DO ESTADO NOVO

BIBLIOTECAS E BIBLIOTECÁRIOS NO RECIFE

Autores

  • Gilda Maria Whitaker Verri Universidade Federal de Pernambuco. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Professora Doutora em História https://orcid.org/0000-0001-5710-7480

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.11960

Palavras-chave:

Biblioteconomia, História das bibliotecas., Biblioteca universitária, Fontes de informação., Biblioteca da Fabico – História

Resumo

A Proposta de implantação de Bibliotecas Populares apresentada por um grupo de intelectuais ao Prefeito do Recife, durante o Estado Novo, foi tecida com vista à realização de uma rede de bibliotecas que atendesse às necessidades socioeconômicas e culturais da população de bairros. A realização do projeto, com bibliotecários, uma década depois do lançamento da ideia, repercutiu favoravelmente entre os usuários. O objetivo foi demonstrar como a Proposta de Implantação de Bibliotecas Populares foi instituída e como as bibliotecas foram construídas pela Diretoria de Estatística, Propaganda e Turismo (DEPT), da Prefeitura Municipal do Recife. A abordagem epistemológica procurou compreender as condições sociopolíticas e institucionais que levaram um grupo de intelectuais a definir a trajetória das bibliotecas na cidade. A pesquisa documental serviu de base para delinear, constituir e dar significado à Proposta. Das cinco unidades implantadas restaram apenas duas, edificadas especialmente para atender aos objetivos da Proposta.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilda Maria Whitaker Verri, Universidade Federal de Pernambuco. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Professora Doutora em História

Formada em Biblioteconomia, e Ciências Sociais. Mestrado em Sociologia e Doutorado em História. Professora do Programa em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. 

Área : Ciências Sociais Aplicadas

Referências

MAGALHÃES, Agamenon. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Pres. República. Recife: Imprensa Oficial, 1940.

ABRANTES, Jorge. Prosa breve. Recife: Associação da Imprensa de Pernambuco, 1976.

ANDRADE, Mário de. Bibliotecas populares. Revista Livros, Rio de Janeiro, v. 2, n. 5, mar. 1957.

ANDRADE, Mário de. Os filhos da Candinha (Crônicas). São Paulo: Martins, 1943.

BARBOSA, Rui. Obras completas. Rio de Janeiro: MEC [s. n.] v. 10, t. 1, p. 140 . Disponível em:

http://www.casaruibarbosa.gov.br/rbonline/obrasCompletas.htm. Acesso em: 25 ago. 2020.

BARROS, Manoel de Souza. A década de 20 em Pernambuco (Uma interpretação). Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1985.

BOBBIO, Norberto. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções de homens de cultura na sociedade contemporânea. São Paulo: Editora da UNESP, 1997.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. Tradução: Cássia R. da Silveira e Denise Moreno Pegorim. Revisão técnica: Paula Montero. São Paulo: Brasiliense, 2004.

CAMPANHA de Educação de Adultos. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 13, p. 263-278, jul. 1945.

CARVALHO, Alfredo de. Bibliotheca exótico-brasileira. Rio de Janeiro: Empresa Graphica Editora, 1929. 3 v.

CATALOGO da Bibliotheca da Faculdade de Direito do Recife. Recife: Empreza d’A Provincia, 1896.

CORSI, Francisco Luiz. Estado Novo: política externa e projeto nacional. São Paulo: UNESP: FAPESP, 2000.

DUARTE, Paulo. Mário de Andrade por ele mesmo. Prefácio de Antônio Cândido. São Paulo: Hucitec, 1977.

FONSECA, Edson Nery da. Aula inaugural do Curso de Biblioteconomia. Diario de Pernambuco, Recife, 16 dez. 1948, p. 4.

FONSECA, Edson Nery da. Homem múltiplo: José Césio Regueira Costa. In: FONSECA, Edson Nery da. O recife revisitado. Natal: EDUFRN, 2002.

FONSECA, Edson Nery da. A propósito do curso de Biblioteconomia da Universidade do Recife. Diario de Pernambuco, Recife, 12 jan. 1950, p.4; 15 jan. 1950, p. 2;18 jan. 1950, p. 2.

