O “paraíso terrestre”: alimentação como propaganda e construção da identidade italiana no sul do Brasil

Autores

  • Maíra Ines Vendrame UNISINOS

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar a propaganda feita por imigrantes italianos aos parentes que haviam permanecido na terra de origem. Por meio de cartas, buscavam atrair os familiares fazendo divulgação da abundância alimentar que existia nas colônias do sul do Brasil, consolidando uma crença existente entre os camponeses italianos: a cucagna ou “paraíso terrestre”. Certos alimentos já faziam parte da identidade camponesa – a uva, o vinho, a polenta –, mas ganharam novos significados entre os imigrantes e descendentes, reforçando a identidade do grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maíra Ines Vendrame, UNISINOS

Professora do Programa de Pós-Graduação em História e do Curso de História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Possui graduação em História Licenciatura Plena pelo Centro Universitário Franciscano (2004). Mestre pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007). Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com estágio de doutorado na Università degli Studi di Genova (2013). Realizou estágio pós-doutoral como bolsista PNPD/Capes no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Maria (2013-2015). Autora de dois livros: "O poder na aldeia: redes sociais, honra familiar e práticas de justiça entre camponeses italianos (Brasil-Itália), Editora OIKOS, 2016; e "Lá éramos servos, aqui somos senhores: a organização dos imigrantes italianos na ex-Colônia Silveira Martins (1878-1914)", pela editora da UFSM, 2007, e de diversos artigos sobre a imigração italiana no Brasil Meridional. Vencedora da 4ª Edição do prêmio Vanni Blengino, Itália, 2015 (premiação internacional AREIA) com o texto: "Ofensas, reparações e controle comunitário: a justiça dos imigrantes italianos nos núcleos coloniais do sul do Brasil". Em 2015, recebeu o prêmio ANPUH-RS de teses. Desenvolve pesquisa nos seguintes temas: redes sociais e estratégias migratórias, trajetória, família, honra, práticas de justiça, criminalidade, mulheres, universo camponês, organização comunitária, religiosidade e cultura popular.

