A preservação digital na gestão do tribunal de justiça do estado do Pará: um estudo de caso

Emerson Sousa Pereira, Maria Raimunda Sousa Sampaio

Resumo


A representatividade do volume informacional digital produzida e custodiada no Tribunal de Justiça do Estado do Pará tem sua relevância nas necessidades de torna mais acessível os documentos adotados na gestão das atividades do TJPA. A pesquisa visa evidenciar os procedimentos de guarda e preservação dos documentos digitais na Gestão do TJPA, identificar os formatos e volume diário da massa informacional produzida pelos sistemas PJE e SIGADOC, bem como, verificar a existência de política de preservação digital; os formatos adotados para os objetos digitais; os atores informacionais e descrever as práticas de preservação adotadas por este órgão do Poder Judiciário. Este estudo se baseia em pesquisa bibliográfica, em bases de dados, artigos científicos, livros e dissertações, disponíveis em bibliotecas físicas e em meio eletrônico. A pesquisa é um estudo de caso com o enfoque qualitativo, descritivo, com a utilização de questionário como instrumento de pesquisa, aplicado a três servidores, da Secretaria de Informática, caracterizando a amostra. Posteriormente, após análise dos dados, constataram-se algumas carências, tais como, embora a política de preservação seja mencionada não é explicita ou divulgada; somente uma estratégia de preservação é adotada; não há o envolvimento dos atores informacionais em atividades ligadas à preservação digital; não há a participação em rede colaborativa de preservação, entre outras. Porém, um aspecto tecnológico que deve ser mencionado é o fato da utilização de SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de dados) e o Data Center institucional, para a guarda dos documentos digitais.

 


Palavras-chave


Preservação digital; Documento digital; Objeto digital; Estratégias de preservação digital.

Texto completo:

PDF

Referências


ARELLANO, M. N. M. R. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, v. 33, n. 2, p. 15-27, 2004. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/1146. Acesso em: 26 mar. 2018.

ARQUIVO NACIONAL. Glossário de documentos arquivísticos digitais. 6. Versão. Rio de Janeiro: 2014.

BAGGIO, C. C.; FLORES, D. Estratégias, critérios e políticas para preservação de documentos digitais em arquivos. Ciência da Informação (Online), v. 41, p. 58-71, 2012. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/viewFile/1336/1515. Acesso em: 29 set. 2017.

BOERES, S. A. A.; ARELLANO, M. A. M. Políticas e estratégias de preservação de documentos. In: ENCONTRO DE CIENCIA DA INFORMAÇÃO – CINFORM, 6, 2005, Salvador. Anais eletrônicos [...]. Salvador: UFBA, 2005. Disponível em: http://www.cinformanteriores.ufba.br/vi_anais/docs/SoniaMiguelPreservacaoDigital.pdf. Acesso em: 29 set. 2017.

BRASIL. Decreto nº 8.539, de 8 de outubro de 2015. Dispõe sobre o uso do meio eletrônico para a realização do processo administrativo no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Lex: Legislação federal e marginalia. Poder Executivo. Brasília, DF, 9 out. 2015, seção 1, p. 2.

BRASIL. Lei nº 12.527 de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 nov. 2011a.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (Brasil) (CNJ). Resolução nº 185, de 18 de dezembro de 2013. Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico - PJe como sistema de processamento de informações e prática de atos processuais e estabelece os parâmetros para sua implementação e funcionamento. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2492. Acesso em: 29 set. 2017.

CUNHA, Murilo Bastos; CAVALCANTI, Cordélia. Dicionário especializado de biblioteconomia e arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.

FERREIRA, Miguel. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e actuais consensos. In: Guimarães, Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/5820. Acesso em: 10 nov. 2017.

FREIRE, Isa Maria; UNGER, Roberto José Gervásio. Regimes de Informação na Sociedade da Informação: uma contribuição para a Gestão da Informação. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 2, n. 2, p. 87 114, jan./jun. 2008. Disponível em: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/384. Acesso em: 10 nov. 2017.

