Ativismo trans e representação política

uma análise sobre as candidaturas trans na política brasileira de 2002 a 2020

Autores

  • Miguel Soares Silveira Doutorando em Direitos Humanos pela Universidade de Barcelona https://orcid.org/0000-0002-3848-806X
  • Alberto Barreto Goerch Professor do Curso de Direito do Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP https://orcid.org/0000-0002-9735-6972
  • Gabriel Eidelwein Silveira Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Piauí (PPGS-UFPI)

DOI:

https://doi.org/10.14295/rcn.v5i3.16660

Palavras-chave:

Gênero, Ativismo trans, Candidaturas trans, Cidadania

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa exploratória, bibliográfica e documental sobre o ativismo trans e as candidaturas trans na política brasileira. A primeira seção aborda o tema do ativismo trans, destacando as principais fases de sua formação e consolidação ao longo dos anos, incluindo sua relação com o movimento homossexual, sua interação com o feminismo e sua evolução como sujeito político independente. Na segunda seção, realiza-se uma análise das candidaturas trans no contexto político e social brasileiro, apresentando a evolução quantitativa dessas candidaturas no período de 2002 a 2020, utilizando dados secundários. A terceira seção oferece uma reflexão sobre as conquistas de direitos e espaços de representação no Estado para as pessoas trans e a comunidade LGBTQIAPN+. Como principais resultados, destaca-se a crescente articulação do sujeito político coletivo, evidenciada pelo aumento progressivo das candidaturas de pessoas trans na disputa política formal do estado. Essa participação visa impulsionar a agenda de direitos de cidadania desse grupo, contudo, enfrenta uma resistência significativa por parte dos setores conservadores da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTRA - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Candidaturas trans 2016. Salvador, 2016. Disponível em: Disponível em: https://antrabrasil.org/eleicoes2016/ . Acesso em: 07 ago. de 2022.

ANTRA - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Candidaturas trans 2018. Salvador, 2018. Disponível em: Disponível em: https://antrabrasil.org/candidaturas2018/ . Acesso em: 28 jul. 2022.

ANTRA - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Mapeamento de candidaturas de travestis, mulheres transexuais, homens trans e demais pessoas trans em 2020. Salvador, 2020. Disponível em: Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/11/lista-final-15nov2020-1.pdf Acesso em: 28 jul. 2022.

BATISTA, Fabiano Eloy Atílio. As “barreiras” em envelhecer e ser uma travesti. Revista Falange Miúda (ReFaMi), n.2, ed.2, 2017. Disponível em: https://www.falangemiuda.com.br/index.php/refami/article/view/161 . Acesso em 08 de agosto de 2022.

BATISTA, Fabiano Eloy Atílio; CARVALHO, Ananda de Souza Lima Vieira. (Trans)formando o (cis)tema político? Apontamentos sobre as eleições municipais do ano de 2020 sob a perspectiva dos estudos de gênero e sexualidade. Research, Society and Development, v. 11, n. 1, p.1-13, 2022. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/download/24645/21992/294422 . Acesso em: 30 jan. 2024.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Resolução n. 23.562, de 22 de março de 2018. Acrescenta e altera dispositivos da Res.-TSE 21.538, de 14 de outubro de 2003, para inclusão do nome social no cadastro e atualização do modelo de título eleitoral. Disponível em: Disponível em: https://www.tse.jus.br/legislacao/compilada/res/2018/resolucao-no-23-562-de-22-de-marco-de-2018. Acesso em: 07 agosto de 2022.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CAFÉ, Leonardo da Cunha. Mesquita; COROA, Maria Luiza Monteiro Sales. Transexualidade na escola: impactos e demandas dos corpos marcados pela subversão. Cadernos de linguagem e sociedade, n.21, 1, p.235-254, 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/32396 . Acesso em 30 jan. 2024.

CARVALHO, Mário. “Muito Prazer, Eu Existo!”: Visibilidade e reconhecimento no ativismo de pessoas trans no Brasil. (Tese de Doutorado). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO, Mario Felipe de Lima; CARRARA, Sérgio. Ciberativismo trans: considerações sobre uma nova geração militante. Contemporânea, São Carlos, v. 13, n. 2, p. p.382-400, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/13865 . Acesso em 30 jan. 2024.

CRENSHAW, Kimberlé W. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Estudos Feministas, ano 10, n.1, 2002, pp.171-188.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.

GOMES FILHO, Theodoro Antunes. O processo de escolarização das travestis e das mulheres trans no Brasil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, n.10, 21, p.111-118, 2020. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/mulheres-trans . Acesso em 30 jan. 2024.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2009.

LUI, Lizandro. A HIV/AIDS na Revista Veja na década de 1980. (Monografia). Santa Maria: UFSM, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/27451/TCC%20Lizandro%20Lui.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 30 jan. 2024.

MACHADO, Maria. Pentecostais, sexualidade e família no Congresso Nacional. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 23, n. 47, p. 351-380, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-71832017000100012. Acesso em 30 jan. 2024.

MEDEIROS, Bárbara Novaes; CASTRO, Gustavo Henrique Carvalho de; SIQUEIRA, Marcus Vinicius Soares Siqueira. Ativismo trans e reconhecimento: por uma “transcis-rexistência” na política brasileira. Revista Brasileira de Ciência Política. n.27, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/j8pTKbKVmQ6tkHBYmfCMdRr/abstract/?lang=pt. Acesso em: 30 jan. 2024.

SANTOS, Gustavo Gomes da Costa. Diversidade sexual e política eleitoral: analisando as candidaturas de travestis e transexuais no Brasil contemporâneo. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 23, p. 58-96, 2016b. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sess/a/bb84mwdz8Dc8VphrwfpHXvD/abstract/?lang=pt . Acesso em: 30 jan. 2024.

SILVEIRA, Miguel Soares. Quem são as pessoas politicamente invisíveis?: uma análise do campo político e das candidaturas trans nas eleições municipais brasileiras de 2020. (dissertação de mestrado). Pelotas: UFPEL, 2023.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Acórdão Consulta. 11551. Processo número 0604054-58.2017.6.00.0000 . Brasília-DR. Ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto. Data da decisão: 1/03/2018. Disponível em: https://apps.tre-sc.jus.br/site/fileadmin/arquivos/jurisprudencia/clipping/2018/11_18/12.pdf .Acesso em: 10 jan. 2024.

Downloads

Publicado

2024-02-08

Como Citar

SILVEIRA, Miguel Soares; GOERCH, Alberto Barreto; SILVEIRA, Gabriel Eidelwein. Ativismo trans e representação política : uma análise sobre as candidaturas trans na política brasileira de 2002 a 2020 . Campos Neutrais - Revista Latino-Americana de Relações Internacionais, Rio Grande, RS, v. 5, n. 3, p. 40–55, 2024. DOI: 10.14295/rcn.v5i3.16660. Disponível em: https://periodicos.furg.br/cn/article/view/16660. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Livres

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.