Referências

AMBIEDO, Fernanda Trentini. Fábricas de massas alimentícias do imigrante italiano José Pappalardo, Porto Alegre (1932-1968). Porto Alegre: Porto Alegre: Escolha de Humanidades, Pontíficia Univesidade Católica do Rio Grande do Sul, 2018. (Dissertação de mestrado)
BLAS, Verónica Sierro. “Puentes de papel”: apuntes sobre las escrituras de la emigración. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 10, n. 22, jul./dez. 2004, p. 121-147.
CAFFARENA, Fabio. “Il viaggio dei sapori. Il cibo nelle lettere degli emigranti in America”. In: http://www.pellegrinoartusi.it/wp-content/uploads/2011/02/intervento-Caffarena.doc. Acessado 30 de setembro de 2015.
COLLAÇO, Janine Helfst L. Sabores e memórias: cozinha e construção identitária em São Paulo. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2009. (Tese de doutorado).
CINOTTO, Simone. “La cuccina diasporica”. In: CORTI, Paola; SANFILIPPO, Matteo (a cura di). Storia d’Italia. Annali 24. Migrazioni. Torino: Einaudi, 2009, p. 303-316.
CINQUANTENARIO DELLA COLONIZZAZIONE ITALIANA NELL RIO GRANDE DEL SUD: 1875-1925. 2. Ed. Porto Alegre: Posenato Arte & Cultura, 2000.
CORTI, Paola. “Emigrazione e consuetudini alimentari. L’esperienza di uma catena migratoria”. In: CAPATTI, Alberto; DE BERNARDI, Alberto; VARNI, Angelo (a cura di). Storia d’Italia. Annali 13. L’alimentazione. Torino: Einaudi, 1998. p. 681-719.
CONEDERA, Leonardo. Músicos no Novo Mundo: a presença de musicistas italianos na banda municipal de Porto Alegre. Porto Alegre: Escolha de Humanidades, Pontíficia Univesidade Católica do Rio Grande do Sul, 2017. (Tese de doutorado)
DE BONI, Luis Alberto (org.). La Mérica: escritos dos primeiros imigrantes italianos. Caxias do Sul: UCS; Porto Alegre: EST, 1977.
DE RUGGIERO, Antonio. “A saudade dos sabores e o comércio étnico dos imigrantes italianos no Brasil (1875-1914)”. Revista Prákis. Novo Hamburgo. a. 15, n. 1, jan./jun., 2018, p. 255-285. Disponível em: file:///E:/Livros%20PDF/De%20ruggiero%20-%20saudades%20de%20sabores.pdf. Acessado 29 de março de 2018.
DI RENZO, Ernesto. “Cibo, identità, migrazione: alcune reflessione a margine dell’emigrazione italiana nel mondo”.
Disponível: <https://www.academia.edu/8686237/Cibo_identità_migrazione_alcune_
riflessioni_a_margine_dellemigrazione_italiana_nel_mondo>. Acessado em 29 de março de 2018.
FRANZINA, Emílio. Merica! Merica! Emigrazionee colonizzaione nelle lettere dei contdini venet e friulani in America Latina 1876-1902. Verona: CIERREb cou Edizioni, 1994.
GIBELLI, Antonio. “Fatemi un po sapere”... scritura e fotografia nella corrispondenza degli emigranti”. In: La via delle americhe: l’emigrazione lígure tra evento e racconto. Genova: Sagep Editrice, 1989, p. 87-94.
MANFIO, Juliana Maria. “As comemorações do Centenário da Imigração Italiana em Vale Vêneto”. In: RIHGRGS. Porto Alegre, n. 152, julho de 2017, p. 115-118.
OLIVEIRA, Flávia Arlanch Martins de. “Padrões alimentares em mudança: a cozinha italiana no interior paulista”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 26, nº 51, 2006, p. 47-62. (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882006000100004). Acessado 02 de outubro de 2015.
ORTOLEVA, Peppino; TORINO, Cliomedia. La tradizione e l’abbondanza. Riflessioni sulla cucina degli italiani d’America. Altreitalie 7. Gennaio-giugno, 1992.
RAMELLA, Franco. “Reti sociali, famiglia e strategie migratorie”. In: BEVILACQUA, Piero; DE CLEMENTI, Andreina; FRANZINA, Emilio. Storia dell’emigrazione italiana: partenze. Roma: Donzelli Editore, 2001.
_____. “Appunti su famiglia, mobilità, consumi”. In: LANARO, Paola (a cura di). Microstoria. A venticinque anni da l’eredità immateriale. Milano: Franco Angeli, 2011, p. 79-88.

RIBEIRO, Cleodes Maria Piazza. Festa e identidade. Caxias do Sul: EDUSC, 2002.

SANTOS, Marian Oliveira; ZANINI, Maria Catarina. “Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul (Brasil)”. Caderno Espaço Feminino. V. 19, n. 01, Jan./Jul. 2008, p. 255-284. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/viewFile/2111/1732. Acessado em 05 de abril de 2018.

TETI, Vito. “Emigrazione, alimentazione, cultura popolari”. In: BEVILACQUA, Piero; DE CLEMENTI, Andreina; FRANZINA, Emilio. Storia dell’emigrazione italiana: partenze. Roma: Donzelli Editore, 2001.
ZANINI, Maria Catarina Chitolina. Italianidade no Brasil Meridional: a construção da Identidade Étnica na Região de Santa Maria-RS. Santa Maria: Edusfm, 2006.

Downloads

Publicado

2018-12-14

Como Citar

Vendrame, M. I. (2018). O “paraíso terrestre”: alimentação como propaganda e construção da identidade italiana no sul do Brasil. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 10(20), 264–286. Recuperado de https://periodicos.furg.br/rbhcs/article/view/10794