A deriva: da morte, da escritura, da diferença

Jerônimo Milone

Resumo


O presente artigo trata de articular a questão da escritura em Jacques Derrida a uma indagação a respeito do sentido da morte e da literatura na filosofia ocidental. Assim, o texto se foca em La voix et le phénomène e La pharmacie de Platon, a fim de suscitar de que maneira a crítica ao fonocentrismo é igualmente uma crítica à subordinação teleológica da escritura ao sentido, tratando de fornecer elementos teóricos do pensamento de Derrida para uma posterior interpretação da literatura.

Palavras-chave


escritura; alteridade; morte; teleologia

Texto completo:

PDF

Referências


BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.

BLANCHOT, Maurice. L’écriture du désastre. France: Gallimard, 1980.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Trad. Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras, 2005.

______. A voz e o fenômeno. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

______. De la grammatologie. Paris: Minuit, 1967.

______. Gramatologia. Trad. Miriam Schnaiderman; Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

______. Glas. Galilée: Paris, 1974.

NANCY, Jean-luc. L’intrus. Nouvelle édition augmentée. Paris: Galilée, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários