Perspectiva histórica de concepção da Lei 12.244/10: aspectos compreendidos entre a implantação, impactos socioeconômicos e seu cumprimento

Joel Souza

Resumo


Esta investigação propõe uma descrição da conjuntura da Lei 12.244/10 do ponto de vista de sua concepção e perspectivas em relação à implantação até o ano de 2020, quando todas as escolas públicas e privadas deverão possuir uma biblioteca escolar contando com a presença de um profissional bibliotecário. A importância desta investigação advém do vulto que a educação possui junto à sociedade perfazendo pressuposto básico para que todos os cidadãos do país se desenvolvam com amplas oportunidades de crescimento intelectual, cultural e econômico. Enquanto política pública, o MEC percebe na promulgação da lei, possibilidades efetivas de universalização da educação por meio da biblioteca empregando toda a sua expertise em prol da qualidade no aprendizado. O objetivo geral deste estudo compreende a caracterização da lei 12.244/10, onde como resultado da análise da massa documental e consequente reflexão sobre a temática, observou-se por meio de levantamento de informações quantitativas que, para uma eficaz aplicação da lei é imprescindível o aporte de investimentos significativos, e em igual medida, a revisão de processos, bem como do modelo de gestão no que diz respeito à alocação, recomposição, qualificação e reciclagem do material físico e humano envolvido neste processo de implantação e cumprimento da lei.


Palavras-chave


Bibliotecas Escolares; Educação; Lei 12.244/10.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. E. Alvino. A biblioteca faz a diferença. In: CAMPELLO, B. S.

A biblioteca escolar: temas para uma prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

BLATTMANN, U.; GARCEZ, E. F. Fórum de debates sobre biblioteca escolar brasileira, com base no Manifesto UNESCO/IFLA. In: MACEDO, N. D. Biblioteca escolar brasileira em debate: da memória profissional a um fórum virtual. São Paulo: Editora SENAC: Conselho Regional de Biblioteconomia, 2005.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal de Ensino. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2016.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE. Sumário Executivo. Brasília, 2002. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2016.

BRASIL. Senado Federal. Lei 12.244/10 de 24 de maio de 2010. Disponível em:

. Acesso em: 15 dez. 2016.

BRASIL. Congresso. Senado. PLC 28: Parecer a emenda nº 2 Senador Paulo Paim. 2012. Brasília, DF: Editora do Senado Federal, Legis Senado. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Operacionais da Educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

CALIXTO, José António. A Biblioteca escolar e a sociedade da informação. Lisboa:

Caminho, 1996.

CASTRILLON, Silvia. Modelo flexível para um sistema nacional de bibliotecas escolares. Brasília: FEBAB, 1985.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 2004.

ECOFUTURO. Leitura em números. Versão eletrônica. Salvador, Instituto Ecofuturo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

ESCAPATICIO, Márcia. Colégios de aplicação são ilhas de excelência no Brasil: essas instituições se destacam com ensino inovador e valorização da pesquisa. Revista Escola, Clube Nova Escola. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2017.

ESCOL.AS (Brasil). Escolas: Florianópolis. 2015. Site Educacional. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2017.

FIALHO, I. A Qualidade de ensino e a avaliação das escolas em Portugal: contributos para a sua história recente. Educação: Temas e problemas – Avaliação, qualidade e formação. Évora, 2009, v. 7, n. 4, p. 99-116. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2017.

FLORIANÓPOLIS. Lei nº 2897/88, de 07 de julho de 1988. Dispõe sobre o plano de

cargos e empregos, de vencimentos e salário, do quadro único de pessoal civil da

administração direta do município e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2017.

FREIRE, Paulo. A Importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1995.

GARCEZ, Eliane F. As Competências do bibliotecário na educação básica: reflexões de rede. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v. 19, n. 4, p. 3-24, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2017.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HILLESHEIM, A. I. A.; FACHIN, G. R. B. Conhecer e ser uma biblioteca escolar no ensino-aprendizagem. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina. Florianópolis, 1999, v.4, n.4, p.64-79.

INEP (Brasil). MEC. Site Institucional: educação. 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Dados do Censo Escolar, série Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, n. 5, Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IFLA/UNESCO. A Biblioteca Escolar no Ensino-Aprendizagem para todos: manifesto da Biblioteca Escolar. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2017.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1998.

LOURENÇO FILHO, M. B. O Ensino e a biblioteca. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946.

LOE – LEI ORGÂNICA DE ESPANHA. Ministério de Educação, Cultura e Desporto. Preâmbulo da lei, 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2017.

MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica: ciência e

conhecimento científico; métodos científicos; teoria, hipóteses e variáveis; metodologia

jurídica. 5. ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas, 2009.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa:

planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MEC. Programa Nacional Biblioteca da escola (PNBE): leitura e bibliotecas nas

escolas públicas brasileiras. Secretaria de educação Básica, Coordenação Geral de

Materiais Didáticos, elaboração Andréa Berenblum e Jane Paiva. Brasília:

Ministério da Educação, 2008.

NERY, Alfredina. Biblioteca escolar: um jeito de ajeitar a escola. In: GARCIA, Edson Gabriel (Org.). Biblioteca escolar: estrutura e funcionamento. São Paulo: Loyola, 1989.

NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

OLIVEIRA, Zita Catarina P. O Bibliotecário e sua auto-imagem. São Paulo: Pioneira, 1983.

PEREIRA, A. K. Biblioteca na escola. Brasília: MEC, Secretaria da Educação Básica, 2006.

POMBO, O. Museu e biblioteca: a alma da escola. In: Pombo, O. (org.), O Museu de Alexandria (organização de uma monografia sobre o museu de Alexandria), 4º Caderno de História e Filosofia da Educação, Lisboa: ed. Departamento de Educação da Faculdade de Ciências de Lisboa, 1997, p. 3-21. Disponível em:

. Acesso em: 03 fev. 2017.

PORTAL MEC. Página Inicial. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

RASCHE, Francisca. Políticas públicas para bibliotecas escolares. Florianópolis: CIN/CED/UFSC, 2009.

RÉVILLION, A. S. P. A Utilização de pesquisas exploratórias na área de marketing. Revista Interdisciplinar de Marketing, Maringá, v.2, n.2, p. 21-37, Jul./Dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2017.

RÖSING, T. M. Kuchenbecker. Se não lêem ou lêem pouco, como esperar que escrevam? In: BIANCHETTI, Lucídio (Org.), 2 v. Trama e texto: leitura crítica, escrita criativa. São Paulo: Summus, 2002.

SAEB. Microdados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica: estatísticas educacionais. 1997. Portal Brasileiro de Dados Abertos. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2017.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa. Relatório e voto ao projeto de Lei complementar nº PCL/0039.0/2010. Disponível em:

. Acesso em: 17 dez. 2016.

SANTA CATARINA. Procuradoria Geral do Estado. Parecer 0031/11, de 6 de janeiro

de 2011. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2016.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado Da Educação e Inovação. Diretoria de

Recursos Humanos. Portaria nº 003/SED de 04/04/2003. Dispõe sobre o pessoal para desenvolver atividades administrativas nas EEB – EEB – EEF da rede estadual de ensino. Diário Oficial [do Estado de Santa Catarina], Florianópolis, p. 2, 08 abr. 2003.

SCHULTZ, T. Capital humano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da Pesquisa e elaboração de dissertação.

Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

SILVA, E. R. P. Biblioteconomia em Mato Grosso. 2015. A Tribuna Digital. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2016.

SILVEIRA, C. E. Políticas públicas para biblioteca escolar em Goiás: análise do programa de bibliotecas das escolas estaduais – PBEE da Secretaria de Estado da Educação de Goiás – SEDUC/GO. 2010. 103 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) - Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

SOARES, Isaura Lima Maciel. O Caráter pedagógico das fiscalizações sobre as

bibliotecas escolares. Conselho Regional de Biblioteconomia 7° Região, Rio

de Janeiro, 2011. Disponível em:

emid=123> Acesso em: 05 mar. 2017.

SWEENEY, D. An Examination of the reasons why teachers change teaching jobs. Comunicação apresentada no “Annual Meeting of American Educational Research Association”, Chicago. IL, 1991.

TOMASONI, C. T. et al. Responsabilidade social e ética para uma sociedade inclusiva catarinense. In: PAINEL BIBLIOTECONOMIA EM SANTA CATARINA, 24. Florianópolis, 2005, Anais. Santa Catarina: ACB, 2005. p. 01 - 65. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

VÁLIO, E.B.M. Biblioteca Escolar: uma visão histórica. Transinformação, Campinas, v.2, n.1, p.15-24, 1990. Disponível em:

. Acesso em: 29 dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/biblos.v31i2.6817

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PROPESQ PROPESQ PROPESQ   PROPESQ   PROPESQPROPESQ             PROPESQ

 

 

PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