Egodocumentos: os documentos que expressam a personalidade, intimidade e motivações dos titulares de arquivos pessoais

Augusto César Luiz Britto, Analaura Corradi

Resumo


O presente trabalho constitui-se como uma revisão de literatura do tema “egodocumento” tendo como subsídio a historiografia holandesa que originou e aprofundou o termo e as publicações nacionais recentes na área da comunicação, linguística e historiografia. A pesquisa originou-se após a leitura do livro de Camargo; Goulart; (2007) que ao abordarem os Arquivos Pessoais citam os egodocumentos como aqueles documentos onde a intimidade e motivações dos titulares dos arquivos se fazem presente no processo de narrar a sua vida. A falta de um estudo mais abrangente sobre os “egodocumentos”, dentro da perspectiva arquivística, motivou a revisão da literatura principalmente ao que tange a história do termo, os conceitos enunciados e as principais espécies exemplificadas pelos autores que trabalham com o tema. Esse trabalho busca, portanto, contribuir com a literatura arquivística, principalmente para aqueles interessados em Arquivos Pessoais.


Palavras-chave


Egodocumento; Arquivo Pessoal; Arquivo Familiar; Autobiografia;

Texto completo:

PDF

Referências


AMELANG, James. Popular autobiography in early modern Europe: many questions, a few answers. Memoria y Civilización (MyC), 5, 2002.

ANÍBAL, Alexandra. Vidas escritas: para uma tipologia dos documentos pessoais como fontes de uma sociologia à escla individual – o caso dos Portefólios Reflexivos de Aprendizagens. Lisboa, CIES e-Working Papers (2011).

ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Dicionário Brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BAGGERMAN, Ariane. The Moral of the Story: Children’s Reading and the Catechism of Nature around 1800. In: Making Knowledge in early modern Europe. Ed. Pamela Smith. Benjamin Schmidt. Chicago, The University of Chicago Press, 2007.

BAGGERMAN, Ariane. Travellers time. Nineteenth-century autobiographers and their fight against forgetting in Les écrits du for privé en Europe, ed. Jean-Pierre Bardet. Élisabeth Arnoul. Francois-Joseph Ruggiu. Bordeaux, Universitaires de Bordeaux, 2010.

BAGGERMAN, Arianne. Autobiography and Family Memory in the Nineteenth Century. In: Autobiographical Writinh in its Social Context since the Middle Ages, ed. Rudolf Dekker (Hilversum: Verloren, 2002).

BURKE, Peter. A Escola dos Annales (1929-1989): a Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.

CAMARGO, Ana; GOULART, Silvana. Tempo e circunstância: a abordagem contextual dos arquivos pessoais. São Paulo: Instituto Fernando Henrique (iFHC). 2007. 316 p.

CHARTIER, Roger. A História hoje: dúvidas, desafios, propostas. Estudos Históricos: Rio de Janeiro, 1994.

COSTA, C. Amaral, R. Lá Lá Lá Lá Lá Brizola: um nome e uma memória em disputa. Rio de Janeiro, Revista Morpheus, 2016.

DEKKER, R. Dutch Travel Journals from the sixteenth to the early nineteenth centuries. Lias, Sources and Documents relating to the Early Modern History of ideas 22, 1995.

DEKKER, R. Egodocuments in the Netherlands from the sixteenth to the nineteenth century. In: Envisioning Self and Status. Self-representation in the Low Countries 1400-1700 ed. Erin Griffey. Hull, Association for low Countries Studies in Great Britain and Ireland, 2000.

DEKKER, R. Jacques Presser’s Heritage: Egodocuments in the Study of History. Memoria y Civilización (MyC), 5, 2002.

DEKKER, R. Watches, Diary Writing and the Search for Self-Knowledge in the Seventeenth Century. In: Making Knowledge in early modern Europe. Ed. Pamela Smith. Benjamin Schmidt. Chicago, The University of Chicago Press, 2007.

DEKKER, Rudolf. Egodocuments and history: autobiographical writing in its social context since the Middle Ages. Hilversum: Verloren, 2002.

FULBROOK, M. RUBLACK, U. In relation: The ‘Social Self’ and Ego-documents. In Germany History, 28 (3), 2010.

GREYERZ, K. Ego-documents: The last-word? In: German History, 28 (3), 2010.

GROFβE, Sybille. Cartas e correspondência ordinária como ego-documentos na análise linguística. Revista Linguística/Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 11, número 2, dezembro de 2015.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rosseau a internet. Belo Horizonte, 2008.

MACEDO, Ana. Dos diários privados aos blogues: uma expressão temporalmente continuada de intimidade reflexa. In: Araújo, E. Duque E. Franch, M. Tempos sociais e o mundo contemporâneo – As crises, As fases e as Rupturas. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho, 2014.

MAGALHÃES, J. Prefácio a Ernesto Português. In: Cadernos de contas de um Barbeiro. Memória de Monção, Ed. Ernesto Barbeiro, Lisboa, 2010.

MOSTACERO, Rudy. Persona y subjetividad em um ego-documento: El caso Roland Barthes. Zulia – Venezuela, Revista Lingua Americana, 2006.

SÁNCHEZ, M. La recuperación de uma memória ausente: Demandas judiciales y relatos de vida em La construcción de la historia de las mujeres. Cádiz, Arenal, 2005.

SILVA, C. Narrativas digitais sobre os exames de admissão ao ginásio: ego-documentos e cultura escrita na história do tempo presente. Florianopólis, Tempo e Argumento, 2015.

SILVA, W. Saber se inventar: o memorial acadêmico na encruzilhada da autobiografia e do egodocumento. Caxias do Sul, Métis, 2016.

VÁSSINA, Elena. O último Tolstói como tema da literatura contemporânea: abordagens à analise do gênero documental in: XII Congresso Internacional da ABRALIC. Curitiba, 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/biblos.v32i2.7968

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PROPESQ PROPESQ PROPESQ   PROPESQ   PROPESQPROPESQ             PROPESQ