FONSECA, Edson Nery da. Vão-se os dias e eu fico: memórias e evocações. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores: a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

LIMA, Letícia de Andrade. A criança e o livro. Jornal do Commercio, Recife, p. 3, 20 nov. 1949.

MAGALHÃES, Agamenon. Ideias e lutas. Recife: Fundarpe, 1985.

MARTINS, Myriam Gusmão de. Curso de Biblioteconomia da Universidade do Recife. In: MOTA, Antônio; VERRI, G.M.W. Interpretação de Edson Nery da Fonseca. Recife: Bagaço, 2001.

MELLO, Milton Ferreira de. Bibliotecas populares do Recife. Cadernos Biblioteconomia, Recife, n. 1, p. 42-45, jul. 1973.

NOVAES FILHO, Antônio. Seis anos de administração municipal. Relatório apresentado pelo Prefeito A. de Novaes Filho ao Interventor Agamenon Magalhaes em dezembro de 1944 (1937-1943). Recife: Prefeitura, 1946.

PANDOLFI, Dulce Chaves. Pernambuco de Agamenon Magalhães: consolidação e crise de uma elite política. Recife: Massangana, 1984.

PROUST, Marcel. Sobre a leitura. Prefácio de José Augusto Mourão. Lisboa: Passagens, 1991.

RECIFE. Bibliotecas populares no Recife. Recife: Diretoria de Documentação e Cultura, 1951.

RECIFE. Decreto no 144, de 01 de março de 1939. Cria a Diretoria de Estatística, Propaganda e Turismo do Município do Recife e dá outras providências. Regulamento a que se refere o Art. 4O do Dec. 144, de 1o de março de 1939.

RECIFE. Decreto no 16, de 13 de agosto de 1945. Dispõe sobre acervo que especifica. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/pe/r/recife/decreto/1945/1/16/decreto-n-16-1945-dispoe-sobre-acervo-que-especifica.html Acesso em: 04 set. 2020.

RECIFE. Decreto-lei no 428, de 8 de junho de 1945. Cria a Diretoria do Documentação e Cultura e dá outras providências.

RECIFE. Lei no 1.686, 5 de março de 1952. Autoriza instalar biblioteca popular em Areias e Afogados. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a1/pe/r/recife/lei-ordinaria/1952/169/1686/lei-ordinaria-n-1686-1952-autoriza-instalar-biblioteca-popular-em-areias-e-afogados?q=+5+de+mar%C3%A7o+de+1952. Acesso em: 04 set. 2020.

REGUEIRA COSTA, José Césio. Bibliotecários e livros. Diário de Pernambuco, Recife, 7 ago. 1979, s.2, p.1.

REGUEIRA COSTA, José Césio. Bibliotecas populares. Recife, 1954. Inédito.

REGUEIRA COSTA, José Césio. A Discoteca municipal. Folha da Manhã, vespertina, Recife. 26 abr. 1948. Vida artística, p. 3.

RIBEIRO, René. Sondagem para a criação de uma biblioteca popular. Recife [s.n.]

RODRIGUES, Lígia Santos da Silva. Memória da Faculdade de Direito do Recife: formação do acervo bibliográfico (1828-1835). 2017. 391f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) –Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/27814/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O%20Ligia%20Santos%20da%20Silva%20Rodrigues.pdf. Acesso em: 2 jan. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Lei no 2.839, de 5 de janeiro de 1937. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1937/lei-2839-05.01.1937.html. Acesso em: 21 ago. 2020.

SCHWARTZMAN, Simon, et al. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo, Edusp, 1954.

VERRI, Gilda Maria W. Templários da ausência. Recife: EDUFPE, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

Verri, G. M. W. (2021). DO ESTADO NOVO: BIBLIOTECAS E BIBLIOTECÁRIOS NO RECIFE. BIBLOS, 35(1). https://doi.org/10.14295/biblos.v35i1.11960

Edição

Seção

Artigos