CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DA BIBLIOTHECA PÚBLICA PELOTENSE EM JORNAIS DO SÉCULO XIX (1875-1900)

Autores

  • Renata Braz Gonçalves Instituto de Ciências Humanas e da Informação Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Rio Grande/RS, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7322-2339
  • Eliane Teresinha Peres Professora Titular Aposentada da UFPel. Colaboradora do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado), PPGE, da Faculdade de Educação da UFPel. https://orcid.org/0000-0002-0160-1276

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.12113

Palavras-chave:

História da Leitura, História das Bibliotecas, Pelotas.

Resumo

Este artigo é derivado de tese já defendida e analisa práticas e representações de leitura no final do século XIX, na cidade de Pelotas (RS), tendo como objeto a criação e manutenção da Bibliotheca Pública Pelotense, fundada em 1875. A investigação insere-se no campo da História da Leitura, fundamentada na História Cultural. A pesquisa utilizou como fontes os jornais (diários, literários e humorísticos) publicados em Pelotas no período de 1875 a 1900, adotando a Análise de Conteúdo como técnica de análise. Verificou que a criação da biblioteca surgiu da motivação da comunidade que através da imprensa, promoveu um movimento para suprir “uma lacuna na vida intelectual” citadina. O processo de proposição, criação, construção (com doações, bazares e quermesses) eventos e discussão sobre quem poderia frequentar estão publicados nos jornais. Foram identificadas representações de ilustração, de conhecimento, de luz e civilização. Além disso, constatou que a biblioteca foi criada para atender todas as classes, e não para uso exclusivo das famílias mais abastadas. Conclui que acompanhar a criação da  Bibliotheca e sua manutenção possibilitou conhecer aspectos de uma comunidade que se preocupava com o livro e com o espaço popular destinado à leitura, refutando a argumentações equivocadas anteriores que afirmavam que no século XIX,  no Brasil como um todo não haveria leitura e leitores, tendo em vista que o Rio de Janeiro seria  uma “ilha de cultura isolada”  em meio à falta generalizada de instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Braz Gonçalves, Instituto de Ciências Humanas e da Informação Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Rio Grande/RS, Brasil

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2000), Mestre e Doutora em Educação (2005 ; 2010) pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Atuou como bibliotecária na Rede Pública Municipal de Educação de Pelotas e no Sistema de Bibliotecas da UFPel. É professora Associada no Instituto de Ciências Humanas e da Informação da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, no qual também já exerceu a função de coordenadora do Curso de Biblioteconomia. Atua no Programa de Pós-Graduação em História da mesma instituição. Concluiu o Pós-doutorado na Facultad de Ciencias de la Documentación de la Universidad Complutense de Madrid em 2016. Líder do Grupo de pesquisa MIL - Mediação da Informação e Leitura. 

Eliane Teresinha Peres, Professora Titular Aposentada da UFPel. Colaboradora do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado), PPGE, da Faculdade de Educação da UFPel.

Professora Titular Aposentada da UFPel. Colaboradora do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado), PPGE, da Faculdade de Educação da UFPel. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Londrina (1989), Especialização em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (1992), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000), com Estágio no Exterior (PDEE) na Universidade de Lisboa. Realizou estágio de pós-doutorado (com bolsa CAPES) na University of Illinois at Urbana-Champaign (USA) em 2011-2012. Foi Fulbright Visiting Professor na University of Texas at San Antonio, USA, em 2018.

É líder do grupo de pesquisa HISALES (História da Alfabetização, Leitura, Escrita e dos Livros Escolares, CNPq) desde 2006. Foi, respectivamente, vice-coordenadora e coordenadora do GT 10 - Alfabetização, Leitura e Escrita, da ANPED (Vice-coordenadora em 2016-2017); (Coordenadora em 2018-2019 e atual, 2020-2021).


Referências

ABREU, Márcia. Prefácio. In: MELO, Orlinda C. A invenção da cidade: leitura e leitores. Goiânia: Editora UFG, 2007.

ARAÚJO, Eliany Alvarenga; OLIVEIRA, Marlene. A produção de conhecimentos e a origem das bibliotecas. In: OLIVEIRA, Marlene de (Coord.). Ciência da informação e biblioteconomia: novos conteúdos e espaços de atuação. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2005.

BECKER, Gisele. A construção da imagem da prostituição e da moralidade em Porto Alegre pelo jornal Gazetinha : uma análise dos códigos sociais segundo a Hipótese de Agendamento (1895-1897). 2007. Tese (Doutorado em Comunicação) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002a.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro do leitor ao navegador. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: Editora da UnB, 1994.

CHARTIER, Roger. Do livro à leitura. In: CHARTIER, Roger (Org). Práticas da leitura. 2. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

GONÇALVES, Renata Braz. Livros e leitura na cidade de Pelotas-RS no final do século XIX: um estudo através dos jornais pelotenses (1875-1900). 2010. 237 f. Tese (Pós-Graduação em Educação), Universidade Federal de Pelotas. Disponível em: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/123456789/1616. Acesso em: 15 set. 2020.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ed. Unesp, 2019.

MAGALHÃES, Mario Osório. História e Tradições da Cidade de Pelotas. 3.ed. Pelotas: Armazém Literário, 1999.

MAGALHÃES, Mario Osório. Opulência e cultura na província de São Pedro do Rio Grande do Sul: um estudo sobre a história de Pelotas (1860-1890). Pelotas: Editora UFPel, Livraria Mundial, 1993.

PERES, Eliane. Templo de luz: os cursos noturnos masculinos de instrução primária da Biblioteca Pública Pelotense: 1875-1915. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 1995.

________. Templo de Luz: os cursos noturnos masculinos de Instrução primária da Biblioteca Pública Pelotense (1875-1925). Pelotas: Seiva Publicações, 2002.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 27, n. 53, Jun. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882007000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 jun. 2009. doi: 10.1590/S0102-01882007000100002.

ROCHE, Daniel. As práticas de escrita nas cidades francesas do século XVIII. In: CHARTIER, Roger (Org). Práticas da leitura. 2. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

SCHAPOCHNIK, Nelson. A leitura no espaço e o espaço na leitura. In: ABREU, Márcia & SCHAPOCHNIK, Nelson (orgs.). Cultura letrada no Brasil: objetos e práticas. Campinas, SP: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil (ALB); São Paulo, SP: Fapesp, 2005.

ZILBERMAN, Regina. A leitura no Brasil: sua história e suas instituições. [201?]. Disponível em:

http://www.unicamp.br/iel/memoria/projetos/ensaios/ensaio32.html. Acesso em: 21 fev 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

Gonçalves, R. B., & Peres, E. T. (2021). CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DA BIBLIOTHECA PÚBLICA PELOTENSE EM JORNAIS DO SÉCULO XIX (1875-1900). BIBLOS, 35(1). https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.12113

Edição

Seção

Artigos