A desconstrução da linguagem roseana em Ave, palavra

Elvira Livonete Costa, José Elias Pinheiro

Resumo


A variedade formal e temática dos textos reunidos em Ave, palavra manifesta a força criativa da experiência literária de Guimarães Rosa. Em sua tessitura o autor elabora contornos voltados para as possibilidades várias abstraídas da rebeldia que mana de sua escrita, impulsionando os fluxos poéticos para longe de qualquer enrijecimento oriundo de preceitos e regras avessas à liberdade imprescindível ao fenômeno da criação artística, haja vista que a poesia contemporânea estabelecida em Ave, palavra evoca um equilíbrio expressivo forjado no deserto longínquo do pensamento e sustentado por um movimento de desconstrução que repele o arquétipo composicional compactado pelo tempo. Esse trabalho propõe uma investigação acerca dos diálogos possíveis entre a revolucionária ação poética de Guimarães Rosa em Ave, palavra e as concepções artísticas dos movimentos de vanguarda europeia.

Palavras-chave


Guimarães Rosa; Ave, palavra; desconstrução

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade: o pintor da vida moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 5. São Paulo: Ed. 34, 2008.

DERRIDA, Jacques. A diferença. In: ______. Margens da filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa e António M.

Magalhães. Campinas: Papirus, 1991.

FOUCAULT, Michel. Prefácio à transgressão. In: ______. Ditos e escritos III. Estética: literatura e pintura, música e

cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 28-46.

______. A linguagem ao infinito. In: ______. Ditos e escritos III. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 47-59.

______. Linguagem e literatura. In: MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge

Zahar, 2000. p. 137-174.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna: metade do século XIX a metade do século XX. Trad. Marisa M.

Curioni (texto) e Dora F. da Silva (poesias). São Paulo: Duas Cidades, 1978.

JENNY, Laurent. A estratégia da forma. Intertextualidades (trad. da revista Poétique), Lisboa, Almedina, n. 27, 1979.

NASCIMENTO, Evandro. Derrida e a literatura: notas de literatura e filosofia nos textos de desconstrução. Niterói:

EDUFF, 1999.

RICHTER, Hans. Dadá: arte e antiarte. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ROSA, João Guimarães. Ave, palavra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

______. Magma. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

______. Grande sertão: veredas. São Paulo: Nova Aguilar, 1994.

______. Sagarana. Rio de Janeiro: José Olympio, 1946.

______. Tutaméia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

______. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.

______. Manuelzão e Miguilim: corpo de baile. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

ROSENFELD, Anatol. Texto e contexto I: reflexões sobre o romance moderno. São Paulo: Perspectiva, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Cadernos Literários