“Goles de amor” no romance Hibisco roxo

Loiva Salete Vogt

Resumo


O propósito do presente artigo é refletir sobre alguns sentidos possíveis do termo “goles de amor” e sobre a denúncia do processo de “embranquecimento” negro no romance Hibisco roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie. O aporte teórico está na leitura de textos referentes à Desconstrução de Jacques Derrida e de autores pós-coloniais como Edward Said e Frantz Fanon. A partir da investigação dos diversos significados atribuídos ao significante “amor”, observa-se que o romance investe em outros possíveis sentidos para o termo, além de enfatizar o diluição de barreiras binárias entre os significantes “negro” e “branco”, num universo em que a simbologia das cores remete a novas possibilidades híbridas.


Palavras-chave


desconstrução; pós-colonial; Hibisco roxo

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Hibisco roxo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CULLER, Jonathan. Sobre a desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Trad. P. Burrowes. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1997.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz M. N. da Silva et al. São Paulo: Perspectiva, 2009.

______. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2014.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

SAID, Edward. As representações do intelectual: as palestras de Reith de 1993. Org. Teresa Seruya. Lisboa: Colibri, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários