A literatura como uma experiência perigosa

Luciana Abreu Jardim

Resumo


Trata-se de pensar a literatura desde propostas escolhidas do pensamento de Jacques Derrida acerca da experiência literária. Busca-se, como ponto de partida, a aproximação entre literatura e testemunho, com base em Demorar: Maurice Blanchot/Jacques Derrida, de modo a desenvolver a relação entre as categorias paixão e tempo a partir do texto híbrido O instante de minha morte, de Maurice Blanchot. Ao lado dessa paixão literária derridiana, percorro o tema desde as minhas escolhas literárias, a saber, o texto experimental Água viva e o conto “Mineirinho”, de Clarice Lispector. Seguindo a dimensão ética-estética de abordagem, que inclui a experiência escrita feminina, me desloco também para aspectos que compreendem a héréthique, segundo a teoria de Julia Kristeva, cujo desdobramento localizo sobretudo no artigo “A paixão segundo a maternidade”, de O ódio e o perdão. Sob a perspectiva da temporalidade feminina, a intenção é a de ampliar o debate ao redor da literatura, abrindo o debate para repensá-la como experiência perigosa desde a experiência literária escrita por mulheres.

Palavras-chave


literatura; desconstrução; experiência; héréthique

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

DERRIDA, Jacques; BENNINGTON, Geoffrey. Circonfissão. Trad. A. Skinner. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

DERRIDA, Jacques; FATHY, Safaa. D’ailleurs Derrida (Documentário). DVD (151 min). Paris: Gloria Films/Arte, 1999.

DERRIDA, Jacques; FERRARIS, Maurizio. O gosto do segredo. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século, 2006.

DERRIDA, Jacques; ROUDINESCO, Elisabeth. De que amanhã...: diálogo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

DERRIDA, Jacques. Demorar: Maurice Blanchot/Jacques Derrida. Trad. Flavia Trocoli e Carla Rodrigues. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2015.

______. Donner la mort. Paris: Galilée, 1999.

______. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte. Ed. da UFMG, 2014.

______. États d’âme de La psychanalyse: l’impossible au-delà d’une souveraine cruauté. Paris: Galilée, 2000.

______. Força de lei: o fundamento místico da autoridade. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Gramatologia. Trad. Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

______. Paixões. Trad. Lóris Z. Machado. Campinas: Papirus, 1995.

______. Pensar em não ver. In: MICHAUD, Ginette; MASÓ, Joana; BASSAS, Javier (Org.). Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível (1979-2004). Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. p. 63-89.

______. Rastro e arquivo, imagem arte: Diálogo. In: MICHAUD, Ginette; MASÓ, Joana; BASSAS, Javier (Org.). Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível (1979-2004). Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. p. 91-144.

DESCARTES, René. As paixões da alma. Trad. Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREUD, Sigmund. Sexualidade feminina. In: ______. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. v. XXI. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1974. p. 257-282.

IRIGARAY, Luce. Éthique de la différence sexuelle. Paris: Éd. de Minuit, 1984.

KRISTEVA, Julia. Histoires d’amour. Paris: Seuil, 1983.

______. La passion selon la maternité. In: _____. La haine et le pardon: pouvoirs et limites de la psychanalyse III. Paris: Fayard, 2005. p. 175-197.

______. Freud: o fundo do debate. In: _____. Meu alfabeto: ensaios de literatura, cultura e psicanálise. Trad. Adriana Zavaglia. São Paulo: Ed. SESCSP, 2017. p. 27-35.

LISPECTOR, Clarice. A cidade sitiada. Rio de Janeiro: Sabiá, 1949.

______. Água viva. São Paulo: Círculo do Livro, 1973.

______. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

______. A virgem em todas as mulheres. In: _____. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______. Mineirinho. In: ______. Para não esquecer. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______. Observações sobre o direito de punir. In: MANZO, Teresa Monteroe Lícia (Org.). Clarice Lispector e outros

escritos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005. p. 45-49.

PEETERS, Benoît. Derrida. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

ROSENBAUM, Yudith. A ética na literatura: leitura de “Mineirinho”, de Clarice Lispector. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 69, p. 169-182, 2010.

SÁ, Olga de. A escritura de Clarice Lispector. Petrópolis: Vozes, 2000


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários