A literatura pós-colonial moçambicana: "Ninguém matou Suhura", de Lília Momplé

Anselmo Peres Alós, Bárbara Loureiro Andreta, Mônica Saldanha Dalcol

Resumo


O conto “Ninguém matou Suhura” é ambientado na Ilha de Moçambique e se passa em novembro de 1970. Esse conto trata do estupro e assassinato de Suhura pelo Senhor Administrador, um português que acumulava as funções de Administrador de Distrito e Presidente da Câmara. O conto denuncia a violência praticada pelos portugueses em suas colônias africanas e a relação que estabeleciam com os negros africanos. Simone Weil (2001) olha de frente para o imenso problema do colonialismo e não poupa palavras certeiras e duras para denunciar a cruel violência que por trás dele se esconde, atribuindo, como consequências desse, o despovoamento dos campos, que redunda na morte social, assim como o massacre de povos e a diminuição dos mesmos em continentes como a África e a submissão desses povos à escravidão.


Texto completo:

PDF

Referências


ALÓS, Anselmo Peres. A ficcionalização da história moçambicana nos contos de Lília Momplé. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 1.005-1.008, set./dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104026X2011000300018&script=sci_arttext. Acesso em: 29 jun. 2013.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. p. 122-155.

GORDON, Lewis. Prefácio. In: FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008. p. 11-17.

MARX, Karl. A ideologia alemã. 1º capítulo seguido das teses sobre Feuerbach. São Paulo: Moraes, 1984.

MOMPLÉ, Lília. Ninguém matou Suhura. Maputo: Edição da Autora, 2007.

RADCLIFFE-BROWN, A. R. O irmão da mãe na África do Sul. In: RADCLIFFE-BROWN, A. R. Estrutura e função na sociedade primitiva. Petrópolis: Vozes, 1973. p. 27-45.

WEIL, Simone. O enraizamento. Bauru: EDUSC, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos Literários