Educação v. 16 n. 47 maio-ago. 2011.

_______ . Teoria dos movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 2007.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Manual de Aplicação de Educação Patrimonial para o Programa Mais Educação, Brasília, 2013.

MARINHO, Marcos dos Santos. Movimento Social e Conflitos na Pesca. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Socais, PUC-São Paulo, 2009.

MATO GROSSO. Resolução CEPESCA nº 006, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a regulamentação de Barracos e Tabuados de Pescadores Artesanais. https://www.jusbrasil.com.br/diarios/223174148/doemt-28-12-2018-pg-151 (Acesso em: 14/03/2020).

MATO GROSSO. Moção CEPESCA n.º 001, de 28 de dezembro de 2018. https://www.jusbrasil.com.br/diarios/223174148/doemt-28-12-2018-pg-151 (Acesso em: 14/03/2020).

MATO GROSSO. Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso. Disponível em: https://www.al.mt.gov.br/midia/texto/32/deputado/projeto-cota-zero-sera-discutido-em-barra-do-bugres-na-sexta-feira-30/visualizar (Acesso em: 24/05/2020).

MATO GROSSO. Decreto nº 299, de 21 de novembro de 2019. Altera o Decreto nº 883, de 21 de março de 2017, que Institui a Comissão Estadual do Zoneamento Socioeconômico Ecológico-CEZSEE/MT. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/140769338/doemt-21-03-2017-pg-13 (Acesso em 25/05/2020).

NORRA, Pierre. “Entre memória e história: a problemática dos lugares.” In: Projeto História. São Paulo: PUC, n. 10, p. 07-28, dez. 1993.

POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento e silêncio.” In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989.

POULOT, Dominique. “Um Ecossistema do Patrimônio.” In: CARVALHO, C. S. de; GRANATO, M; BENCHETRIT, S. F. (orgs.). Um Olhar Contemporâneo sobre a Preservação do Patrimônio Cultural Material. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. Salvador, 2007.

SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização: do pensamento único à consciência individual. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SEMA, Resolução CEPESCA, n° 003/2015, de 29 de abril de 2015. Disponível em: http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3085&Itemid=842.

SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Malheiros, 1997.

SOUZA, Silvano Carmo; LOGAREZZI, Amadeu José Montagnini. “Educação ambiental e participação comunicativa: diálogos com pescadoras e pescadores artesanais no pantanal de Mato Grosso.” Revbea, São Paulo, v. 13, n. 1, 2018.

TOURAINE, Alain. Como sair do liberalismo? Bauru: EDUSC, 1989. (Coleção Filosofia e Política).

UNESCO. Patrimônio da humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais, Brasília: UNESCO, 2014.

ZANATTA, Silvia; MACIEL, Josemar. “Pantanal ameaçado: as contradições em torno das narrativas para produção de energia hídrica.” Revista Brasileira de Meio Ambiente, v.8, n.1. 002-011 (2020).

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Costa, M. A., & Silva, L. P. da. (2020). Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais em Mato Grosso: Patrimônio Cultural e Lutas Políticas. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(23), 128–152. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11178