Discussões em torno dos arquivos pessoais face a teoria arquivística

Autores

  • Renato de Mattos Departamento de Ciência da Informação (GCI) Instituto de Artes e Comunicação Social (IACS) Universidade Federal Fluminense (UFF) https://orcid.org/0000-0001-7993-8672
  • Adriana Arrojado Correia Pereira Programa de Pòs-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) Universidade Federal Fluminense (UFF) https://orcid.org/0000-0002-5658-5699

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v33i2.8826

Palavras-chave:

Arquivologia, Arquivos Pessoais, Teoria Arquivística

Resumo

Nas últimas décadas, os arquivos pessoais vêm assumindo um lugar de destaque no âmbito dos estudos arquivísticos. Com efeito, o crescente interesse que a temática desperta se fundamenta em suas especificidades teóricas e na potencialidade informacional que os seus acervos oferecem aos estudiosos de diversas áreas. Contudo, apesar de ocupar um importante espaço na Arquivologia, o tema dos arquivos pessoais ainda é objeto de controvérsias entre os pesquisadores da área. Com o objetivo de identificar parte das questões que os arquivos dessa natureza colocam à teoria arquivística, por meio da revisão da literatura, o artigo apresenta alguns dos olhares divergentes que hoje persistem sobre o estatuto arquivítico dos arquivos pessoais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato de Mattos, Departamento de Ciência da Informação (GCI) Instituto de Artes e Comunicação Social (IACS) Universidade Federal Fluminense (UFF)

Bacharel (2006) e Licenciado (2007) em História pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre (2009) e Doutor (2015) em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), ambos com bolsa da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Professor Adjunto II do Departamento de Ciência da Informação do Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (IACS/UFF). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense (PPGCI/UFF). Atualmente é vice-coordenador do curso de graduação em Arquivologia e do curso de Especialização em Organização, Planejamento e Direção de Arquivos (ESPPARQ) da mesma universidade e coordenador do Programa de Monitoria do Departamento de Ciência da Informação (GCI). Tem experiência na área de Arquivologia, com ênfase nos seguintes temas: Arquivos Pessoais, Arquivos Permanentes e História dos Arquivos. Atuou na organização da documentação custodiada pela Fundação Fernando Henrique Cardoso (FFHC) e pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô-SP). É também pesquisador em História do Brasil, com ênfase em história do Império luso-brasileiro, história política e administrativa do período joanino e história e historiografia de São Paulo colonial.

Adriana Arrojado Correia Pereira, Programa de Pòs-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) Universidade Federal Fluminense (UFF)

Possui graduação (bacharel e licenciado) em História pela Universidade Federal Fluminense (2013). Possui graduação (bacharel) em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense (2017). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense (PPGCI/UFF) – Niterói – RJ (Brasil).

Referências

ABREU, Jorge Phelipe Lira. Arquivos pessoais e teoria arquivística: considerações a partir da trajetória do conceito de arquivo. In: CAMPOS, José Francisco Guelfi (Org). Arquivos privados: abordagens plurais. São Paulo: Associação de arquivistas de São Paulo, 2016.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos, 21. Rio de Janeiro: FGV/CPDOC, 1998.

______. Arquivar-se: a propósito de certas práticas de autoarquivamento. In: TRAVANCAS, Isabel; ROUCHOU, Joëlle; HEYMANN, Luciana. (Orgs.). Arquivos Pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

BELLOTTO, Heloísa L. Arquivos pessoais em face da teoria arquivística tradicional: debate com Terry Cook. Revista Estudos Históricos, 21. Rio de Janeiro: FGV/CPDOC, 1998.

______. Arquivos pessoais como fonte de pesquisa. In: Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BRASIL. Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasil, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/L8159.htm>. Acesso em: 15 fev. 2019.

______. Decreto nº 4.073, de 3 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados.. . Brasil, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4073.htm>. Acesso em: 9 fev. 2019.

CALLEJA, Mireya. ¿Archivos privados o colecciones?: fuentes primarias para la investigación de la identidade. In: Congreso de Archivología del Mercosur, n. 7, 2007, Viña del Mar.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida; GOULART, Silvana. Tempo e circunstância: a abordagem contextual dos arquivos pessoais. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2007.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Arquivos Pessoais são Arquivos. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, n.2, p. 26-39, jul-dez. 2009.

______. Contribuições para uma abordagem diplomática dos arquivos pessoais. Revista Estudos Históricos, 21. Rio de Janeiro: FGV/CPDOC, 1998.

______. Sobre espécies e tipos documentais. In: ARDAILLON, Danielle (Org.). Dar nome aos documentos: da teoria à prática. São Paulo: Fundação FHC, 2013. p. 14-30.

______. Síntese dos principais temas e discussões. In: ARDAILLON, Danielle (Org.). Dar nome aos documentos: da teoria à prática. São Paulo: Fundação FHC, 2013. p. 286-294.

COOK, Terry. A ciência arquivística e o pós-modernismo: novas formulações para conceitos antigos. In: CID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 3-27, jul./dez. 2012.

DELMAS, Bruno. Arquivos para quê? São Paulo: Instituto FHC, 2010.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 49-64, jul. 1994.

HEYMANN, Luciana Quillet. Indivíduo, memória e resíduo histórico: uma reflexão sobre arquivos pessoais e o caso Filinto Muller. Revista Estudos Históricos, 21. Rio de Janeiro: FGV/CPDOC, 1997.

______. O lugar do arquivo: a construção do legado de Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: Faperj, 2012.

HOBBS, Catherine. Vislumbrando o pessoal: reconstruindo traços da vida pessoal. In: EASTWOOD, Terry; MACNEIL, Heather. (Org.). Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: UFMG, 2016, p. 47-74.

LISSOVSKY, Maurício; SÁ, Paulo Sérgio Moraes de; VIANNA, Aurélio. A vontade de guardar: lógica de acumulação em arquivos privados. Arquivo & Administração. Rio de Janeiro, 10-14 (2). 62-76, jul/dez, 1986.

LOPEZ, André Porto Ancona. Documento e história. In: MALEBRA, Jurandir. (Org.). A velha história: teoria, método e historiografia. Campinas (SP): Papirus, 1996, p.69-87.

______. Arquivos pessoais e as fronteiras da Arquivologia. Gragoatá, Niterói, n.15, p.69-82, 2003.

McKEMMISH, Sue. Provas de mim... Novas considerações. In: Arquivos Pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

OLIVEIRA, Lucia Maria Velloso de. Descrição e pesquisa: reflexões em torno dos arquivos pessoais. Rio de Janeiro: Móbile, 2012.

SANTOS, Paulo Roberto Elian dos. Arquivos de cientistas: gênese documental e procedimentos de organização. Associação de Arquivistas de São Paulo. São Paulo: ARQ-SP, 2012.

Downloads

Publicado

2019-11-01

Como Citar

Mattos, R. de, & Pereira, A. A. C. (2019). Discussões em torno dos arquivos pessoais face a teoria arquivística. BIBLOS, 33(2), 75–91. https://doi.org/10.14295/biblos.v33i2.8826

Edição

Seção

Artigos