Porque retomar a noção de experiência em Georges Bataille <p>Pourquoi reprendre la notion d’expérience dans l’oeuvre de George Bataille

Autores

Palavras-chave:

Experiência, Soberania, Sagrado, Sacrifício, Expérience, Souveraineté, Sacré, Sacrifice

Resumo

Resumo: 

O presente artigo se propõe a retomar a noção de “experiência interior”, ponto importante da obra do escritor Georges Bataille, relacionando-a ao tema do sacrifício. Para tanto realiza-se uma retomada do momento no qual ela surge, período final da segunda guerra mundial, dos autores com os quais ela dialoga, além de incluir nessa discussão elementos do contexto social contemporâneo e das modificações políticas que estão em curso desde a virada no milênio. A validade desse estudo se justifica no atual recrudescimento de rígidas posições morais e religiosas e na política segregatícia que esse recrudescimento acarreta, bem como, na postura totalizante de parte da ciência que desconsidera a subjetividade humana; posições que tornam necessário um retorno ao tema do sagrado como experiência que escapa à lógica vigente.


Résumé:

Le but de cet article est de reprendre la notion d’ “expérience intérieure” chez George Bataille, tout en l’associant au thème du sacrifice. Pour ce faire, nous nous pencherons sur le moment où cette notion surgit dans son oeuvre, à partir de celles des auteurs avec lesquels Bataille dialogue,vers la fin de la Seconde Guerre Mondiale. Aussi, incluerons-nous dans cette discussion le contexte social contemporain, tout comme certains changements politiques en cours depuis l’arrivée du nouveau millénium. La valeur de cette étude est attestée par la recrudescence de positions morales et religieuses rigides et par la politique ségrégationniste qu’elles entraînent, et par l’attitude totalitaire d’une partie de la science qui ne prend pas en compte la subjectivité humaine. De telles positions nous obligent nécessairement à un retour au thème du sacré en tant qu’expérience échappant à la logique en vigueur.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Raimundi Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria/RS.

Sílvia Raimundi Ferreira é psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, mestre em Psicologia Social e Institucional, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

Agamben, G.(2010). Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: UFMG.

______. (2007). Profanações. São Paulo: Boitempo.

Bataille, G. (2016a). A Experiência Interior: Seguida de Método de Meditação e Postscriptum. Belo Horizonte: Autêntica. (Edição original 1953).

______. (2013b). A Parte Maldita. Precedida de “A noção de dispêndio”. Belo Horizonte: Autêntica. (Edição original 1949).

______. (2016b). Teoria da Religião: Seguida de Esquema de uma história das religiões. Belo Horizonte: Autêntica. (Edição original 1973).

______. (2016c). O Culpado: Seguido de Aleluia. Belo Horizonte: Autêntica. (Edição original 1961 e 1998).

Fellmann, R.-M. M. (2016). Erótica de la Transgresión. México: Herder.

Freud, Sigmund. O Mal-estar na cultura. Porto Alegre: L&PM, 2010.

Hegel, Georg W. F. Fenomenologia do espírito. 9 edição, Rio de Janeiro: Vozes, 2014. (Primeira Publicação 1807)

Joron, Philippe. A vida improdutiva: Georges Bataille e a heterologia sociológica. Porto Alegre: Sulina, 2013.

Kojeve, Alexander. Introdução à leitura de Hegel. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014. (Edição original 1947).

Mbembe, A. (2018). Necropolítica. São Paulo: n-1 edições.

Revista Acéphale (2013). A conjuração sagrada. Florianópolis: Cultura e Barbárie Editora.

Publicado

2019-11-05

Como Citar

Ferreira, S. R. (2019). Porque retomar a noção de experiência em Georges Bataille &lt;p&gt;Pourquoi reprendre la notion d’expérience dans l’oeuvre de George Bataille. Deslocamentos/Déplacements: Revista Franco-Brasileira Interdisciplinar De psicanálise, 1(1), 13–35. Recuperado de https://periodicos.furg.br/des/article/view/9441

Edição

Seção

Dossiê