Deslizando para a colisão: entre distopia e realidade N’O Perfuraneve

Haniel Duarte da Silva, Luiza Andrade Luz

Resumo


O presente artigo se constrói em torno do arco “A fuga”, do quadrinho francês O Perfuraneve, a partir de algumas questões suscitadas por sua história e pela crítica da modernidade. Assim, a catástrofe ambiental que serve como gerador dos eventos narrados no quadrinho é capaz de despertar o pensar sobre esta questão. Da mesma forma ocorre com o testemunho e a memória, que tomam contorno diante de um cenário distópico.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. O que significa elaborar o passado. In: _____. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e

Terra, 1995.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

LOB, Jacques; LEGRAND, Benjamin; ROCHETTE, Jean-Marc. O Perfuraneve. São Paulo: Aleph, 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Trad. Dora Rocha Flaksman. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 3-15, 1989.

SOUZA, Ricardo Timm de. O nervo exposto: por uma crítica da ideia de razão desde a racionalidade ética. In: GAUER, Ruth Maria C. (Org.) Criminologia e sistemas jurídicos-penais contemporâneos II. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. p. 107-118.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários