Boulevard da República: espaço republicano construído na Baía do Guajará (Belém, PA).

Autores

  • Marcia Cristina Ribeiro Gonçalves Nunes Universidade da Amazônia - UNAMA

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v9i18.442

Palavras-chave:

Boulevard. Cidade. Modernidade

Resumo

Neste trabalho iremos entender a urbanização às margens da Baía do Guajará, antigo espaço destinado a acostamento de embarcações da Província do Grão Pará, denominado de rua Nova do Imperador até a sua transformação no Boulevard da República, hoje denominado Boulevard Castilhos França.  Como essa rua que fica ao lado de um porto vai adquirindo sentidos diferentes em momentos diversos na vida da cidade.  Uma rua que não está desvinculada do rio, a qual se liga a diversos pontos de desembarque onde se transaciona quase todo o comércio local, tomará nova forma se transformando num boulevard que é cais, mantendo suas atividades com o rio e dialogando com pessoas que entram e saem das mais diferentes posições sociais em frente a pequenos negócios, lojas de todos os tipos e novos equipamentos urbanos. Um boulevard que está inserido na modernidade de sua época carregado de significados, se sobrepondo à cidade imperial e se pondo à uma cidade civilizada como o próprio período republicano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Cristina Ribeiro Gonçalves Nunes, Universidade da Amazônia - UNAMA

CCET - Arquitetura e Urbanismo

 

Referências

Bibliografia
BELÉM, Intendência Municipal. O Município de Belém – 1897-1902. Relatório apresentado ao Conselho Municipal de Belém na sessão de 15/11/1902 pelo Exmo. Sr. Intendente Antônio José de lemos. Belém: Typografia de Alfredo Augusto Silva, 1902.
BRESCIANI, Maria Stella M. (org.). Imagens da cidade: séculos XIX e XX. São Paulo: Anpuh-Marco Zero Fapesp, 1993.
BORGES, Ricardo. Vivência Amazônica. Belém: CEJUP, 1986.
CASTRO, Fabio Fonseca. A Cidade Sebastiana. Era da Borracha, Memória e Melancolia numa capital da periferia da modernidade. Belém: edições do autor, 2010.
DERENJI, Jussara. A arquitetura eclética no Pará. In FABRIS, Annateresa. Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel, 1987.
DUARTE, Cristóvão (informação verbal) menciona sobre o referido tombamento que o IPHAN denominou de Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Ver-o-Peso, 2017.
FURTADO, Luciana Martins. Nas Pedras do caes: cidade, cotidiano e trabalho-Belém do Pará (1852-1912). 2015. 237f. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós Graduação em História da Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.
GIEDION, Sigfried. Espaço, Tempo e Arquitetura: o desenvolvimento de uma nova tradição. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
JONES, Colin. Paris, biografia de uma cidade. Porto Alegre: RS: L&PM, 2009.
LIMA, Alexandre Martins de. Pelos trilhos dos bondes: Cidade, modernidade e tensões sociais em Belém de 1869 a 1947. Tese (Doutorado), Programa de Pós--graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA, da Universidade Federal do Pará, 2011.
LYNCH, Kevin; CAMARGO, Jefferson Luiz. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes:1997.
LOYER, François. Avant-propos. In: DES CARS, J.; PINON, P. (Ed.) Paris-Haussmann. “Le pari d’Haussmann”. Paris: Pavillon de l’Arsenal-Picard, 1991.
MOREIRA, Eidorfe. Belém e sua expressão geográfica. Belém: Imprensa Universitária, 1966.
MARANHÃO, Haroldo. Pará, Capital: Belém: Memórias &Pessoas &Coisas &Loisas da Cidade Belém: Editora Supercores, 2000.
PANERAI, Philippe. Paisaje urbano y analisis pictórico. In: Elementos de analisis urbano. Tradução de Juan Vioque Lozano. Madrid: Instituto de Estúdios de Administracion Local, 1983.
PINHEIRO, Eloísa Petti. Europa, França e Bahia: difusão e adaptação de modelos urbanos (Paris, Rio e Salvador) / EloísaPetti Pinheiro. – 2 ed. – Salvador: EDUFBA, 2011.
PINON, Pierre. L’haussmannisation: réalité et perception en Europe. In: LORTIE, A. (Ed.), Paris s’exporte: architecture modèle ou modèles d’architectures. Paris: Pavillon de l’Arsenal-Picard, 1995.
PONTES, Juliano Pamplona Ximenes. A orla de Belém: intervenções urbanísticas, ações políticas e devolução do espaço. In Lobato, Celio C. Q., et al. Um olhar sobre aspectos de infraestrutura e do planejamento urbano em Belém do Pará. Belém: Editora CESUPA, 2005.
RODRIGUES, Gustavo Partezani. Vias públicas: tipo e construção de São Paulo. (1898-1945). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010, p. 26. SARGES, Maria de Nazaré. Memórias do “Velho Intendente” Antônio Lemos. Belém: Pakatatu, 2002.
SARGES, Maria de Nazaré. Belém: riquezas produzindo a Belle Époque. Belém: Pakatatu, 2010.
SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na primeira República. 2ª. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
ZUCONNI, Guido. A cidade do século XIX. Tradução e notas Marisa Barda. São Paulo: Perspectiva, 2009.

Documentos
PARÁ. Relatório anexado ao do presidente da província, Carlos Augusto de Carvalho. 1885. (Província). Presidente Augusto de Carvalho, p.4.
Folha do Norte, 22 de abril de 1906. Pag. 1.
Falla dirigida pelo Exmo. Sr. Joao Antonio Luiz Coelho, no Relatório do Governador do Estado do Pará. Pará, Typ. de Santos & Filhos, 1910.

Downloads

Publicado

2017-12-25

Como Citar

Nunes, M. C. R. G. (2017). Boulevard da República: espaço republicano construído na Baía do Guajará (Belém, PA). Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 9(18), 72–91. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v9i18.442