A transposição das águas do rio São Francisco na resposta à seca do Nordeste brasileiro. Cronologia da transformação da ideia em obra

Autores

  • José Gomes Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

DOI:

https://doi.org/10.14295/cn.v1i2.9085

Palavras-chave:

Semiárido. Rio São Francisco. Transposição.

Resumo

O artigo sintetiza o histórico do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional brasileiro, desde a primeira vez que foi apresentado em 1818 até à inauguração da primeira fase da obra com a chegada da água aos estados de Pernambuco e Paraíba. Tem como objetivo debater as várias dimensões do tema colocando em pauta diferentes posicionamentos. Para tal, procede à coleta e análise de documentos e notícias da mídia, de entrevistas, questionários e observação de campo. Os primeiros resultados mostram que a obra tem sido encarada como a principal saída no combate à seca e como infraestrutura capaz de fomentar o desenvolvimento da região. Ainda assim, o projeto motiva discussão quanto aos fins a que se destina, à segregação de comunidades, aos prazos de conclusão, à transparência dos processos e sua adequação à resposta às mudanças climáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Gomes Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professor do Programa do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Referências

AGUDO, Pedro Arrojo. Crisis global del agua: valores y derechos en juego. Cristianisme i Justícia, 2010.

ALMEIDA, José Américo de. As secas do Nordeste. Exposição feita na Câmara dos Deputados em 10-11-1953. Debates e Repercussão. Serviço de Documentação Ministério da Viação e Obras Públicas. 1953.

ARROYO, Jorge Fernández; RODRÍGUEZ-MARÍN, Fátima. Los procesos de enseñanza–aprendizaje relacionados con el agua en el marco de las hipótesis de transición. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, v. 14, n. 1, p. 227-243, 2016. Disponível em: https://revistas.uca.es/index.php/eureka/article/view/3012/3035. Acesso em: 12 de junho de 2019.

CAMPOS, CAMPOS, José Nilson B Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, v. 28, n. 82, p. 65-88, 2014.

CANTERO, Nicolás Ortega. El plan nacional de obras hidráulicas. In Antônio Gil Olcina & Alfredo Morales Gil (Coord.). Hitos Históricos de obras de los regadíos españoles. Madrid: Ministério da Agricultura, Alimentación y Medio Ambiente, p.335-364, 1992.

CARDOSO, Vicente Licínio. À margem da história do Brasil. Livro pósthumo. Brasiliana, Vol. 13, São Paulo, Rio De Janeiro, Recife, Porto Alegre: Companhia Editora Nacional, 1938. Disponível em https://bdor.sibi.ufrj.br/bitstream/doc/91/1/13%20PDF%20-%20OCR%20-RED.pdf. Acesso em: 5 de junho de 2019.

CASTRO, César Nunes de. Transposição do rio São Francisco: Análise de oportunidade do projeto, Texto para Discussão, Nº. 1577, Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2011.

DUQUE, José Guimarães. Perspectivas Nordestinas. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2004, 2a ed.

ESCOBEDO, Melissa A.; ANDRADE, Liza M. S. de. Técnicas Hidráulicas Incas: estudo de soluções para amenizar as consequências das mudanças climáticas no Peru. Anais do Encontro Latinoamericano de Edificações e Comunidades sustentáveis. ELECS, Curitiba. 2013. Disponível em: http://www.elecs2013.ufpr.br/Anais/comunidades/77-158-1-RV.pdf. Acesso em: 26 de junho de 2018.

FERREIRA, Ângela Lúcia; DANTAS, George Alexandre Ferreira; SIMONINI, Yuri. Contra as secas. Técnica, Natureza e Território. Rio de Janeiro: Letra Capital: INCT/Observatório das Metrópoles, 2018.

FERREIRA, José Gomes. Desafios para uma nova cultura da água. In Ferrão, João et al. (Coord.). Reflexões sobre Ambiente, Território e Sociedade. Três Anos do Blogue ATS. Lisboa: OBSERVA - Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, 2019, p.196-199.

FRENCH, Adam. ¿ Una nueva cultura de agua?: inercia institucional y gestión tecnocrática de los recursos hídricos en el Perú. Anthropologica, v. 34, n. 37, p. 61-86, 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.pe/pdf/anthro/v34n37/a04v34n37.pdf. Acesso em:12 de junho de 2019.

GARCIA, Lorelei; WANDERLEY, Mayara Meira. Das águas encantadas às águas da ilusão. O caso da Transposição do Rio São Francisco. Curitiba: Brazil Publishing, 2018.

GIL, Fermín Villarroya. Los conflictos sobre el trasvase del Ebro y del Tajo. M+ A. Revista Electrónica de Medioambiente, n. 2, p. 56-72, 2016. Disponível em: https://www.ucm.es/data/cont/media/www/pag-41377/2006%202%20villarroya.pdf. Acesso em: 15 de junho de 2018.

GUIMARÃES JUNIOR, João Abner. O destino dos canais da transposição do rio são Francisco. EcoDebate. 06/04/2010. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2010/04/06/o-destino-dos-canais-da-transposicao-do-rio-sao-francisco-artigo-de-joao-abner-guimaraes-jr/. Acesso em: 12 de junho de 2019.

