A escrita do poema como gesto de perdão: incursão entre Derrida e Celan

Renata Guadagnin

Resumo


Esse pequeno ensaio representa uma pesquisa a contrapelo dentre as temáticas que circunscrevem nossa pesquisa de doutorado acerca da Alteridade e do Não-idêntico em Lévinas e Adorno. Por isso, a passos iniciais e à margem, o que se pretende aqui é, de certa forma, um diálogo sobre a Obra Poética, principalmente em Celan, nos rastros de Lévinas e de Derrida, pensando a poesia como um gesto ético que provoca uma utopia (mudança de) na respiração que o poema percorre como traço da desconstrução derridiana e, talvez, como um gesto de perdão. Perdão que, para Derrida, é um pardon-demande, é ainda um gesto ético percorrido pelo poema? Perdão, tal como a poesia, desinteressado (mas convocado), que se estende: perdoar a qualquer coisa a qualquer um, todas essas formas “de quem e do que” não cessam, elas revisitam e se fazem presença na linguagem do perdão. Pardon. Merci.

Palavras-chave


Celan; Derrida; perdão; poema

Texto completo:

PDF

Referências


BARRENTO, João. O mistério do Encontro. In: CELAN, Paul. Arte poética: O meridiano e outros textos. Trad. João Barrento e Vanessa Milheiro. Lisboa: Cotovia, 1996.

______. O pêndulo. In: BACHMANN, Ingeborg. O tempo aprazado. Edição bilíngue. Seleção, tradução e introdução de João Barrento e Judite Berkemeier. Porto: Assírio & Alvim, 1993.

CELAN, Paul. Obras completas. Trad. José Luis Reina Palazón. Madrid: Trotta, 2002.

______. Le méridien & autres proses. Édition bilingue. Traduit de l’allemand et annoté par Jean Launay. France: Seuil, 2000. Dossier iconographique.

______. A morte é uma flor: poemas do espólio. Trad. J. Barrento. Lisboa: Cotovia, 1998.

______. Todtnauberg. In: ______. Lichtzwang. Frankfurt: Suhrkanp Taschenbuch, 1996a.

______. Arte poética: O meridiano e outros textos. Trad. J. Barrento e V. Milheiro. Lisboa: Cotovia, 1996b.

______. Sete rosas mais tarde: antologia poética. Seleção, tradução e introdução de João Barrento e Y. K. Caetano. Lisboa: Cotovia, 1993.

CANETTI, Elias. A consciência das palavras: ensaios. Trad. Márcio Suzuki e Herbert Caro. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DERRIDA, Jacques; ROUDINESCO, Elisabeth. De que amanhã...: diálogo. Trad. Antonio Carlos dos Santos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

DERRIDA, Jacques; BENNINGTON, G. Jacques Derrida. Paris: Seuil, 1991.

DERRIDA, Jacques. Pardonner: l’impardonnable et l’imprescriptible. Paris: Galilée, 2012.

______. La literatura segregada – una filiación imposible. In: ______. Dar la muerte. Trad. Cristina de Peretti y Paco Vidarte. Barcelona: Paidós Ibérica, 2000.

______. Paixões. Trad. Lóris Z. Machado. Campinas: Papirus, 1995.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

JABÈS, Edmond. Isso teve lugar / A memória da palavra: como leio Paul Celan. São Paulo: Lumme, 2016.

______. Eso sigue su curso: el libro de las márgenes I. Trad. David Villanueva. Madrid: Arena Libros, 2004.

LÉVINAS, Emmanuel. Paul Celan: de l’être à l’autre. In: ______. Noms propres. Paris: Fata Morgana, 2014.

______. Humanismo do outro homem. Trad. Pergentino S. Pivatto (Coord.). Petrópolis: Vozes, 2012.

______. Ética e infinito. Trad. João Gama. Lisboa: Edições 70, 2007.

______. Aturement qu’être ou au-delà de l’essence. Paris: Kluwer Academic, 1990. (De otro modo que ser o más allá de la esencia. Salamanca: Sígueme, 2003).

LIMA, Luiz Costa. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

ROSENZWEIG, Franz. El nuevo pensamiento. Madrid: Visor, 1989.

SOUZA, Ricardo Timm de. Escrever como ato ético. Letras de Hoje (On-line), Porto Alegre, v. 48, p. 223-226, 2013.

______. Kafka: a justiça, o veredicto e a colônia penal, um ensaio. São Paulo: Perspectiva, 2011.

______. Adorno & Kafka: paradoxos do singular. Passo Fundo: IFIBE,

______. Ainda além do medo: Filosofia e Antropologia do preconceito. Porto Alegre: Dacasa, 2002.

______. Metamorfose e extinção: sobre Kafka e a patologia do tempo. Caxias do Sul: EDUCS, 2000a. ______. Sentido e alteridade: dez ensaios sobre o pensamento de E. Lévinas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários