Estudos de caso sobre formação de agenda no Brasil

Autores

  • Damasio Duval Rodrigues Neto Universidade Federal de Pelotas
  • Márcio Barcelos Universidade Federal de Pelotas - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Administração e Turismo
  • Rodrigo Serpa Pinto Universidade Federal de Pelotas - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Administração e Turismo

DOI:

https://doi.org/10.14295/cn.v1i3.8854

Palavras-chave:

Formação de agenda, Políticas Públicas, Formulação de políticas

Resumo

Este é um artigo teórico, de cunho exploratório, no qual apresenta-se revisões das principais teorias da literatura sobre formação de agenda e de estudos que as aplicam em casos concretos no Brasil. O objetivo é realizar uma aproximação da literatura sobre formação de agenda com o ambiente da formulação de políticas públicas no país. Busca-se promover mais conhecimento sobre a utilização dos modelos revisados no contexto brasileiro e identificar pontos de congruência, visando assim suprir a lacuna referente à utilização destes modelos no contexto brasileiro. Conclui-se que conceitos das abordagens em questão, como imagem de política, janela de oportunidade e empreendedor de políticas podem ser utilizados para analisar a formulação de políticas no Brasil. A principal limitação deste artigo é a base de dados limitada, pelo qual não se pretende apresentar resultados taxativos. Novos estudos poderão trazer contribuições ao revisar outros casos e outras teorias sobre formação de agenda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damasio Duval Rodrigues Neto, Universidade Federal de Pelotas

Graduação em Direito pela Universidade Católica de Pelotas. Mestrado em Administração Pública pela Universidade Federal de Pelotas. Assistente em Administração na Universidade Federal de Pelotas.

Márcio Barcelos, Universidade Federal de Pelotas - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Administração e Turismo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado e doutorado em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGS-UFRGS). Desde 2014 é professor do Departamento de Administração da Faculdade de Administração e Turismo da Universidade Federal de Pelotas (FAT-UFPel) e do Mestrado Profissional em Administração Pública (PROFIAP). Integra a linha de pesquisa "Sociedade, Participação e Políticas Públicas" vinculada ao PPGS-UFRGS e o Núcleo de Estudos Marcelo Milano Falcão Vieira (NEMaVi), que congrega pesquisadores da UFPel, UFRGS e UFSC. Tem experiência em temas relacionados à Sociologia Política e Análise de Políticas Públicas, onde se destacam: relações entre Estado e sociedade, participação e políticas públicas, processos de formação de agenda, metodologias de análise de políticas públicas, o papel das ideias e do conhecimento na formulação e implementação de políticas públicas.

Rodrigo Serpa Pinto, Universidade Federal de Pelotas - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Administração e Turismo

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015); Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná (2004); Especialista em Gestão Empresarial pela Universidade Federal do Rio Grande (2001); Graduado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande (1995). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e Coordenador Local do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP). Integrante do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - BASis/INEP. Possui experiência na área de Administração, e os principais temas de interesse em pesquisa são: gestão pública, gestão universitária, ética e relações de trabalho.

Referências

BARCELOS, Márcio. Ideias, agendas e políticas públicas: Um estudo sobre a área de biocombustíveis no Brasil. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, 2015.

BAUMGARTNER, Frank; JONES, Bryan. Agendas and instability in American politics. University of Chicago Press. Chicago, 1993.

BRASIL, Felipe Gonçalves. A dinâmica das políticas de saúde e assistência social no Brasil: Incrementalismo e pontuações na atenção governamental entre 1986 e 2003. Tese (Doutorado em Ciência Política), Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos, 2017.

CAPELLA, Ana Cláudia. Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, n. 61, p. 25-52, 1º semestre, 2006.

COHEN, Michael D.; MARCH, James G.; OLSEN, Johan P.. A garbage can model of organizational choice. Administrative Science Quarterly, Ithaca, NY, v. 17, n. 1, p.1-25, mar. 1972.

GREEN-PEDERSEN, Christoffer; PRINCEN, Sebastiaan. Punctuated Equilibrium Theory. In: ZAHARIADIS, Nikolaos (Ed.). Handbook of public policy agenda setting. Edward Elgar Publishing, 2016. p. 69-86.

JONES, Michael D.; CAIRNEY, Paul. Kingdon's Multiple Streams Approach: What Is the Empirical Impact of this Universal Theory?. Policy Studies Journal, v. 44, n. 1, p.37-58, fev. 2016.

KINGDON, John. Agendas, alternatives and public policies. Pearson New International Edition. Pearson Educated Limited, 2014.

METTEN, Antoine et al. A introdução do complexo econômico industrial da saúde na agenda de desenvolvimento: uma análise a partir do modelo de fluxos múltiplos de Kingdon. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 49, n. 4, p. 915-936, jul./ago. 2015.

ROCHEFORT, David A.. Agenda setting, problem definition, and their contributions to a political policy analysis. In: ZAHARIADIS, Nikolaos (Ed.). Handbook of public policy agenda setting. Edward Elgar Publishing, 2016. p. 35-52.

RODRIGUES NETO, Damasio Duval. Formação de agenda em uma universidade pública: A construção da questão das ações afirmativas. Dissertação (Mestrado em Administração Pública), Universidade Federal de Pelotas - UFPel, Pelotas, 2018.

ZAHARIADIS, Nikolaos. Handbook of public policy agenda setting. Edward Elgar Publishing, 2016. 505 p.

ZAPELINI, Marcello Beckert. Montagem de agenda no Comitê Itajaí: Uma aplicação do modelo de Kingdon. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 18, n. 6, p. 795-812, nov./dez. 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-26

Como Citar

RODRIGUES NETO, D. D.; BARCELOS, M.; PINTO, R. S. Estudos de caso sobre formação de agenda no Brasil. Campos Neutrais - Revista Latino-Americana de Relações Internacionais, Rio Grande, RS, v. 1, n. 3, p. 56–69, 2021. DOI: 10.14295/cn.v1i3.8854. Disponível em: https://periodicos.furg.br/cn/article/view/8854. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos Livres