“O Mundo de 2020”: Relações sociais e meio ambiente na distopia de 1973.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11176

Palavras-chave:

Meio ambiente, distopia, cinema.

Resumo

O presente artigo busca analisar o filme “O Mundo de 2020”, (Soylent Green, no título original), de 1973, do diretor Richard Fleischer e estrelado por Charlton Heston. Trata-se de uma narrativa distópica que se passa na Nova Iorque de 2022, com uma superpopulação de 40 milhões, extrema pobreza, fome generalizada, escassez de água e energia elétrica. Os oceanos estão poluídos, o Planeta Terra está superaquecido e a polícia controla com violência os motins de fome. A Soylent Corporation é uma multinacional que controla metade da alimentação do planeta, vendendo comidas sintéticas super proteicas que dizem ser feitas de plâncton. O detetive Thorn é chamado para investigar o assassinato de um rico executivo e começa descobrir segredos obscuros sobre a produção do alimento. O presente artigo busca compreender a produção do filme na emergência das questões geopolíticas da década de 1970, na emergência dos Movimentos Ambientalistas e na constituição da História Ambiental enquanto disciplina e campo de estudos. Além do longa-metragem, o artigo analisa o cartaz do filme, bem como resenhas de críticos de cinema contemporâneos ao seu lançamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franco Santos Alves da Silva

Doutor em História Cultural pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina, na da linha de pesquisa Sociedade, Política e Cultura no Mundo Contemporâneo. Com a tese: "O Lado Escuro: As narrativas distópicas na obra do Pink Floyd (1973-1983)". É mestre em História Contemporânea pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal. Formado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Foi bolsista do PET-História - Programa de Educação tutorial e bolsita CNPq na mesma instituição. Áreas de interesse: História Social da Cultura, História e Literatura, Imagens, História Social da Música.

Referências

“Dystopia”. In: Oxford English Dictionary. (3rd e.). Oxford University Press, 2005.

FERRO, Marc. Filme: uma contra-análise da sociedade? In: Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FOGG, Walter L. “Technology and dystopia”. In: RICHTER, Peyton E. (Ed.), Utopia/dystopia?. Cambridge: Schenkman, 1975.

GIBSON, Campbell; JUNG, Kay. Table 23. Nativity of the Population for the 50 Largest Urban Places: 1870 to 2000. In: Historical Census Statistics on the Foreign-Born Population of the United States: 1850-2000. Census Bureau Population Division: Washington, DC. U.S, 2006.

HAGEMEYER, Rafael Rosa. História & Audiovisual. São Paulo: Autêntica, 2012

LAGO, André Aranha Corrêa do. Estocolmo, Rio de Janeiro, Johanesburgo: O Brasil e as Três Conferências Ambientais das Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco, Fundação Alexandre de Gusmão – FUNAG, 2007.

LE PRESTRE, Philippe. G. Ecopolitica internacional. 2 ed. São Paulo: Senac-SP, 2005.

LAGNY, Michele. O cinema como fonte de História. In: NÓVOA, Jorge; FRESSATO, Soleno Biscouto; FEIGELSON, Kristian (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a História. São Paulo: UNESP, 2009.

MEADOWS, Donella H.; MEADOWS, Dennis L.; RANDERS, Jorgen; BEHRENS III, W. W. Limites do Crescimento: Um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

OLIVEIRA, Leandro Dias de. Os “Limites do Crescimento” 40 anos Depois. In: Revista Continentes (UFRRJ), ano 1, n. 1, 2012. p.72-98.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. In: estudos avançados 24 (68), 2010, pp. 81-101.

RATTNER, Henrique. O esgotamento dos recursos naturais catástrofe ou interdependência. In: Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro, 17 (2): mar./abr. 1977, p. 15-21.

SILVA, Franco Santos Alves da. O Lado Escuro: As narrativas distópicas na obra do Pink Floyd (1973-1983). Tese. (Doutorado). Programa de Pós-graduação em História Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, SC, 2018. p.80-81

KUMAR, Krishan. Utopia and anti-utopia in modern times. Oxford: Basil Blackwell,1987.

KOPP, Rudnei. Comunicação e mídia na literatura distópica de meados do século 20: Zamiatin, Huxley, Orwell, Vonnegut e Bradbury. PUC-URGS, 2011. (Tese de doutorado em comunicação social.).

WORSTER, Danald. Para fazer História Ambiental. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, 101. 4, no. 8. 1991, p. 198•215.

Jornais e Revistas

CHIGAGO Tribune Staff. Morning Spin: Ald. Pawar on Trump: 'Feel like I’m living in the movie “Soylent Green”. In: Chicago Tribune. 2 de Junho de2017. Disponível em: <https://www.chicagotribune.com/politics/ct-donald-trump-chicago-aldermen-20170601-story.html> Acesso em 29 de Mar. De 2020.

EBERT, Roger. Soylent Green. In: Chicago Sun-Times, 27 de abril de 1973. Disponível em: <https://www.rogerebert.com/reviews/soylent-green-1973> Acesso em 27 de mar. De 2020.

VARIETY STAFF. Soylent Green. In: Variety. 32 de Dezembro de 1972. Disponível em: <https://variety.com/1972/film/reviews/soylent-green-1200422955/> Acesso em: 27 de março de 2020.

WEILER, A. H. Screen: ‘Soylent Green’. In: The New York Times. 20 de Abril de 1973. Disponível em: <https://www.nytimes.com/1973/04/20/archives/screen-soylent-green.html> Acesso em: 27 de mar. De 2020.

Filmografia

NO MUNDO de 2020 (Soylent Green). Dir. Richard Fleischer. Produtores: Walter Seltzer; Russell Thacher. 1h37min. EUA, 1973.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

da Silva, F. S. A. (2020). “O Mundo de 2020”: Relações sociais e meio ambiente na distopia de 1973. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(23), 249–273. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11176