Contaminação no realismo maravilhoso: o traço testemunhal e o espectro em/de Pedro Páramo como rastro para a nueva narrativa hispanoamericana

Thiago Roney Lira Borges

Resumo


A partir da radicalidade do pensamento da desconstrução, o presente estudo propõe como hipótese a contaminação e a disseminação dos rastros de Pedro Páramo, de Juan Rulfo, na estética do realismo maravilhoso, no que concerne ao traço testemunhal e ao espectro. Para tanto, procura investigar esses rastros no romance rulfiano para, em seguida, perceber a força de sua iterabilidade em algumas obras da nueva narrativa hispanoamericana, verificando uma política da memória que rasura a economia do realismo maravilhoso, levando em consideração à perspectiva crítica hegemônica no latino-americanismo.

Palavras-chave


Pedro Páramo; Juan Rulfo; traço testemunhal; espectro; Derrida

Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, Idelber. Alegorias da derrota: a ficção pós-ditatorial e o trabalho do luto na América Latina. Trad. Saulo Gouveia. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2003.

BORGES, Thiago Roney Lira. ‘Bom dia para os defuntos’ como mônada antropofágica: violência mítica, realismo maravilhoso e história na obra de Manuel Scorza. 2017. 287 fls. Dissertação (Mestrado em Letras e Artes) – UEA, Manaus-AM. Disponível em: http://www.pos.uea.edu.br/data/area/dissertacao/download/27-24.pdf. Acesso em: 5 de jul. 2017.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance hispano-americano. São Paulo: Perspectiva, 2012.

DELAMUTA, Karen G.; ENGEL, Priscila; ADOUE, Silvia B. Cem anos de solidão e o massacre de Aracataca. Revista REA, n. 74, 2007. Disponível em: https://espacoacademico.wordpress.com/2014/05/11/cem-anos-de-solidao-e-omassacre-de-aracataca/. Acesso em: 5 de jul. de 2017.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: o Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Trad. Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

______. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2014.

______. Força de lei: o fundamento místico da autoridade. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Gramatologia. Trad. Miriam Schnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva; EDUSP, 1973.

______. Limited inc. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1991.

______. Morada: Maurice Blanchot. Trad. Silvana Rodrigues Lopes. Viseu: Vendaval, 2004.

______. Posições: Jacques Derrida. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. São Paulo: Autêntica, 2001.

ESCALANTE, Evodio. Texto histórico y texto social en la obra de Rulfo. In: RULFO, Juan. Toda la obra. Edición crítica. Coord. Claude Fell. Madrid; París; México; Buenos Aires; São Paulo; Río de Janeiro; Lima: ALLCA XX, 1996. p. 663-683.

FUENTES, Carlos. La nueva novela hispanoamericana. México: Cuadernos de Joaquín Mortiz, 1980.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Breves nostalgias sobre Juan Rulfo. In: RULFO, Juan. Toda la obra. Edición crítica. Coord. Claude Fell. Madrid; París; México; Buenos Aires; São Paulo; Río de Janeiro; Lima: ALLCA XX, 1996. p. 177-307.

MOREIRAS, Alberto. A exaustão da diferença: a política dos estudos culturais latino-americanos. Trad. Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2001.

PINTO NETO, Moysés. A estranha instituição da literatura no multiverso dos espectros. Revista ALEA, Rio de Janeiro, vol. 17/1, p. 114-126, 2015.

RUFFINELLI, Jorge. En colección de prólogos. In: RULFO, Juan. Obra completa de Juan Rulfo. Caracas: Biblioteca Ayacucho, 2009. p. 9-46.

RULFO, Juan. Pedro Páramo. In:____. Toda la obra. Edición crítica. Coord. Claude Fell. Madrid; París; México; Buenos Aires; São Paulo; Río de Janeiro; Lima: ALLCA XX, 1996. p. 177-307.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários