O foco narrativo e a fé como elementos fantásticos em Jorge Luis Borges

Autores

  • Aline Coelho da Silva UFPel

Resumo

Se pensamos a metafísica como ramo da literatura fantástica, não nos distanciamos em apontar a fé como um elemento fantástico na obra de Borges. “Milagre secreto”, um dos contos do célebre Artifícios, publicado em 1944, é um desses exemplos, que dialogam com a tese de Ruth Fine, ao observar o lúcido tratamento borgeano do paradigma da fé como fenômeno histórico-cultural universal. O paradoxo do ceticismo de Jaromir Hladík, que pede um milagre e o recebe, abre espaço a um universo fantástico no qual se reconhece a existência de Deus. Nesse sentido, apoiados nos ensaios de Borges, Fine e nos princípios de Maimônides, buscaremos apresentar uma leitura da transição entre os dois universos narrativos (o real/histórico com a invasão nazista em Praga e o fantástico com a concessão do milagre) que são apresentados pelo narrador sob o mesmo foco narrativo, deixando ao protagonista a aceitação do divino e ao leitor o questionamento do inefável exercício de tradução da fé.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Coelho da Silva, UFPel

É professora associada do Centro de Letras e Comunicação da UFPel, onde atua no ensino de graduação e pós-graduação; desenvolve pesquisa, ensino e extensão na área das literaturas em língua espanhola; desde abril de 2017 é Chefe da Câmara de Extensão do Centro de Letras e comunicação; é doutora em Letras/ Estudos da Literatura (2007) pela UFRGS (Área de Concentração: Literatura Comparada), Mestre em Linguística e Letras (Área de Concentração: Teoria da Literatura) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002) e Graduada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999).

Referências

BORGES, Jorge Luis. Ficciones. 6.ed. Barcelona: Debolsillo, 2014.

______. Borges oral & sete noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. Obras completas, 1923-1972. Buenos Aires: Emecé, 1974.

______. Ficções. Porto Alegre: Globo, 1970.

______. Cuando la ficción vive en la ficción. El Hogar, Buenos Aires, n. 35, p. 6, jun. 1939.

______. Revista Megáfono, Buenos Aires, n. 12, p. 60, abr. 1934.

CASTELLÕES DE OLIVEIRA, Maria Clara. A tradição interpretativa de rabinos e cabalistas, a crítica literária e a tradução. Ipotesi: Revista de Estudos Literários, Juiz de Fora, v. 6, p. 117-130, 2002.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. São Paulo: José Olympio, 2003.

FINE, Ruth. La fe en Borges. Palestra proferida no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFRGS, Porto Alegre, maio 2015.

MAIMÔNIDES. Guía de los descarriados: tratado del conocimiento de Dios. Cidade do México: Orión, 1947. Disponível em: http://www.shalomhaverim.org/Estudios/Guia+de+Los+Descarriados.pdf. Acesso em: 25 set. 2015.

MONEGAL, Emir Rodriguez. Borges por Borges. Porto Alegre: L&PM, 1987.

NASCIMENTO, Lesley. Borges e outros rabinos. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2013.

PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SOSNOWSKI, Saúl. Borges e a Cabala: a busca do verbo. São Paulo: Perspectiva, 1991.

TODOROV, Tzvetan. Introducción a la literatura fantástica. Buenos Aires: Paidós, 2006.

Downloads

Publicado

2019-07-15

Como Citar

Silva, A. C. da. (2019). O foco narrativo e a fé como elementos fantásticos em Jorge Luis Borges. Cadernos Literários, 24(1), 11–18. Recuperado de https://periodicos.furg.br/cadliter/article/view/9043

Edição

Seção

Dossiê I Seminário Internacional Literatura, Cultura e Imaginário e do I Sem. Int. Vozes Femininas e Escritas do Eu