Luta armada das esquerdas e justiçamentos: um estudo de(o) caso (São Benedito-CE)

Autores

  • Airton de Farias Universidade Federal Fluminense Instituto Tecnico do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.10845

Resumo

Os assassinatos de “inimigos da revolução” feitos pelas organizações de esquerda durante a ditadura civil-militar (1964-85) eram usados pelo governo ditatorial para justificar a repressão e provocavam polêmicas entre os próprios militantes. Um dos mais controversos deu-se no Ceará, quando do justiçamento do comerciante José Armando Rodrigues pela Ação Libertadora Nacional na cidade cearense de São Benedito, em agosto de 1970. O artigo trata de detalhes da ação, abordando aspectos políticos e representações dos grupos armados, a exemplo da crescente militarização e a crença no triunfo da revolução. É igualmente realizada uma discussão sobre as várias memórias construídas acerca do chamado “Caso de São Benedito” que, no geral, buscam diminuir a ênfase política da ação e ressaltar aspectos morais e pessoais.

Palavras-chaves: ditadura militar, esquerda armada, memórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Airton de Farias, Universidade Federal Fluminense Instituto Tecnico do Ceará

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), mestre em História pela Universidade Federal do Ceará (UFC), licenciado em História pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor de vários colégios e faculdades do Ceará por anos, atualmente ministra aulas no Instituto Federal do Ceará (IFCE). Tem experiência na produção de livros didáticos e na pesquisa em História Política, voltado para a ditadura militar brasileira e a luta armada das esquerdas. Também pesquisa sobre a história do esporte/futebol.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

de Farias, A. (2020). Luta armada das esquerdas e justiçamentos: um estudo de(o) caso (São Benedito-CE). Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 12(23), 357–382. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.10845