A forma narrativa de Saramago: análise da "História do cerco de Lisboa"

Luís Augusto Fischer

Resumo


O ensaio procura analisar a forma narrativa do romance História do cerco de Lisboa, de José Saramago, em sua estrutura íntima e em sua eventual significação ampla. O ponto de partida é um minucioso detalhamento da sintaxe do romance, tendo em vista um diagnóstico tanto da consciência do narrador, tal como expressa no texto, quanto da convocação ao leitor, tal como operada pela narrativa, num movimento que parece ser renovador das potencialidades do romance como forma literária.


Palavras-chave


José Saramago; História do cerco de Lisboa; Forma narrativa; Romance contemporâneo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail, Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e

política (Obras escolhidas, I). Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

COLERIDGE, Samuel T. Coleridge: selected poetry & prose. Edited by Stephen Potter. London: The Nonesuch Press;

New York: Random House, Inc., 1933.

______. Poemas e excertos da ‘Biografia literária’. Trad. Paulo Vizioli. São Paulo: Nova Alexandria, 1995.

SARAMAGO, José. História do cerco de Lisboa. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SARRAUTE, Nathalie. L’ère du soupçon. Paris: Gallimard, 1964.

SWINGEWOOD, Alan. Novela y revolución. Trad. espanhol Audón Coria Méndez e Juan José Utrilla. México: Fondo

de Cultura Económica, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Cadernos Literários



PROPESQ    PROPESQ PROPESQ

PROPESQ PROPESQ