A DICOTOMIA DO ACESSO À LEITURA E AS BIBLIOTECAS PÚBLICAS DURANTE O ESTADO NOVO

Autores

  • Clara Duarte Coelho Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2776-6359
  • Sueli Bortolin Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.12181

Palavras-chave:

Biblioteca pública, Instituto Nacional do Livro, Getúlio Vargas, Estado Novo.

Resumo

As bibliotecas públicas são instituições de promoção do acesso à leitura, informação e cultura, dependentes administrativamente do estado. Entretanto, até o início do governo de Getúlio Vargas a implantação desses espaços não estava inserida nas prioridades governamentais e somente após 1937 essa questão entrou em debate na administração pública. O presente artigo tem como objetivo empreender uma reconstituição histórica sobre a questão das bibliotecas públicas em âmbito nacional durante o período de maior controle estatal do país. Nos procedimentos metodológicos adotou-se a pesquisa bibliográfica e documental com abordagem qualitativa do problema. O recorte temporal definido para esta pesquisa foi o início do plano de governo denominado Estado Novo em 1937 até 1945. Descreve os principais projetos desenvolvidos pelo Instituto Nacional do Livro (INL) durante a gestão do seu primeiro diretor Augusto Meyer. Analisa como esse governo autoritário utilizava a censura para controlar a sociedade por meio da leitura. Os resultados obtidos evidenciaram a importância do INL e uma tendência de investimento para incentivar a criação de bibliotecas, no entanto, a difusão dos ideais do plano nacionalista instaurado no Brasil no Estado Novo inviabilizaram a concretização dessas iniciativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clara Duarte Coelho, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil

Mestra em Ciência da Informação pelo Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (PPGCI/UEL)

Bibliotecária pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Sueli Bortolin, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília)

Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (PPGCI/UEL)

 

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Sociedade e biblioteconomia. São Paulo: Polis, 1997.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Biblioteca pública: avaliação de serviços [livro eletrônico]. Londrina: Eduel, 2013.

ARAÚJO, Eliany Alvarenga de. A palavra e o silêncio: a Biblioteca Pública e estado autoritário no Brasil. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2002.

BAGANHA, Filomena. Novas bibliotecas, novos conceitos. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Porto, n. 1, p. 93-97, 2004. Disponível em: http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/616/1/93-97FCHS2004-11.pdf. Acesso em: 02 ago. 2020.

BRAGA, Maria de Fátima Almeida. A biblioteca pública como um lugar de signo. Infociência, São Luís, v. 4, p. 21-34, 2004. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/index.php/article/download/15935. Acesso em: 03 ago. 2020.

BRAGANÇA, Aníbal. As políticas públicas para o livro e a leitura no Brasil: O Instituto Nacional do Livro (1937-1967). Revista Matrizes, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 221-246, 2009. Disponível em: http://www.usp.br/matrizes/img/04/EmPauta2_Bragancapdf. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. Decreto Lei nº 93, de 21 de dezembro de 1937. Cria o Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro, RJ, Presidência da República, [1937]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del093.htm. Acesso em: 17 ago. 2020.

BRASIL. Lei nº 378, de 13 de janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da Educação e Saúde Pública. Diário Oficial da União: coluna 1, Rio de Janeiro, RJ, Presidência da República, [1937]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L378.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

CARVALHO, José Murilo. Vargas e os militares: aprendiz de feiticeiro. In: D’ARAUJO, Maria Celina (org.). As instituições na Era Vargas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999. p. 55-82.

CASTRO, Cesar Augusto; SILVA, Diana Rocha da; CASTELLANOS, Samuel Luis Velázques. A Biblioteca Pública do Maranhão como instituição educacional. Perspectivas em Ciência da Informação, Brasília, v.16, n. 3, p. 255-269, jul./set. 2011. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1160. Acesso em: 04 ago. 2020.

FERREIRA, Maria Mary. Bibliotecas municipais no Brasil e políticas públicas: uma história do tempo para construir uma sociedade leitora. In: CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez; CASTRO, César Augusto (orgs.). Livro, leitura e leitor: perspectiva histórica. São Luís: Café & Lápis: EDUFMA, 2016. p. 593-621.

INSTITUTO NACIONAL DO LIVRO. Suplemento ao guia das bibliotecas brasileiras. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1941. Disponível em: https://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=ARQ_GC_G&pagfis=6814. Acesso em: 16 ago. 2020.

JARAMILLO, Orlanda. Políticas públicas para el desarrollo y fortalecimiento de la biblioteca pública. Rev. Interam. Bibliot. Medellín, Colombia, v. 29, n. 1, p. 31-62, enero-jun. 2006. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-09762006000100003. Acesso em: 14 set. 2017.

KONTZ, Christie; GUBBIN, Barbara (orgs.). Diretrizes da IFLA para bibliotecas públicas. Brasília: Briquet de Lemos, 2012.

LEITÃO, Bárbara Júlia Menezello. A relação entre bibliotecas públicas, bibliotecários e censura na Era Vargas e Regime Militar: uma reflexão. 2010. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

MACHADO, Frederico Borges; SUAIDEN, Emir José. A biblioteca entre a teoria e a prática. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 29, n.2, p. 22-39, 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/4909. Acesso em: 17 ago. 2020.

MILANESI, Luís. A casa da invenção. São Paulo: Ateliê. 2003.

MILANESI, Luís. Biblioteca. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

MORAES, Rubens Borba de Moraes. Livros e bibliotecas no Brasil colonial. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2006.

MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. Bibliotecas e sociedade: evolução da interpretação de função e papéis da biblioteca. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v.13, n.1, p.7-54, 1984. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/74223. Acesso em: 05 ago. 2020.

NOGUEIRA, Maria Cecilia Diniz. Biblioteca pública: a ambivalência de seu papel. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v.15, n.2, p.222- 248, 1986. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/3674. Acesso em: 07 ago. 2020.

OLIVEIRA, Lucia Lippi. Vargas, os intelectuais e as raízes da ordem. In: D’ARAUJO, Maria Celina (Org.). As instituições na Era Vargas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999. p. 83-96.

OLIVEIRA, Zita Catarina Prates. A biblioteca fora do tempo: políticas governamentais de biblioteca públicas no Brasil, 19371989. 1994. 221 f. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

ORTEGA Y GASSET, José. Missão do bibliotecário. Tradução e posfácio: Antonio Agenor Briquet de Lemos. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2006.

PAIVA, Marília de Abreu Martins de. Bibliotecas públicas: políticas do estado brasileiro de 1990 a 2006. 2008. 140 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, Belo Horizonte, 2008.

SUAIDEN, Emir José. Biblioteca Pública brasileira: desempenho e perspectivas, São Paulo: LISA, 1980.

TAVARES, Mariana Rodrigues. Um Brasil inapreensível: história dos projetos da Enciclopédia Brasileira do Instituto Nacional do Livro. 2016. 138f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016. Disponível em: https://www.historia.uff.br/stricto/td/2031.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

WYLER, Lia. Que censura? Delta, São Paulo, v. 19, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/delta/v19nspe/07.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

Coelho, C. D., & Bortolin, S. (2021). A DICOTOMIA DO ACESSO À LEITURA E AS BIBLIOTECAS PÚBLICAS DURANTE O ESTADO NOVO. BIBLOS, 35(1). https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.12181

Edição

Seção

Artigos