O trauma e o ideal neoliberal: uma reflexão acerca dos efeitos do discurso capitalista<br>Le traumatisme et l’Idéal néolibéral: une réflexion sur les effets du discours capitaliste

Autores

  • Isadora Goes Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS
  • Fernando Rodrigues Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS
  • Filipe Zoppo
  • Eduardo Martins Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS

Palavras-chave:

Produtividade, Capitalismo, Trauma, Sintoma, Desempenho, Productivité, Capitalisme, Traumatisme, Symptôme, Performance

Resumo

Resumo
As mudanças do cenário capitalista mundial culminaram em um discurso ultraliberal de produtividade e positividade, em que o senhor e o servo habitam o mesmo sujeito, o que levou a profundas transformações na subjetividade e no desejo. A partir das concepções de trauma e sintoma trazidas por Freud e Lacan, buscamos realizar uma reflexão acerca dos impactos do discurso neoliberal no sujeito contemporâneo e como este discurso está atrelado ao Ideal-do-Eu postulado por Freud.

Résumé
Les changements du scénario capitaliste mondial ont abouti à un discours ultra-libéral de productivité et de positivité, dans lequel le maître et le serviteur habitent le même sujet, ce qui a conduit à de profonds changements dans la subjectivité et le désir. À partir des concepts de traumatisme et de symptôme apportés par Freud et Lacan, nous cherchons à réfléchir sur les impacts du discours néolibéral sur le sujet contemporain et comment ce discours est lié à l'Idéal du Moi postulé par Freud.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Goes, Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS

Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) desde 2017. Atuou como bolsista do Programa de Educação Tutorial, em projetos na área da psicologia com a base na indissociabilidade entre Pesquisa, Ensino e Extensão. Possui participação e publicações em congressos e eventos, monitoria acadêmica e experiência com tradução de livro da língua francesa em psicanálise. Interessa-se por Psicanálise e Psicologia Social.

Fernando Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS

Estudante de graduação em Psicologia, mestrando em Psicologia e bacharel em Artes Visuais, todos pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). É bolsista extensão do projeto 'Espaço de Expressão em tempos de pandemia', foi bolsista extensão pelo projeto “Envelhecimento e saúde”; participou dos projetos de ensino “Psicanálise, Palavra e Poética” e “As origens da Psicanálise nas tragédias”. Também fez estágio não-obrigatório na FURG TV/FM, atuando na produção e edição de vídeo e programas televisão/rádio-televisionada, assim como da bolsa de extensão/cultural “Rádio Web - Produção Programas Culturais”; além de monitorias acadêmicas, participação em exposições grupais de arte, organização de eventos culturais, e publicações em eventos/congressos. Interessa-se por psicanálise, arte, cinema e filosofia.

Filipe Zoppo

É graduando em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) desde 2017. Possui interesse nas áreas de Psicanálise, Filosofia, Linguística e Sociologia. E-mail: f.s.zoppo@gmail.com

Eduardo Martins, Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil/RS

Graduando em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) com ingresso em 2017. Atuou como estagiário no Programa governamental Primeira Infância Melhor. Possui publicação em revista na área de educação musical. Possui interesse nas áreas de Psicanálise, Educação, Música e Filosofia.

Referências

Almeida, F. P. M. (2014). Anticapitalismo religioso: novos textos de Walter Benjamin. Religião & Sociedade, 34(1), 199-203.

Benia, L. R. (2001). O provisório como modo de existência. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 10(20), 117- 123.

Brenner, C. (1973). Noções básicas de psicanálise: introdução à psicologia psicanalítica (5ª ed.). Rio de Janeiro: Imago.

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico (6ª ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Chemama, R., & Hoffmann, Ch. (2018). Trauma dans la civilisation. Tolouse, França: Éditions Érès.

Costa, L. A., & Fonseca, T. M. G. (2008). Da diversidade: uma definição do conceito de subjetividade. Interamerican Journal of Psychology, 42(3), 513-519.

Dunker, C. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo Editorial.

Foucault, M. (2017). Microfísica do poder. São Paulo: Paz & Terra

Freud, S. (2010). O futuro de uma ilusão. Porto Alegre: L&PM.

Freud, S. (2010). Obras Completas: Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (2011). O mal-estar na civilização. São Paulo: Companhia das letras.

Freud, S. (2011). Obras completas: Psicologia das massas e análise do Eu e outros textos (1920-1923). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (2014). Obras Completas: Conferências introdutórias à psicanálise (1916-1917). São Paulo: Companhia das Letras.

Gisaemgchug (2019). Direção: Bong Joon-ho, Produção: Kwak Sin-ae, Moon Yang-kwon, Bong Joon-ho et al. Coréia do Sul.

Han, B. (2017a). Sociedade do cansaço (2ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Han, B. (2017b). Sociedade da transparência. Petrópolis: Vozes.

Han, B. (2018). Psicopolítica: O neoliberalismo e as novas técnicas de poder (1ª ed.). Belo Horizonte: Editora Âyiné.

Hartmann, F. (2019). Do trauma ao sintoma. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 22(2), 403-406.

Lacan, J. (1988). O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Marx, K. (2011). Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política (1ª ed.). São Paulo: Boitempo Editorial.

Marx, K., & Engels, F. (2008). Manifesto do partido comunista (1ª ed.). São Paulo: Editora Expressão Popular.

Moraes, D. F. L. D., & Loffredo, A. M. (2019). Tempo e trabalho na contemporaneidade: notas para uma agenda de pesquisa no campo da psicanálise. Cadernos de psicanálise (Rio de Janeiro), 41(40), 65-82.

Nietzsche, F. (2000). Humano, demasiado humano. São Paulo: Companhia das Letras.

They Live (1988). Direção: John Carpenter, Produção: Larry Franco. Estados Unidos.

Vanier, A. (2002). O sintoma social. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 5(2), 205-217

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

Goes, I., Rodrigues, F., Zoppo, F., & Martins, E. (2020). O trauma e o ideal neoliberal: uma reflexão acerca dos efeitos do discurso capitalista&lt;br&gt;Le traumatisme et l’Idéal néolibéral: une réflexion sur les effets du discours capitaliste. Deslocamentos/Déplacements: Revista Franco-Brasileira Interdisciplinar De psicanálise, 1(2), 139–155. Recuperado de https://periodicos.furg.br/des/article/view/12024

Edição

Seção

Dossiê