O BIBLIOTECÁRIO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O MÉTODO ESTRUTURALISTA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v34i2.11490

Palavras-chave:

Atuação Bibliotecária. Ambiente Virtual. Educação a Distância.Estruturalismo.

Resumo

A Educação a Distância vem crescendo cada vez mais e vários profissionais estão engajados na área, dentre eles destaca-se o bibliotecário, o qual dispõe de competências que podem contribuir para a modalidade. Ao observar o método estruturalista, a partir da visão dos seus precursores, Saussere e Lévy-Strauss, os quais apresentam focos referentes à semântica e à antropologia. O presente artigo busca refletir e nortear, do ponto de vista teórico, as contribuições do estruturalismo à atuação do bibliotecário no ambiente da educação à distância. Trata-se, de uma pesquisa bibliográfica e exploratória, com abordagem qualitativa, onde busca, de acordo com a literatura, despertar para as relações importantes que o referido método pode contribuir com as ações do bibliotecário, desde aspectos documentais, como a web semântica, até análises sobre a satisfação dos usuários no tocante aos serviços prestados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Pinheiro da Nóbrega, Universidade Federal do Ceará

Bibliotecária. Mestre em Ciência da Informação.

Andréa Soares Rocha da Silva, Universidade Federal do Ceará

Doutorado em Educação.  Docente do Mestrado Profissional em Saúde da Família e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Coordenadora do Grupo Educação, Tecnologia e Saúde. Coordenadora de Tutoria e EaD NUTEDS/UFC.

Gabriela Belmont de Farias, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Ciência da Informação. Docente do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Ciência da Informação. Líder do Grupo de Pesquisa Competência e Mediação em Ambientes de Informação.

Priscila Barros David, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Educação. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação e do curso de Sistemas e Mídias Digitais da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALVARENGA, Lídia. Representação do conhecimento na perspectiva da ciência da informação em tempo e espaço digitais. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, n. 15, 1 sem. 2003.

ALVES, Adjair; MELO, José Roberto de. Sobre o conceito de estrutura: em que se pode reconhecer o estruturalismo? Revista Diálogos, n. 10, p. 198-223, nov. 2013.

BEM, Vânia; SCHUELTER, Wilson; CRUZ, Dulce Márcia. A interação da EAD é necessária? [S. l.: s. n.], [20--]. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2003/docs/anais/TC68.htm. Acesso em: 15 jul. 2017.

BERNERS-LEE, T.; LASSILA, Ora; HENDLER, James. The semantic web. Scientific America, May 2001. Disponível em: http:// www.sciam.com/article.cfm?articleID=0004814 4-10D2-1C70-84A9809EC588EF21. Acesso em: jun. 2003.

CEREZO, J. A. López (Ed.) et al. Introdução aos estudos CTS: ciência, tecnologia e sociedade. [S. l.: s. n.], 2003.

DESCOLA, Philippe. Claude Lévi-Strauss: uma apresentação. Estudos Avançados, v. 23, n. 67, p. 148-160, 2009.

ELUAN, Andrenizia Aquino et al. Web semântica no ensino a distância. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, n. 26, p. 1-10, 2º sem. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/viewFile/1518-2924.2008v13n26p162/6643. Acesso em: 22 out. 2017.

FOUCAULT, Michael. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France: 1975-1976. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 382 p. (Coleção Tópicos).

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

FRÓES, Henrique. O conceito de inconsciente em Lévi-Strauss revisitado. Pólemos, Brasília, DF, v. 2, n. 4, p. 35-46, dez. 2013.

GADOTTI, Moacir. Educação brasileira contemporânea: desafios do ensino básico . [S. l.]: Centro de Referência Paulo Freire, [20--]. Disponível em: http://acervo.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/3393/1/FPF_PTPF_01_0416.pdf. Acesso em: 11 jul. 2017.

HABERMAS, Jurgen. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70, 1968.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2007. 264 p. (Coleção Trans). Tradução de: Cyberculture.

LIMA, Júnio César de; CARVALHO, Cedric Luiz de. Uma visão da web semântica. [S. l.]: Universidade Federal de Goiás, 2004. Disponível em: http://www.inf.ufg.br/sites/default/files/uploads/relatorios-tecnicos/RT-INF_001-04.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

LITTO, Frederic M.; FORMIGA, Marcos (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson, 2009.

OTSUKA, Joice et al. (Org.). Educação a distância: formação do estudante virtual. São Carlos: UFSCar Virtual, 2011.

PALMA FILHO, João Cardoso. A educação através dos tempos. [S.l.]: UNESP, [20--]. Disponível em: <https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/173/1/01d06t01.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2017.

PEREIRA, Rodrigo; ASSIS, Wanderlice da Silva. A prática biblioteconômica sob a perspectiva da educação a distância - EAD: concepções iniciais. In: ENCONTRO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS DO CENTRO-OESTE, 1., 2010. Goiânia. Anais… Goiânia: UFG, 2010. Não paginado.

RICOEUR, Raul. A metáfora viva. 2. ed. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Ambientes virtuais de aprendizagem: por autorias livres, plurais e gratuitas. Revista FAEBA, v. 12, n. 18, p. [1-20], 2003. Não paginado.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SEMBAY, Marcio José. Educação a distância: bibliotecas de pólos de apoio presencial e bibliotecários. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

SEPÚLVEDA, Maria Inês Moreira; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Realização de estudos de usuários na prática profissional bibliotecária: estudo de campo no sistema de bibliotecas da UFMG. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 269-287, jul./dez. 2012.

SILVA, Renildo Franco da; CORREA, Emilce Sena. Novas tecnologias e educação: a evolução do processo de ensino e aprendizagem na sociedade contemporânea. Educação & Linguagem, ano 1, n. 1, p. 23-35, jun. 2014.

SOUSA, J. Francisco Saraiva de. Claude Lévi-Strauss e o estruturalismo. Desenredos, Teresina, ano 4, n. 15, p. 1-8, out./dez. 2012. Disponível em: http://desenredos.dominiotemporario.com/doc/15-ens-JSaraiva-LeviStrauss.pdf. Acesso em: 11 jul. 2017.

SOUZA, Renato Rocha; ALVARENGA, Lídia. A Web Semântica e suas contribuições para a ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 33, n. 1, 2004. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1077/1176. Acesso em: 16 jul. 2017.

VIDAL, Eloísa Maia; MAIA, José Everardo Bessa. Introdução à educação a distância. [S. l.]: RDS, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Nóbrega, P. P. da, Silva, A. S. R. da, Farias, G. B. de, & David, P. B. (2020). O BIBLIOTECÁRIO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O MÉTODO ESTRUTURALISTA. BIBLOS, 34(2). https://doi.org/10.14295/biblos.v34i2.11490