A sociedade do espetáculo e as fake news

provocações e implicações perante o Direito à Informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v36i1.13420

Palavras-chave:

Fake News, Direito à informação, Desinformação, Sociedade do espetáculo

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o conceito de sociedade do espetáculo, de Guy Debord, perante a disseminação de fake news, a fim de identificar as mazelas que esse fenômeno causa ao Direito à Informação. A edição e manipulação de imagens as transforma e midiatiza como representação invertida da realidade social, tornando a sociedade uma espectadora de si, que contempla o mundo idealizado pelas mídias. O indivíduo, por meio das mídias sociais, promove a disseminação de informações falsas, representando um contexto social espetacular. Assim, questiona-se: como o Direito à Informação pode auxiliar nas reflexões sobre fake news e desinformação? Este estudo realiza uma revisão de literatura focada nas características da desinformação, das fake news e da sociedade do espetáculo. Compreende-se que a sociedade do espetáculo torna-se retroalimentadora da própria “realidade falsa”, induzida a tal ato pelas corporações midiáticas, que detêm o poder informacional de relevância social, sedentas, ainda, por centralizar e limitar o acesso às informações, bem como em obter o lucro pelos conteúdos produzidos e disseminados. Como há dificuldades em distinguir as fake news de outros conceitos, os quais invadem a categoria das notícias falsas, a sociedade, incapaz de afastar-se da ilusão promovida pela efervescente circulação de imagens e discursos, tanto imprecisos como enganosos, pode encontrar no Direito à Informação o auxílio para diminuir os impactos negativos da desinformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luziane Graciano Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Departamento da Ciência da Informação - Biblioteconomia

Referências

ALVES, Giulia Ferrigno Poli Ide. Reflexões sobre o fenômeno da desinformação: impactos democráticos e o papel do direito. Revista dos estudantes de direito da Universidade de Brasília, Brasília, DF, n. 16, p. 263-280, 2019. Disponível em:https://vlex.com.br/vid/reflexoes-fenomeno-da-desinformacao-838491397. Acesso em: 13 dez. 2020.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. [Código de Processo Civil]. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Brasília, DF: Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406compilada.htm. Acesso em: 13 dez. 2020.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

DEBORD, Guy. Sociedade do espetáculo. [S.l.]: Projeto Periferia, 2003.

FAUSTINO, André. Fake news e a liberdade de expressão nas redes sociais na sociedade da informação. São Paulo: FMU Complexo Educacional, 2018.

FLORES, Pablo Jamilk. Inferências falseadoras como base para a pós-verdade. Línguas & Letras, Cascavel, v. 18, n. 41, p. 20-32, 2017. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/18494. Acesso em: 13 dez. 2020.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARTELETO, Regina Maria. Conhecimento e sociedade: pressupostos da antropologia da informação. In: AQUINO, Míriam Albuquerque. O campo da Ciência da Informação: gênese, conexões e especificidades. João Pessoa: Ed. Universitária, 2002. p. 101-115.

OIKAWA, Erika. Dinâmicas relacionais contemporâneas: visibilidade, performances e interações nas redes sociais da Internet. In: PRIMO, Alex (Org.). A internet em rede. Porto Alegre: Sulina. 2013.

PAULA, Lorena Tavares de; SILVA, Thiago dos Reis Soares da; BLANCO, Yuri Augusto. Pós-verdade e fontes de informação: um estudo sobre fake news. Revista Conhecimento em Ação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 93-110, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rca/article/view/16764. Acesso em: 13 dez. 2020.

RECUERO, Raquel. Atos de ameaça à face e à conversação em redes sociais na internet. In: PRIMO, Alex (Org.). A internet em rede. Porto Alegre: Sulina. 2013.

SAMPAIO, Denise Braga; LIMA, Izabel França de; OLIVEIRA, Henry Poncio Cruz de. Estratégias fact-checking no combate à fake news: análises informacional e tecnológica no e-farsaAcesso em: 13 dez. 2020.s e boatos.org. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 19., 2018, Londrina, Anais […]. Londrina, UEL, 2018. Disponível em: http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIX_ENANCIB/xixenancib/paper/view/1325. Acesso em: 13 dez. 2020.

SEELAENDER, Airton C. Leite. O direito de ser informado - base do paradigma moderno do direito de informação. Revista de Direito Público, São Paulo, v. 25, n. 99, p. 147-159, jul./set. 1991. Disponível em: https://xdocs.com.br/doc/o-direito-de-ser-informado1-x8q6dlx69qnw. Acesso em: 13 dez. 2020.

TAUILE, José Ricardo. Uma introdução à economia política da informação. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 89-108, 1981. Disponível em: https://revistas.dee.spgg.rs.gov.br/index.php/ensaios/article/view/135. Acesso em: 13 dez. 2020.

WOOD JÚNIOR, Thomaz. Para entender a pós-verdade. Carta capital, São Paulo, v. 23, n. 936, p. 38, jan. 2017.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

Massoni, L. F. H., Martins, L. G., & Del Sent, L. V. (2022). A sociedade do espetáculo e as fake news: provocações e implicações perante o Direito à Informação. BIBLOS, 36(1). https://doi.org/10.14295/biblos.v36i1.13420