As ruínas da memória em torno d’os anéis de Saturno, de W. G. Sebald

André Winter Noble

Resumo


Este texto busca uma dicção ensaística alicerçada na leitura crítica do livro Os anéis de Saturno, de W. G. Sebald. Livro este que se vale de fragmentos discursivos oriundos dos mais diversos meios e contextos para a edificação da narrativa, história contada por uma espécie de alter ego do próprio autor que, a partir do leito hospitalar, narra suas andanças por diferentes regiões da Europa. Para dizer dessa narrativa, bem como do próprio ato de narrar, recorremos à obra de Walter Benjamin, marcadamente quando o teórico se refere ao “anjo da história”, bem como aos conceitos de “Erlebnis” e “Erfahrung”, além da própria questão da “ruína”, cara ao pensador e fundamental para propormos uma leitura d’Os anéis de Saturno de Sebald.

Palavras-chave


memória; narração; ruína; resto

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo:

Brasiliense, 2012.

______. Obras escolhidas II: rua de mão única. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa.

São Paulo: Brasiliense, 2012.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2009.

______. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 2005.

SEBALD, Winfried Georg. Os anéis de Saturno. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das

Letras, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Cadernos Literários