GUIMARÃES JUNIOR, João Abner. Reforma hídrica do Nordeste como alternativa à transposição do rio São Francisco. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, Nº 227, pág. 80-88, 2016. Disponível em: https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/download/135/115. Acesso em: 23 de março de 2018.

HALFELD, Henrique Guilherme Fernando. Atlas e relatorio concernente a exploração do Rio de S. Francisco desde a Cachoeira da Pirapora até ao Oceano Atlantico. Rio de Janeiro: Typ. Moderna de Georges Bertrand, 1860. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/185636. Acesso em: 2 de maio de 2019.

HANAK, Ellen; LUND, Jay; DINAR, Ariel; GRAY, Brian.; HOWITT, Richard, MOUNT, Je¬ffrey; MOYLE, Peter; THOMPSON, Barton “Buzz”. Managing California's Water: From Conflict to Reconciliation. San Francisco: Public Policy Institute of California, 2011. Disponível em: https://www.ppic.org/content/pubs/report/R_211EHR.pdf. Acesso em: 2 de maio de 2019.

KHAN, Ahmad Saeed; CRUZ, José Alfredo Nicodemos da; SILVA, Lucia Maria Ramos; LIMA, Patrícia Verônica Pinheiro Sales. Efeito da seca sobre a produção, a renda e o emprego agrícola na microrregião geográfica de Brejo Santo e no estado do Ceará. Revista Econômica do Nordeste, vol. 36, n. 2, p. 242-262, 2005.

LÁZARO, Ruth Pérez. La Nueva Cultura del Agua, el camino hacia una gestión sostenible. Causas e impactos de la crisis global del agua. Cuadernos de Trabajo Hegoa, n. 68, 2016. Disponível em: http://www.ehu.eus/ojs/index.php/hegoa/article/viewFile/15672/13586. Acesso em: 12 de junho de 2019.

MALVEZZI, Roberto. Semi-árido - uma visão holística. Brasília: Confea. Pensar Brasil, 2007. Disponível em https://robertomalvezzi.com.br/wp-content/uploads/2016/06/phpCDo4mz.pdf. Acesso em: 12 de junho de 2019.

RIBEIRO, Manoel Bomfim. Transposição. Uma análise cartesiana. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, n. 228, p. 67-73, 2016.

SALCEDO, Rosio Fernandez Baca; OLIVEIRA, Lívia de. O centro histórico de Cusco-Peru no passado. Anais do Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, vol. 4, n. 2, p. 306-314, 2012.

SANTANA FILHO, João Reis. Projeto São Francisco: garantia hídrica como elemento dinamizador do semi-árido nordestino. Inclusão Social, n. 2, 2008. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1598. Acesso em: 14 de agosto de 2018.

SCHMIDT, Luísa; PRISTA, Pedro. Água, o líquido social. CCDR-Centro. À beira da água. Coimbra: Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, p. 6-39, 2010.

SILVA, Paula Vivian Oliveira da; FERREIRA, José Gomes. Transposição das águas do rio São Francisco: cobertura midiática nos jornais Diário do Sertão e Tribuna do Norte. Anais CONADIS. I Congresso Nacional da Diversidade do Semiárido. Campina Grande: Realize Eventos & Editora. V. 1, 2018. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/conadis/trabalhos/TRABALHO_EV116_MD1_SA22_ID84_30112018151200.pdf. Acesso em: 11 de junho de 2019.

SOARES, Edmilson. Seca no Nordeste e a transposição do rio São Francisco. Revista Geografias, vol. 9, n. 2, p.75-86, 2013. Disponível em: https://igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geografias/article/viewFile/593/463. Acesso em: 22 de agosto de 2018.

SUASSUNA, João. As águas do Nordeste e o projeto de transposição do rio São Francisco. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, n. 227, p. 26-36, 2016. Disponível em: http://www.journals.ufrpe.br/index.php/apca/article/download/71/67. Acesso em: 21 de maio de 2018.

VIDAL, Laurent. O São Francisco, um rio de muitas esperas. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie/Revista franco-brasilera de geografia, n. 23, 2015. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/10100. Acesso em: 6 de junho de 2019.

WANG, Mark; LI, Chen. An institutional analysis of China’s South-to-North water diversion. Thesis Eleven, v. 150, n. 1, 2019, p. 68-80. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0725513618822419. Acesso em: 2 de maio de 2019.

WEBER, Max. A gênese do capitalismo moderno. São Paulo: Editora Ática, 2006.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Fundamentos da sociologia compreensiva, vol. 2. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2021-04-26

Como Citar

FERREIRA, J. G. A transposição das águas do rio São Francisco na resposta à seca do Nordeste brasileiro. Cronologia da transformação da ideia em obra. Campos Neutrais - Revista Latino-Americana de Relações Internacionais, Rio Grande, RS, v. 1, n. 2, p. 53–72, 2021. DOI: 10.14295/cn.v1i2.9085. Disponível em: https://periodicos.furg.br/cn/article/view/9085. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático