Notas sobre o imaginário carcerário (feminino) brasileiro

Autores

  • Valéria da Silva Medeiros UFT/Campus de Araguaína

Resumo

No fundamental Punição e estrutura social, Rusche e Kirchheimer concluíram na década de 30 do século XX, que a prisão se legitimava socialmente, cumprindo sua função retributiva e intimidatória contra as classes populares, desde que as condições de vida na prisão fossem sempre piores do que as condições de vida dos setores mais empobrecidos da classe trabalhadora. Acredito que devemos considerar que a privação da liberdade em si mesma desempenha em última instância o papel de expiação e exclusão esperado do cárcere. No Brasil, sofrimento e vingança ainda estão, em grande parte, atrelados à prisão no imaginário social, legitimando o descaso do Estado em relação aos direitos adquiridos pelos detentos na Lei de execução Penal (1984) e todos os efeitos daí decorrentes. A situação se agravou desde a década de 90 do século passado principalmente por dois fatores: o crescimento da criminalidade urbana violenta e o crescimento vertiginoso das taxas de encarceramento a partir da adoção da política de tolerância zero importada dos EUA, agravando o caráter seletivo e discriminatório do sistema penal enquanto a morosidade do judiciário e a pouca eficiência das investigações policiais ficam fora desta equação perversa. A situação torna-se ainda mais cruel quando da população estimada em 600.000 em 2013 cerca de 35.000 são mulheres que o sistema carcerário brasileiro trata exatamente como trata os homens, apesar da mesma Lei de 1984 garantir-lhes atendimento de acordo com suas necessidades específicas. Este é o cenário que pretendo mapear neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988. ______. Lei de Execução Penal. Lei nº 7210, de 11 de julho de 1984. Brasília: Imprensa Oficial, 1984.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. A história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. Educação e trabalho como propostas políticas de execução penal. Alfabetização e Cidadania – Revista de Educação de Jovens e Adultos. Brasília: RAAAB/UNESCO/Governo Japonês, 2006. p. 73-84.

MAEYER, Marc de. Na prisão existe a perspectiva de ensino ao longo da vida? Alfabetização e Cidadania – Revista de Educação de Jovens e Adultos. Brasília: RAAAB/UNESCO/Governo Japonês, 2006. p. 17-37.

QUEIROZ, Nana. Presos que menstruam. Rio de Janeiro: Record, 2015.

RANGEL, Hugo. Estratégias sociais e educação prisional na Europa: visão de conjunto e reflexões. Revista Brasileira de Educação. v. 12, n. 34, p. 81-93, jan./abr. 2007.

VARELLA, Drauzio. Carcereiros. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

2019-07-15

Como Citar

Medeiros, V. da S. (2019). Notas sobre o imaginário carcerário (feminino) brasileiro. Cadernos Literários, 24(1), 123–130. Recuperado de https://periodicos.furg.br/cadliter/article/view/9226

Edição

Seção

Dossiê I Seminário Internacional Literatura, Cultura e Imaginário e do I Sem. Int. Vozes Femininas e Escritas do Eu