GRÁCIO, J. C. A. Preservação Digital na gestão da informação: um modelo processual para as instituições de ensino superior. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

INNARELLI, H. C. Preservação digital e seus dez mandamentos. In:_____ Arquivística: Temas Contemporâneos. 3 ed. Distrito Federal: Senac, 2009. p. 21-75.

JUNQUEIRA, Gabriel Luiz Herscovici. Arbitragem brasileira na era da informática: um estudo das principais questões processuais. 2014. Dissertação (Mestrado em Direito Processual) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2137/tde-11022015-144147/pt-br.php. Acesso em: 09 out. 2017.

ROCHA, Vânia Melo da. Benefícios e desafios da preservação digital: uma análise para a gestão de um repositório confiável. 2016. 82f. Dissertação - (Programa de Pós-Graduação em Biblioteconomia) – Mestrado Profissional em Biblioteconomia. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.unirio.br/ppgb/arquivo/vania-melo-da-rocha. Acesso em: 25 set. 2017.

MARCACINI, Augusto Tavares Rosa. Direito e Informática: uma abordagem jurídica sobre a criptografia. Editora Forense, Rio de Janeiro, 2002.

MÁRDERO ARELLANO, Miguel A. Critérios para a preservação digital da informação científica. 2008. 356 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Departamento de Ciência da Informação e Documentação, Brasília, 2008. Disponível em: repositorio.unb.br/bitstream/10482/1518/1/2008_MiguelAngelMarderoArellano.pdf. Acesso em: 18 dez. 2017.

MÁRDERO ARELLANO, Miguel A. Cariniana: uma rede nacional de preservação digital. Ciência da Informação, v. 41, n. 1, 2012. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/21617. Acesso em: 18 dez. 2017.

MOREIRA, Leonardo Neves. Uma visão arquivística do sistema de Processo Judicial Eletrônico do Conselho Nacional de Justiça. Cadernos de Informação Jurídica, Brasília, v. 2, n. 2, p. 37-69, jul./dez. 2015. Disponível em: http://www.cajur.com.br. Acesso em: 09 out. 2017.

PARÁ. Tribunal de Justiça. Portaria Conjunta nº 001/2018- GP/VP. Dispõe sobre a tramitação do processo judicial eletrônico, no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Pará. Diário da Justiça, Belém, n.6434, p.7-27. 29 maio 2018. Disponível em: https://dje.tjpa.jus.br/ClientDJEletronico/app/home.html. Acesso em: 10 jun. 2018.

PARÁ. Tribunal de Justiça. Portaria nº 2766/2014-GP. Disciplina a utilização do Sistema Integrado de Gestão Administrativa - SigaDOC, destinado a produção, registro, comunicação, tramitação, de documentos, expedientes e processos administrativos em meio digital. Diário da Justiça, Belém, n.5569, p. 8-33. 21 ago. 2014. Disponível em: https://dje.tjpa.jus.br/ClientDJEletronico/app/home.html. Acesso em: 18 maio 2017.

RONDINELLI, Rosely Curi. O Conceito de documento arquivístico frente à realidade digital: uma revisitação necessária. 2011. 270 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Instituto de Arte e Comunicação Social, Instituto Brasileiro em Ciência e Tecnologia, Niterói, 2011. Disponível em: http://www.siarq.unicamp.br/siarq/images/siarq/publicacoes/preservacao_digital/tese_rondinelli.pdf. Acesso em: 09 out. 2017.

SILVA JUNIOR, Laerte Pereira da; MOTA, Valéria Gameleira da. Políticas de preservação digital no Brasil: características e implementações. Ciência da Informação, Brasília, v. 41, n. 1, p.51-64, jan./jun. 2012. Semestral. Disponível em: http://revista.ibict.br/cienciadainformacao/index.php/ciinf/article/view/2123. Acesso em: 09 out. 2017.

UNESCO. Vancouver declaration: the memory of the world in the digital age: digitization and preservation.Disponivel em: http://www.unesco.org/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/CI/CI/pdf/mow/unesco_ubc_vancouver_declaration_en.pdf. Acesso em: 09 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/biblos.v33i1.9440

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 BIBLOS



PROPESQ PROPESQ  PROPESQ  PROPESQ PROPESQ  PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ 

Flag Counter